Pesquisar este blog

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

Carta a PC@Amaral




PC@Amaral publicou em seu blog, mas uma pregação eloqüente – repleta de abobrinhas e lugares comuns - do ‘pastor’ Hernandes Dias Lopes, ‘doutor em ministérios’ pela Igreja Presbiteriana de Vitória... Doutor em ministérios é demais, rsrsrs, ai ai... Mas fazer o que, estou fadado a lutar, mesmo remando contra a maré... O ‘doutos pastor’ versa sobre ‘predestinação e livre-arbítrio’... Seguindo o padrão... E aqui estão as minhas considerações...

Este tipo de vídeo contribui para a ignorância generalizada, e para a piora da qualidade de vida... Em por isso perco o meu precioso tempo, combatendo mais esta ‘santa ignorância’... Primeiro por tratar-se de um relato completamente equivocado, e fundamentalista - enquanto se baseia apenas no fundamento do dito pregador, a bíblia, única fonte do ‘doutor’... Duvido muito que este senhor tenha concluído o segundo grau, e tenho as minhas dúvidas até mesmo sobre o ensino fundamental...

Primeiramente, o livre-arbítrio é uma falácia sem precedentes, do tipo 2 + 2 = 13... Reductio ad absurdum... Abra a sua cabeça, crente, mas não deixe que o seu cérebro despenque no chão... Não pretendo aqui, até por falta de interesse e tempo, falar na fábula bíblica, nem do advento das religiões e superstições, mas não poderei deixar de tocar em algumas questões e enganos clássicos... Questões que o pregador, assume como ‘indiscutíveis’, verdadeiras ‘leis’, são na realidade um delírio de implicações psicológicas graves...

Vamos ao livre-arbítrio... Armazenamos nossas experiências involuntariamente, e recorremos a elas, involuntariamente, e é assim que o cérebro funciona... E além do cérebro, que controla tudo, até mesmo inventando deus, a bioquímica de nossa fisiologia - e tudo isso decorrente da genética – jogam papel DECISIVO... De forma que ‘somos quem somos, sem intencionar sê-lo’... Isso não quita as nossas responsabilidades junto ao poder público, à sociedade e às leis ‘dos homens’... Devemos cumprir os acordos sociais, e legais, e responder por eles, mas efetivamente o livre-arbítrio não existe... Tal confusão decorre em parte, porque todo pensamento que é formado em nossa mente – cérebro – para ser convertido em ação, nos dá a nítida impressão de que é REAL... Mas como veremos, normalmente não é... Ou seja, estamos longe da perfeição, e não existe a perfeição... O cérebro é falho, e muito... Pensem na esquizofrenia, com pessoas que falam e convivem com ‘pessoas’ que não existem... Pensem no caso da senhora que via personagens de desenhos animados convivendo com o mundo ‘real’... Pensem nos membros fantasmas, membros amputados, que dão a exata sensação de continuarem ali... Ditos paciente relatam poder ‘pegar’ coisas com eles... Sentem dor, ou sentem quando tocamos ‘neles’, embora já não existam... Pensem na senhora que teve um derrame e começou a rir freneticamente até – literalmente – morrer de rir... Pensem na mulher que teve um derrame na conexão entre os dois hemisférios co cérebro, e passou a ter a sua mão direita tentando estrangulá-la... Pensem na religião...



Suponhamos que decidamos nos encontrar... Acho que depois desta publicação, você ficará bastante contrariado comigo, rrsrsrs, mas suponhamos – milagrosamente - que não... Que ficou intrigado, e curioso...  De verdade... Então, finalmente nos conheceremos pessoalmente... Espero que o exemplo se cumpra em curto prazo, quem sabe, antes do Natal... Estarei muito feliz, e imagino que a emoção seja recíproca, afinal, decididamente podemos nos tornar bons amigos... Suponhamos ainda que o encontro memorável ocorra no Café da Livraria Cultura... Não poderia ser em um lugar mais oportuno... Então, é chegado o momento e eu traga um sorriso estampado no rosto – de pura emoção – quando digo: “- Amaral?”... Você gira, estampa um belo sorriso, e finalmente estamos apresentados... Os sorrisos e os rostos em sinal de autêntica satisfação permanecem um pouco mais quando digo: “- Peraí, uma foto”... E então, por mais que você se esforce, aquele sorriso espontâneo do encontro não será repetido... Por quê? Não está mais feliz? Claro que não, seguimos felizes, e o encontro está apenas começando... Constrangimento, vergonha? Pode ser, mas existe uma explicação melhor, e definitiva... Na verdade, existe uma explicação clínica...

