Pesquisar este blog

terça-feira, 17 de janeiro de 2012

A Fé em Freud...

A 'genialidade' de Freud...




Quem vos escreve, há mais de 20 anos, tem investigado, lido, relido, estudado e chafurdado nas obras, dogmas, técnicas e crenças de Sigmundo Freud... Para citar alguns dos textos estudados:

- Estudos sobre a histeria, (com Josef Breuer, título original Studien über Hysterie, 1895);
- A Interpretação dos Sonhos (conceito de Ego, desejos e inconsciente, relação dos sonhos com o passado);
- Sobre a Psicopatologia da Vida Cotidiana (parapraxis, ato falho, a censurada do superego, como chamar a esposa de outro nome - vixiiiii... Segundo Freud isso era mais do que um lapso e uma 'importante via de investigação psicanalítica');
- Três Ensaios Sobre a Teoria da Sexualidade (sexualidade, infância, perversão, e até chupar o polegar, na opinião de Freud, tinha grande relevância no estudo das neurose e perversões... Aí estão os maiores absurdos, a inveja do pênis, ansiedade da castração, e do complexo de Édipo);
- Totem e Tabu (faz analogias entre a psicanálise e a arqueologia, antropologia e religião, “O horror do incesto”, “Tabu e a Ambivalência emocional”, “Animismo, Mágica e a Onipotência dos Pensamentos, e “O retorno do totemismo na infância”);
- Além do Princípio do Prazer (teoria das pulsões, adicionando o instinto de morte, o ser humano em constante luta entre dois instintos opostos: Eros trabalhando pela criatividade, harmonia, conexão sexual, reprodução e auto-preservação, enquanto que Tanatos luta pela destruição, repetição, agressão, compulsão e auto-destruição... Freud compara a morte de uma célula - no nível microscópico - com a morte dos seres humanos, e uns instinto mortal dos humanos, que causa sua própria morte... Um fiasco, mesmo nos círculos psicanalíticos);
- O Ego e o Id (um clássico, a Bíblia Psicanalítica para muitos seguidores);
- Moisés e Monoteísmo (Freud viaja na maionese, e diz que o Moisés bíblico nasceu da nobreza egípcia, e era o segundo Akenaton, um antigo Deus egípcio monoteísta... Que bases Freud tinha para isso, além da sua vontade de montar o quebra-cabeças);
- Recomendações aos Médicos que Exercem a Psicanálise - Obras Completas de Sigmund Freud: Vol. 12 (onde Freud define a sua 'atenção flutuante', base para a sua crença de que, o psicanalista poderia - pasmem - 'dormir' durante a sessão, roncando e babando, e as suas consciência estariam em contato, digamos, de forma telepática... É mole? Mas o paciente deveria acordar o psicanalista para desembolsar uma grana, antes de ir-se);
- Coleção OBRAS COMPLETAS DE SIGMUND FREUD... 

E ainda:
- Peter Gay, 'Freud - Uma Vida para o Nosso Tempo';
- Vários Autores, 'O Livro Negro da Psicanálise';
- Michel Onfray, 'Le crépuscule d'une idole. L'affabulation freudienne';
- Entrevistas e debates com Michel Onfray;
- Documentário BBC sobre Freud;
- Outros documentários;
- Debates com diversos psicanalistas;

Este é um debate, como o bom debate deve ser, qualitativo, e não quantitativo... Contra-argumentar fatos com o números - de clientes, crentes, 'psicanalistas', e cifras relacionada ao 'freudianismo' -, não esclarece nada... O objetivo mercadológico é claro, assim como sucede com outras crenças como o judaísmo, cristianismo e islamismo, que remuneram os seus mestres... Ao contrariar tais crenças, estaremos também mexendo com o bolso, o status e o poder do rabinato, da cúria, dos pastores de rebanhos, dos mulás, e dos psicanalistas... 

E minha conclusão vai endossada por biografias 'apócrifas' sobre Freud, assim como por obras assinadas por diversos estudiosos sobre o tema, e compiladas - por exemplo - no 'O Livro Negro da Psicanálise', mal traduzido no Brasil, e de forma nada 'imparcial' - como reza o rito de uma boa tradução -, e apenas uma parte do vasto material original... Assim como 'O Crepúsculo de um Ídolo, A Fábula Freudiana', de Michel Onfray, ainda não traduzido para o português, por falta de interesse mercadológico... Mas as vozes em defesa de Freud e de sua 'fraude histórica', são muitas, porque os interesses econômicos falam mais alto... Qual o benefício de escrever estas malfadadas linhas, na contramão das crendices mais arraigadas em nossa cultura, acerca da psicanálise? Portanto, Onfray e outros, assim como eu, estão movidos apenas pelo interesse em servir à Humanidade, livrando o nosso presente e o nosso futuro da charlatões deste quilate... Não podemos voltar as costas à nossa integridade intelectual, e aqui estamos para denunciar este absurdo chamado de 'terapia psicanalítica'... E que pese, que estou apoiado apenas em documentos e estudos sérios, envolvendo décadas do mais genuíno esforço por encontrar uma única estrutura coerente em todo este grave devaneio freudiano.... 


