Pesquisar este blog

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

Osho, nove, dez...


Osho em uma de suas passagens pela prisão, de onde jamais deveria ter saído...


Osho®, nove, dez...

PUBLICADO EM 28 DE AGOSTO DE 2009,
Por Mauricio-José Schwarz,
Tradução gentilmente autorizada de ‘El retorno de los charlatanes’.

O cavalheiro que olha fixamente para a câmera da polícia nesta foto de 1985 é Chandra Mohan Jain, conhecido ao nascer como Acharya Rajneesh, mais conhecido há vinte anos como Bhagwan Shree Rajneesh ou "o guru dos Rolls Royce", e brevemente (quando afirmou ser a reencarnação da Buda) como Rajneesh Gautaman the Buddha. Se estes nomes não lhe disseram nada, possivelmente sim ouviu o último dos muitos nomes deste febril charlatão: Osho®. Além de ser seu último nome, Osho® é hoje uma marca registrada do "círculo interior" de sua seita, os 21 herdeiros selecionados pessoalmente por ele, dirigidos pelo Swami Prem Jayesh (originalmente Michael William O’Byrne, do Canadá, quem ao menos até recentemente tinha a entrada proibida na Índia), que mantêm um frutífero negócio com os livros e ideias cambiantes de Rajneesh, centros de férias "de meditação", oito sabores de meditação para você e diversos produtos e serviços adicionais, incluído um alucinante "tarô zen Osho®" e uma "multiversidade" em Pune, Índia, para aprender a meditar e conhecer as "ciências esotéricas" entre outras coisas.

O "Osho®" que agora se promove na televisão espanhola como "místico contemporâneo" ou algo assim não foi senão mais um dos muitos gurus ou professores indianos que aterrissaram sobre a ingenuidade hippie do ocidente nos anos 70-80, na garupa de Maharishi Mahesh Yogui. A Rajneesh já acudiam ocidentais em busca de "iluminação" desde meados dos anos 70, como um produto diferenciado de sua competência. O que o fez singular é que, diferente de outros de sua mesma profissão, a Rajneesh custava muitíssimo trabalho fingir esse ascetismo superior, esse desprendimento do mundano que tão bem simulavam o Maharishi ou Sua Divina Graça Swami Bhaktivedanta Prabhupada, fundador dos Hare Krishnas. Não, Rajneesh gostava das mulheres bonitas, do dinheiro abundante e dos automóveis luxuosos, em particular os da marca Rolls Royce. Sua pequena mania por estes automóveis o levou a ser proprietário de 93 deles. Sua outra afeição o fez criar uma versão própria e aumentada do tantrismo hinduísta que permitia todo tipo de atos sexuais ao gosto do mestre. Em resumo, converteu seus terrestres e vastos gostos em uma "filosofia" do "materialismo é bom" prefigurando um pouco a Michael Douglas de "a avareza é boa" no filme Wall Street, mas com túnicas e incenso.

É obvio, não é de forma alguma criticável que alguém desfrute do sexo enquanto não viole a lei, e tampouco que compre Rolls Royces se o fizer com dinheiro próprio e que não viole a lei (e melhor se não explore ninguém para conseguir o dinheiro). Mas obter tudo isso com o imbróglio místico e apresentando-se alternadamente como um super-homem, um deus, um Buda e um mestre espiritual, já não parece tão honesto. E menos quando você viola a lei seguidamente e acaba como o cavalheiro da foto. Menos honesto é também que suas "idéias" fossem todas recicladas de outros autores, e que seus livros, segundo confissão de seus seguidores, fossem com freqüência escritos por mulheres de seu entorno mais próximo, seu harém, pois. Tampouco tem alta pontuação de honestidade não pagar impostos ou defender o sexo incestuoso e o sexo com menores de idade, coisas que segundo seus seguidores achava natural e recomendável. E tampouco é exatamente honesto ter uns seguidores espirituais aos quais explora vilmente para obter uma fortuna econômica mantendo-os em condições de vida pouco recomendáveis.