Simplesmente, as áreas responsáveis pelo ‘sorriso espontâneo’ e o ‘sorriso intencional’ são diferentes... Enquanto o ‘sorriso espontâneo’ brota nos Gânglios Basais, entre o Tálamo e o Cortez, o ‘sorriso intencional’ é estruturado no Cortex Motor... São áreas diferentes... E é aqui que entram os relatos de V.S. Ramachandran – este sim doutorem neurociência... Pacientes com derrame severo no Cortex Motor do lado direito do cérebro, apresentarão paralisia do lado esquerdo do corpo... E vice-versa, pois as funções motoras têm coordenação cruzada no Cortex... Então, suponhamos que um paciente tenha uma paralisia severa do lado esquerdo do corpo... Bem, todo vez que alguém pedir um sorriso para uma foto será aquela careta... Mas, quando este paciente for surpreendido por genuína emoção, estampará no rosto um sorriso tão grande, amplo, completo e lindo como o meu e o seu... De forma plena e sadia... E por que? Milagre? Não... Porque este sorriso se formou nos Gânglios Basais, distantes da área afetada pelo derrame... Diferentes áreas, controlando os mesmos músculos no rosto...

Mas agora, temos outro set de casos, onde os pacientes conseguem posar normalmente para fotos, e lá está o sorriso, forçado, mas simétrico, rsrsrsrs... Mas na hora de um sorriso espontâneo, lá vem a careta... Isso porque este paciente está tendo problema, um pequeno derrame, um tumor, nos Gânglios de um dos dois hemisférios cerebrais... Ou seja, é o ‘negativo’, ou o caso inverso, do exemplo anterior... Saber disso permite aos médicos aprimorar os diagnósticos e desenvolver terapias e tratamentos... Permite aos médicos ACERTAR... Saber, ajuda na justiça, nos acertos, na atitude ÉTICA... Porque não comer do fruto da ‘árvore do conhecimento entre o certo e o errado’? Se é, no mínimo, ético? Porque atrapalha àqueles que querem nos controlar e tirar proveito de nosso MEDO e IGNORÂNCIA...



Um dos casos mais famosos da neurociência: H.M... Estas são as iniciais de um humano como nós, que apesar de tudo o que passou, terminou a sua vida da forma mais digna possível, e dão conta de que com bom humor... Rsrsrsrs, duvido, mas... H.M. sofreu um acidente de bicicleta aos 9 anos... E desde então desenvolveu reações epiléticas... No começo, 10 vezes por semana, até chegar a 10 vezes por dia... E aos 27 anos, em plena década de 50, H.M. foi submetido a uma cirurgia drástica... Os médicos decidiram retirar os Lobos Temporais do Cortex, direito e esquerdo, e o HIPOCAMPO... Quando li o relato pela primeira vez, e ciente – hoje, 2011 – de parte das funções do Hipocampo, pensei: “- Já era...

E lá se foi o Hipocampo de H.M., para sempre... E lá se foram os ataques epiléticos, resultado da remoção dos Lobos Temporais... E aparentemente, não restaram importantes seqüelas ‘a não ser que’ H.M. nunca mais registraria uma ‘memória nova’ enquanto vivesse... O Hipocampo tem a função de selecionar parte de nossa memória de curto prazo, ou memória de trabalho, presente no Lobo Frontal – comparando mal e porcamente com a memória RAM dos computadores –, para então ‘salvar’ ou armazenar na memória de longo prazo – mais uma comparação deveras simplista com o HD ou hard disk dos computadores... H.M. se lembrava perfeitamente de tudo o que viveu até o momento da anestesia de sua cirurgia e depois nunca mais guardou nada na caixola... Nada... As memórias mais fortes e vívidas na mente de H.M., remetiam à infância, antes do acidente de bicicleta, e por isso, aos 27 anos, ele era muito infantil, mas se lembrava com clareza de tudo até o dia fatídico da cirurgia...

