Pesquisar este blog

sábado, 25 de fevereiro de 2012

Arthur e as 'almas'...




Arthur não parecia confortável com um aspecto particular do meu comentário, onde tratava de desqualificar a psicanálise, entre outras coisas, citando um comentário de Elisabeth Roudinesco - em sua Cruzada Psicanalítica: "A avaliação dita 'experimental' dos resultados terapêuticos, não tem valor na psicanálise, ela reduz sempre a alma a uma coisa"...

Basicamente Roudinesco está assumindo que a Psicanálise não pode ser verificada cientificamente e sugerindo que acreditemos nela, em Freud e em ALMA... Logo, se não pode ser verificada cientificamente - e depende de crenças -, não pode ser prescrita como processo terapêutico, afinal, quem garante que funciona? Roudinesco, que ainda acredita em almas? 

Arthur então questionou:

"Como assim 'que alma?'"... Ou seja, 'mas é claro que a alma existe'... Então respondi sua interrogativa:

Simples assim: 'que alma?'... Sim, é isso mesmo, que 'alma'?... Ou seja, ciência, medicina, e saúde pública, não se confundem com crenças e crendices... Todos tem a liberdade de acreditar em 'alma', seres extra-terrestres, gnomos, fadas, unicórnios, bruxas, deuses, demônios, etc e tal, mas não adotamos procedimentos médicos e terapêuticos, de nenhuma ordem e sob nenhum pretexto, considerando 'almas', assim como qualquer outra classe de superstição... Surpreso? Entendo, e posso ajudá-lo a entender mais sobre isso... Não existe nada na psiquê humana que se pareça minimamente com o velho e vazio conceito de alma... A alma ocupava as lacunas da ignorância, mas isso já era - a muito tempo... 

O nosso cérebro, a nossa mente, e o nosso comportamento não abriga nenhum tipo de mistério insoldável e esotérico... Onde uns, por mero desconhecimento, viam e veem mistério, existe apenas complexidade... E a Genética e a Neurociência caminham a passos largos, e já desvendaram muito desta complexidade; muito mais do que você imagina... Estamos entendendo como a 'caderina' guia os neurônios na formação do cérebro de do sistema nervoso, como a ocitocina e a vasopressina - antes envolvidas no controle da salinidade, quando vivíamos no mar - regulam nossa AFETIVIDADE... Entendemos muito da evolução de nosso cérebro, de seu núcleo 'reptiliano' - e idêntico ao cérebros dos répteis - chegando até às abstrações 'demasiado humanas' no Lobo Frontal... Entendemos muito sobre o fenômeno da 'acreção' - não confundir com criação -, sobre a evolução dos olhos humanos ou não, do polegar do panda, da superioridade cardíaca dos crocodilianos em relação ao homem, das 'pernas' da baleia, dos 'dentes' das galinhas... 

Basta dedicar-se um pouco ao estudo superficial de tais disciplinas, para avançar muito e entender o que estou afirmando... Lamento informá-lo, mas 'alma' não existe e nunca existiu, e sua suposição foi fruto da fantasia humana diante de fenômenos não entendidos, ou mal entendidos... Temos afinidade com relações causais, causa e efeito, simples ou simplista... Mas a vida está conformada por sistemas caóticos, randômicos, probabilísticos... Viver não é tão simples... Mas nem por isso tem que ser fantasmagórico... Você não passou no concurso por que haviam candidados melhores e não por falta de 'fé', e seus problemas afetivos decorrem da complexidade humana e não de 'mal olhado'... E enquanto nossos antepassados, assim como muitos até hoje, tatearam em meio à incompreensão primitiva e generalizada, preencheram os espaços de nosso desconhecimento com superstições... 

A crença em 'almas', espíritos - penados ou não, rsrsrsr - representou uma fantasia ora confortante, ora aterrorizante, até deparar-se com o Método, e a Atitude Científica e Cética... Mas em 2012, diante de tantas oportunidades de aprender, podemos fazer muito mais do que repetir o simplismo místico de outrora... Podemos entender e podemos saber... Mas, se almas e amiguinhos imaginários persistem, em meio à correta instrução e ceticismo, pode ser um caso de esquizofrenia... A má notícia é que não existe alma, nem deuses, e a vida é finita e irremediavelmente biológica... A boa notícia é que você acaba de descobrir isso, e poderá realmente viver plenamente a sua vida... Basta um pouco de 'coragem da verdade' - parafraseando Foucalt... Sei que o golpe pode parecer duro, como foi pra mim, mas a 'verdade não tem adjetivos'... 

A droga mais forte que existe é a realidade, e 'ainda' não entendo porque tantos fogem para drogas menores, 'cocaína', álcool, religião, superstições... Bem vindo à realidade... Bem vindo à vida... 'Arthur, esta é a vida... Vida, este é o Arthur'...

Caro Arthur, 'Ghost, do outro lado da vida' não é um documentário!!!

Carlos Sherman

Nenhum comentário:

Postar um comentário