Nascido em 1931, Rajneesh dedicou virtualmente toda sua vida a ser guru ou "mestre", conseguindo uma grande quantidade de seguidores na Índia e alguns nos Estados Unidos. Dito de outro modo, não trabalhou um só dia de sua vida, o qual o converte na inveja de mais de quatro. Seu manejo do assunto de ser guru e viver dos seguidores sempre foi pragmático, e sempre procurou o apoio de um marketing adequado para chegar a mais seguidores, com os quais seus ensinos eram bastante "flexíveis", ou de tira e põe: o que ensinava ontem podia negá-lo hoje se convinha. Igual afirmava que acabariam as guerras e que, quando uma empresa de relações públicas lhe disse que as profecias apocalípticas tinham muito ibope entre os seguidores profissionais, predisse guerras e atrocidades. E quando o apanhavam cometendo alguma barbaridade, deitando-se com uma ou mais adeptas, consumindo valium e óxido nitroso "para encher um dirigível", diz um ex-adepto (vários ex-seguidores asseguram que era viciado em ambos) ou tomando por assalto um povo, o fazia amparando-se no "tantra" ou em algum ente espiritual inventado ad hoc pela manhã.

Mas Rajneesh era muito, muito simpático e convincente, e parecia honesto, pelo que nunca lhe faltaram seguidores. Sua "sabedoria" se pode calcular com suas afirmações como que a "Índia não necessita de alta tecnologia", "no ano 2000 acabarão todas as guerras" ou suas profetizadas guerras que tampouco ocorreram. Seja como for, sua simpatia, sua defesa do prazer sexual e do materialismo e uma veia cínica e pícara lhe ajudaram a percorrer o caminho ao estrelato midiático e a uma fortuna cujos alcances ainda não são de todo conhecidos.

Até que se afogou em seu próprio pântano de contos.

Em 1981, os seguidores americanos de Rajneesh-Osho® compraram um rancho de 26 mil hectares nos condados de Wasco e Jefferson, estado de Oregon, nos Estados Unidos, afirmando que queriam fazer uma comuna agrícola muito pastoril e mona. O lugar passou a chamar-se "Rancho Rajneesh", começou-se a construir nele uma cidade em que chegaram a viver 3.000 dos seguidores de Rajneesh (os chamados "sannyasins") e a ele chegou em meados de ano o gurú em pessoa, que já levava um tempo nos Estados Unidos. Ao parecer, o revôo formado na tranqüila zona e no próximo povoado de Antelope fez que quando Rajneesh solicitou uma extensão de seu visto, as autoridades decidissem investigá-lo. Dois problemas se fizeram evidentes, conforme contam os registros do xerife de Wasco: uma série de matrimônios suspeitos entre seguidores americanos e seguidores de outros países que pareciam destinados apenas a conseguir a estadia legal dos sannyasins estrangeiros (simples casamentos de conveniência) e o fato de que a mudança do senhor Rajneesh da Índia ao país do dólar parecia estar relacionada com o fato de que o cavalheiro devia ao governo da Índia uns seis milhões de dólares em impostos, quantidade que, inexplicavelmente, não parecia disposto a pagar.

Em 1982, os seguidores do Rancho Rajneesh eram já suficientes para tomar por assalto a cidade de Antelope. Em uma eleição que convocaram em abril, ganhou a proposta de lhe trocar de nomeie a cidade pelo de Rajneesh, incorporando como povoado ao rancho, agora chamado Rajneeshpuram, e começaram a exigir informação e apoio em dinheiro público para suas atividades ante a fúria dos residentes originais. Em 1983, os visitantes externos à comuna do Rajneesh, como o sociólogo Lewis F. Carter, que escreveu um estudo científico sobre a comunidade na revista Contemporary Sociology em 1991, detectaram na comuna o autoritarismo e a busca do "controle total" próprias das seitas, o qual também era evidente no interesse fundamental para que a comuna produzisse dinheiro para satisfazer os caprichos do "deus vivo&quot
;.