Um detalhe importante é que as nossas ‘habilidades’ são armazenas no Cerebelo, depois de aprendidas... Então H.M. sabia andar – até de bicicleta -, falar, etc e tal... Mas por exemplo, não seria mais capaz de armazenar novas palavras, que são guardadas no – HD – Cortex, juntamente com as memórias episódicas...

Mas não haviam alternativas, e a vida de H.M. estava inteiramente comprometida com as crises de forma que as opções não eram muitas... Poderíamos nos aproximar e nos apresentar e manter uma conversa normal, até certa altura da conversa, após uma ou duas horas no máximo... Então ele lançava um olhar curioso e perguntava: “- Quem são vocês? O que estamos fazendo aqui?”... E a memória se perdia, completamente... Mas hoje em dia, podemos fazer cirurgias bem sucedidas, em suas esmagadoras maioria, ou tratar terapeuticamente pacientes como Chico Xavier, um esquizofrênico - do bem -, que a História não diagnosticou... Mas pense em quanto trabalho teremos para desintoxicar gerações de seguidores...

Onde está o livre-arbítrio, onde está a alma, onde está o sobrenatural? Em nossa fantasia, em nosso medo, em nossos equívocos de avaliação...

O Hipocampo está associado ao Sistema Límbico, das emoções, e a seleção de memória - em você e eu, mas não mais para H.M. – que irá ser armazenada, depende do estímulo, excitação e emoção envolvida no papo, ou seja, do que chamamos de ‘grau de interesse’... Desta forma podemos, e devemos, repensar a educação... Mas é um processo lento, gradual, e que começa no conhecimento...



Não é por acaso que os pastores e pregadores se exasperam, em meio a multidões inflamadas, porque isso ‘pega’... E fica armazenado... O processo de lavagem cerebral trabalha com a emoção... Uma pregação tranquila, não pega... Os símbolos do nazismo, as pregações nazistas, tudo era programado para sempre e literalmente inflamada, e Goebbels articulava muito bem tudo isso... Tivemos uma guerra mundial por isso... E Hitler em Mein Kampf se referia à ‘providência divina’... Precisamos de conhecimentos e gerações imunes à ‘providência divina’... Para um mundo melhor e mais humano... Teria outras estórias deliciosas para contar, e adoraria contar, mas estou abusando da extensão deste ‘post’... Por exemplo, uma mulher teve um derrame e começou a gargalhar, de forma que acabou literalmente morrendo de rir após 24 de incessantes gargalhadas... Morreu feliz... Têm o caso da mulher que tinha o braço direito fora de controle, e tentando enforcá-la... Os casos dos membros fantasmas, membros amputados...

Precisamos de muito mais conhecimento, em meio a tanto desconhecimento e ações equivocadas... Me arrisco a dizer que quase ninguém sabe quase nada, sobre questões fundamentais da vida... Sempre me vem à mente a frase estampada no show apoteótico do U2: ‘TUDO O QUE VOCÊ SABE ESTÁ ERRADO’... Pois faça destas, minhas palavras ao mundo... Infelizmente é assim...

A mente busca por padrões, e esta é a definição de inteligência, sendo que este processo nos rendeu uma tremenda vantagem evolutiva até aqui... Mas esperar que tudo tenha uma causa - divinal ou não - faz com que não enfrentemos adequadamente um parte importante da natureza: a ausência de padrões... Os fenômenos aleatórios... Hoje, quando a compreensão é imensa, e os padrões foram amplamente desvendados, precisamos lidar com o fenômenos aleatórios... Não podemos esperar sempre uma causa correlata, e uma causa simplista - e absurda - como a religião... Consultado sobre sua receita para ganhar,  o vencedor da megasena espanhola declarou, sobre os dois últimos dígitos de sua aposta, o número '48', que 'sonhou 7 dias com o número 7, e apostou na multiplicação de 7x7'... Só que 7x7 é 49... Pura superstição... 'Minha unha encravada melhorou, senti felicidade enquanto rezava, o banco na última hora parcelou o meu débito, deus é bom'... Não procede, 7x7 não é 49, e a vida está longe de funcionar assim, com uma causa simplista para tudo: DEUS... Isso é velho, ultrapassado, patético...