Não posso conter certa emoção nas palavras, o que é dispensável um debate de idéias, mas realmente não consigo esconder o meu desagrado com o fundamentalismo freudiano, e suas trincheiras pouco honestas... 


Hoje sabemos que não se pode entender e nem tatear sobre a mente humana, sem entender 'primeiramente' a impulsão Genética, a Neurologia e a Fisiologia Humana... Apenas observar comportamentos, sem amostragem, sem duplo cego, sem método científico, e buscando sobretudo notoriedade, não levam a compreensão alguma, senão a muita confusão, e dogmas... Este é o primeiro contencioso com a psicanálise...

Tomemos o 'célebre' Complexo de Édipo:

"Freud baseou-se na tragédia de Sófocles(496–406 a.C.), Édipo Rei, para formular o conceito do Complexo de Édipo, a preferência velada do filho pela mãe, acompanhada de uma aversão clara pelo pai. Na peça (e na mitologia grega), Édipo mata o seu pai Laio, e desposa a própria mãe, Jocasta. Após descobrir que Jocasta era sua mãe, Édipo fura os próprios olhos e Jocasta comete suicídio. Sófocles, utilizou este mito para suscitar uma reflexão sobre a questão da culpa e da responsabilidade perante as normas, éticas e tabus estabelecidos na sua sociedade (comportamento que, dentro dos costumes de uma comunidade, é considerado nocivo e lesivo à normalidade, sendo por isto visto como perigoso e proibido aos seus membros)." - Dostoiévski...

"O complexo de Édipo é uma referência à ameaça de castração ocasionada pela destruição da organização genital fálica da criança, radicada na psicodinâmica libidinal, que tem como plano de fundo as experiências libidinais que se iniciam na retirada do seio materno."... Em resumo, nós, homens, tememos ser castrados - isso mesmo - por nossos pais... E isso porque desejamos ardentemente - de forma 'libidinosa' - e sexualmente, as nossas mães... Qual a comprovação disso? Nenhuma... Apenas a projeção da mente doentia e ambiciosa de Sigmund Freud...

Carl Gustav Jung, discípulo, e depois, dissidente de Freud, desenvolveu um conceito semelhantemente, o Complexo de Electra... Vejamos do que se trata:


"Define-se o 'Complexo de Electra', como sendo uma atitude emocional que, segundo algumas doutrinas psicanalíticas, todas as meninas têm para com a sua mãe; trata-se de uma atitude que implica uma identificação tão completa com a mãe que a filha deseja, inconscientemente, eliminá-la e possuir o pai."

Sigmund Freud referia-se a este 'comportamento' como o 'Complexo de Édipo Feminino'... Já Jung preferia chamar de "Complexo de Electra", baseando-se para isso, no mito grego de Electra, filha de Agamemnon, que pediu a seu irmão que vingasse da morte do pai, matando sua mãe - Clytemnestra... No entanto, Freud rejeitava o uso de tal termo, por que enfatizava a analogia da atitude entre os dois sexos... O 'Complexo de Electra' está sempre correlacionado com o 'Complexo de Édipo', já que os princípios e conceitos fundamentais se confundem...

Analisemos também, o dogma freudiano sobre a 'frustração feminina, ao invejar o pênis masculino... Desta forma, ela, a mulher, todo mulher, trata de associar-se a um parceiro, marido, namorado, amante, para 'ter um pênis para chamar de seu', e assim contrapor a sua 'frustração fálica'... Tais conclusões, assim como toda a teoria dos sonhos, enjoo na gravidez, fases do desenvolvimento, decorrem de  profundo desconhecimento sobre a Genética, Epigenética, Embriogenese, Fisiologia, Endrocrinologia, Neurologia, Neurociência Cognitiva, e até mesmo sobre Mitologia... 

Mitos não são reflexos do entendimento do homem sobre o homem... Mitos não são 'verdades' projetadas... Mitos sãos apenas as sombras da verdade... Os mitos são, em primeira instância, frutos do equívoco, e não da clareza... Mitos são as caricaturas da incompreensão... Os mitos são a incompreensão expressa em analogias e fantasias... Os mitos decorrem da convergência cultural, partindo de idéias primitivas, partindo do medo em relação ao desconhecido... De forma que imaginar que a mitologia esteja trabalhando para revelar verdades, é uma ideia equivocada, e neste caso, falaciosa... A Mitologia não nos diz como a realidade é... A Mitologia nos conta, como uma determinada cultura ancestral acreditava ser... Buscar inspiração científica na mitologia, demonstra apenas uma tremenda  falta de recursos... O objetivo era buscar o novo, a dramatização, o choque, que funciona e funcionava sobre as massas, como demonstram as crenças e religiões... O objetivo era começar com algo deveras simplista, e terminar envolto em mistério e erudição...

Onde está a base do Complexo de Édipo? Que princípios Genéticos, Fisiológicos, e Neurocientíficos, e evidências, suportam tal conceito?

'Freud não explica', nunca explicou... Mas afastou reflexões importantes até aqui... Não mais...


Freud é 'Froida'...

Carlos Sherman

Nenhum comentário:

Postar um comentário