O capítulo mais "mundo cão" desta história ainda estava por escrever-se. As tensões entre os residentes "de sempre" e os forasteiros adeptos de Rajneesh levaram a que estes últimos acumulassem um importante arsenal enquanto Osho® predizia que a AIDS mataria a todas as pessoas do mundo exceto aos de sua comuna. Houve uma tentativa de assassinato do médico de Rajneesh e do fiscal de distrito do condado de Jefferson, o saque e incêndio do escritório de planejamento do condado de Wasco e escutas telefônicas e com microfones dentro da comuna. No cúmulo do bizarro, os seguidores do guru cultivaram bactéria salmonella e a pulverizaram em bares de saladas de 10 restaurantes do The Dalles, em Wasco, afetando a mais de 700 pessoas, com o que esperavam poder influir nas eleições da comissão do condado inabilitando aos eleitores locais, no que hoje se considera, simplesmente, o primeiro ataque bioterrorista moderno, e um aviso de ataques de outras seitas, como a de Shoko Asahara e seu ataque ao metrô de Tóquio com gás sarin. Rajneesh culpou tudo a sua secretária e procurou uma saída para o que se convertia em um inferno jurídico e midiático, entre outras coisas devolvendo o nome original ao povoado de Antelope. Mas não teve êxito, de modo que tomou a alguns de seus seguidores, subiu em seu jato privado e tratou de fugir, mas o escritório de imigração e naturalização o deteve e o devolveu a Oregon, onde tomaram a foto instantânea que abre esta entrada e o levou a julgamento, entrando em acordo com ele de não sentenciá-lo a uma pena da prisão se abandonasse o país e se declarasse culpado de violar as leis de imigração. Fiel a sua auto-imagem, Rajneesh, na prisão, exigiu uma atenção adequada a seu status superior: comida especial e um trono.

Rajneesh voltou para a Índia, deixando atrás seus seguidores, vários dos quais, em particular mulheres dirigentes, foram a julgamento e resultaram condenadas pelas tentativas de assassinato mencionadas, o ataque com salmonella e a fraude migratória. Enquanto eles passavam a ocupar uma cela em Oregon (sua secretária, Sheela, que estava acostumada a passear armada, foi condenada a 20 anos em 1986), Rajneesh percorria 21 países em seu jato privado: expulsaram-no da Grécia, passou pela Espanha, andou no Uruguai (onde trocou seu nome para Osho®), visitou a Jamaica e voltou para Poona, Índia, onde finalmente morreu em 1990.

Mas seus ensinos vivem… Não os do misticismo fácil de esperar de "iluminação interna", mas os de como armar uma comuna com estrangeiros. Em abril deste ano se informou que as autoridades australianas estão investigando a empresa de Osho® Melaleuca Properties porque, além de conflitos com Byron Shire, onde estão se localizados, há acusações de casamentos arranjados para levar para a Austrália numerosos sannyasins de outros países, repetindo hoje os acontecimentos de mais de 20 anos em Oregon.

Por certo, existe em Antelope, Oregon, uma placa comemorativa da resistência do povo contra "a invasão e ocupação de Rajneesh de 1981-1985". Sem dúvida o guru deixou seu rastro no povo, hoje de 60 habitantes.

Esse é, pois, o "místico contemporâneo" que agora nos estão vendendo, provavelmente o místico menos místico da era de Aquário. Mas como já havíamos dito, a lábia não se cria nem se destrói, só se guarda uns anos até que as pessoas se esqueçam dos escândalos e ridículos do passado, e se passe de novo o chapéu entre os entusiastas sempre dispostos a redescobrir o oriente por uns quantos a dose.

Nenhum comentário:

Postar um comentário