A entrega em uma máquina de caça níqueis, em busca de recompensas, é regida randomicamente... Mas 'acreditamos em superstições de sorte', usando a mesma camisa, repetindo uma determinada sequência de ações, ficando em uma perna só na hora de apertar o botão, e procurando repetir um padrão, que afete o resultado em nosso favor... E esperando por uma ‘causa correlata’...

Procurar padrões é uma característica humana evolutiva... Foi desta forma que sobrevivemos até aqui... Somos animais inteligentes - naturalmente - na busca por alimento ou tentando escapar de predadores, até chegar à nossa selva de pedra... A inteligência, pode ser descrita como o grau de sofisticação na capacidade de reconhecimento de padrões... O grande Charles Darwin, um dos homens mais importantes para a saga humana, disse que 'a nossa inteligência difere dos demais animais apenas em grau, e não em tipo'...

No entanto, existem dois 'padrões' de erros que podem ser cometidos na tentativa de encontrar 'padrões para a vida':
1. Falhar em não reconhecer um padrão existente;
2. Reconhecer como um padrão, um padrão que na verdade não existe;

O segundo caso, é descrito popularmente - pela ciência - como superstição... Mas não é aceito como tal pelos seus devotos praticantes... É negado, ou simplesmente não é percebido por inúmeros fatores... Mas trata-se invariavelmente de erro ou ilusão...

Todos os animais com um sistema neurológico - minimamente - desenvolvido, podem desenvolver 'superstição'... Há sessenta anos, Skinner estudou pombos, submetendo as aves ao reconhecimento de padrões, e obtendo sucesso em sus observações... Primeiramente as aves eram estimuladas a repetir padrões e uma máquina tratava então de recompensá-la, alimentando-as... Skinner programou então a máquina randomicamente, e os pombos ao invés de sentar e esperar, posto que os padrões já não funcionavam, começaram a desenvolver 'superstições'; como 'olhar para trás duas vezes' antes de 'bicar' um botão, 'ficar em uma perna só' na hora de tentar a sorte, et coetera...

O problema para os pombos de Skinner e para nós, é que estaremos procurando padrões onde não existem padrões... E muitos fenômenos naturais são aleatórios, e não seguem padrões definidos... Precisamos então conhecer o ‘padrão estatístico’, as probabilidades... E o exercício e conhecimento probabilístico é muito recente, e menos difundido ainda... Temos um hemisfério do cérebro regido pela emoção e pela intuição, e outro regido pela lógica e pelo reconhecimento de padrões... E temos uma genética, acentuando uma ou outra característica predominante, e temos o ‘corpo caloso’, unindo os dois hemisférios, e um complexo – e não misterioso – sistema de tomada de decisões... É assim que funcionamos... Se não alimentarmos o lado lógico, aprendendo padrões, e aprendendo também sobre as ‘probabilidades’, viveremos à mercê da emoção, dos enganos, da eloqüência dos pregadores, dos equívocos...



Imaginem o impacto que as superstições têm em nossas vidas, considerando quão imaginativos e complexos nós, seres humanos, somos... Pense sobre isso na próxima vez que fizer ‘sua apostas’ em dados, loteria ou religião... Ou simplesmente pense... Considerem que a Evolução começa com a aleatoriedade da genética, e se desenvolve na luta pela sobrevivência - seleção natural - e adaptabilidade, também sujeita a fenômenos aleatórios como as oportunidades e eventos cotidianos... O mérito sim existe, mas em que medida influência nossas vida, esta é uma questão nova... E está sendo cada vez mais bem conhecida... Qual a influência do técnico sobre o resultado de uma partida de futebol? Quase nenhuma, e comprovadamente, mas ele é o primeiro a ser demitido... Temos que enfrentar todos este maus entendidos...

E o livre-arbítrio resolvia o seguinte dilema, 'como deus é onipotente, onisciente, onipresente, e acontecem tantos problemas, injustiças, sofrimentos? Por que ele deu o livre-arbítrio ao homem'... Ou seja, a culpa é do homem... Tem que ser, porque DEUS é perfeito... Ou seja, deu certo é a vontade de deus, e deu errado é por culpa do homem... Isso é como JOGAR TÊNIS SEM REDE, muito conveniente para quem decide sobre a pontuação... Ridículo... A bíblia funciona da seguinte forma, se é bom, legal, é literal... Se é ruim, errado, é metafórico... Tênis sem rede...

Considere por um instante que a maior parte do mundo – ainda - vive em condições terríveis, e a maioria dos que sofrem são crentes como você, embora possam ter rezado para o deus errado, ou não pagado o dízimo - porque não tendo o que comer, fica difícil pensar em onde obter recursos para agradar a Deus... Dar-se por satisfeito com a sua condição e declarar 'Deus é bom, glória a Deus', só porque ajudou você, é egoísta e imoral, e por quê? Porque a maioria esmagadora dos que vivem no reino 'do seu deus', e ao seu lado, sofrem... Este Deus de bondade precisa ser devidamente encostado na parede, ou não?



Mas onde está o ‘amor ao próximo’? Ou ‘próximo’ seria melhor traduzido como ‘aquele que paga o dízimo na mesma igreja, terreiro, xamã, ou curandeiro que você’? Por que os dizem ter fé, em um deus tão poderoso, e sentem a exaltação delirante da salvação, não questionam os seus respectivos deuses para entender: porque tanto sofrimento? Por que o universo começa em uma fábula infantil e porque termina em assassinato - em ‘humanicídio’, com a morte de Bilhões? Por que não há perdão neste caso? Por que pecamos? Por que o pecado original, se na verdade, segundo a Bíblia, Adão teria transgredido Deus para saber a diferença entre o bem e o mal, entre o certo e o errado? E isso não é bom? Não é justo, ético? Deveríamos seguir imbecilizados, incapazes de sequer compreender o que é certo, e o que é errado?

E o mais absurdo de tudo isso - nesta história da carochinha bíblica -, é que sem discernir entre o certo e o errado, como poderíamos ter escolhido entre obedecer a Deus ou não? É ridículo, infantil, mas igualmente hipócrita, cínico e mortal... A inspiração bíblica depende do grau de ignorância de quem lê... A essência da fé é acreditar na ‘sua salvação’, sem questionamentos, e sem entender nada, sem provas, sem nada... Questionar, entender, são inimigos da fé... Por quê? Mas como promover justiça, e conhecer a verdade sem questionar? Crendo? Crendo que os planos de deus, do pastor, e os seus planos coincidem?

A única desculpa para deus é o fato dele não existir... Caso contrário, deveria sentar-se no banco dos réus pelo assassinato de 2,5 milhões na Bíblia, sem contar a 'Torre de Babel', 'A Arca de Noé' e 'Sodoma e Gomorra'... Está escrito na sua bíblia... E porque? Porque não acreditaram no recém criado deus de Abrão... Mas nada se compara ao 'humanicídio' do Apocalipse... Onde está o deus de amor, justo, e que perdoa?



É incrivelmente fácil nos enganarmos, o Auto-Engano está por toda parte... A inspiração bíblica depende diretamente da ignorância de quem lê... Agora, CRUCIFIQUEM-ME... Ou melhor, QUEIMEM-ME COMO HERÉGE, INCRÉDULO, APÓSTATA... Ou apenas desejem que eu queime no inferno...

Quando encaro o devaneio ilusório-psicodélico das crenças - todas elas - e considero a quantidade fantástica de conhecimento disponível, penso em quantas vidas desperdiçadas... Quando considero a beleza deste momento na História da Civilização, em termos de disponibilidade de conhecimento, e remeto este pandemônio de esoterismos e misticismos descabidos às minhas considerações neurocientíficas, genéticas, histórias, antropológicas, filosóficas, enfim HUMANAS; só me resta um olhar generoso e compreensivo:

'EU VOS PERDÔO, VOCÊS NÃO TÊM - A MENOR IDÉIA DO QUE ESTÃO FAZENDO COM VOSSAS VIDAS'...

Como último recurso, deveríamos empenhar todos os nossos esforços na busca da VERDADE e da JUSTIÇA, com evidências e conhecimento... Invocar a autoridade divina, seja ela de que divindade ou mito for, é prova de fraqueza, covardia, e egoísmo... A sua vontade não perfaz a verdade... A verdade deve ser buscada encontrada, de forma ÉTICA, imparcial, igualitária... A sua fé não é melhor do que a verdade... Sua fantasia, não é melhor do que a realidade... Sua adoração cega, não é mais bela do que a minha humanidade solidária...

VIVA LA VIDA... UMANA, TROPPO UMANA...

Carlos Sherman


Nenhum comentário:

Postar um comentário