Pesquisar este blog

sexta-feira, 23 de março de 2012

Kardec, Sócrates e Platão... Relação delirante...



Sócrates e Platão: Precursores do Espiritismo... Esta é a tese delirante de Sérgio Biagi Gregório...


"O objetivo central deste estudo é mostrar que a ideia espírita é tão velha quanto o próprio tempo. Já na Antigüidade podemos perceber o clarão dessas verdades eternas. Perguntaríamos: quem foi Sócrates? E Platão? Em que as idéias de Sócrates e Platão se assemelham às do Espiritismo?"


As fontes consultadas por Gregório em seu ESTUDO, rsrsrsrs, vem do seu fundamentalismo espírita:


BRUN, J. Sócrates. Lisboa, Dom Quixote, 1960. (Coleção Mestres do Passado, n.º 9).
KARDEC, A. O Evangelho Segundo o Espiritismo. 39. ed., São Paulo, IDE, 1984.
KARDEC, A. O Livro dos Espíritos. 8. ed., São Paulo, FEESP, 1995.
SANTOS, M. F. dos. Dicionário de Filosofia e Ciências Culturais. 3. ed., São Paulo, Matese, 1965.



Gregório em seu delírio diz: "O objetivo central deste estudo é mostrar que a ideia espírita é tão velha quanto o próprio tempo. Já na Antigüidade podemos perceber o clarão dessas verdades eternas."...

Primeiramente o tempo começa bem antes de Sócrates e Platão - nascido Arístocles -, mas ou menos 14,6 bilhões de anos antes... Depois, a Antiguidade clássica não é um palco de verdades... Ao contrário... Em sua esmagadora maioria o que os filósofos gregos disseram foram tremendas asneiras... Com raras exceções, como Epicuro, Demócrito, Aristarco, Hipócrates... O pai da medicina declara:


Os homens pensam que a epilepsia é divina meramente porque não a compreendem. Se eles denominassem divina qualquer coisa que não compreendem, não haveria fim para as coisas divinas.


Hipócrates (Pai da Medicina; 460–377 AEC)



Epicuro declara:


Deus deseja prevenir o mal, mas não é capaz? Então não é onipotente. É capaz, mas não deseja? Então é malevolente. É capaz e deseja? Então por que o mal existe? Não é capaz e nem deseja? Então por que lhe chamamos Deus?


Epicuro (Grécia, 341 a.C. - 270 a.C.)


Platão postula que o universo é regido pela perfeição, posto que deus é perfeito... Esta ideia equivocada nas mãos equivocadas, nos remetem a 1.600 de atraso... As ideias equivocadas de Aristóteles sobre astronomia, dificultam o trabalho de homens como Copérnico, Keppler e Galileu... Mas Aristarco estava sendo dobre o Heliocentrismo, enquanto Aristóteles e Platão diziam asneiras... Isso para quem pensa em invocar a 'contextualização'...

A crenças em 'almas do outro mundo', teve grande aceitação, dos delírios Clássicos ao acender das luzes após a Idade Média, ou Idade das Trevas, quando tais delírios começaram a ser compreendidos, e os planos médicos passaram a cobrir tratamentos psiquiátricos... Mesmo assim, esquizofrênicos de carteirinha como Chico Xavier não puderam receber adequado tratamento médico... 

O endeusamento da Antiguidade Clássica é um fenômeno resultante da ignorância sobre o próprio classicismo, que Gregório conhece pela coleção Mestres do Passado, e evidentemente superficialmente... O suficiente para sua causa metafísica... Mas o que é aceito sem provas pode ser descartado sem provas...

Filosofar, no classicismo, era praticado por adivinhação, 'achologia' - clássica -, astrologia, astronomia, matemática, geografia, história, magia, para estabelecer leis, costumes, medicina, estratégias de guerra, etc... Tudo estava envolto em uma névoa de ideias, algumas e poucas muito boas, e sendo a esmagadora maioria sofrível... Mas quem não conhece endossa a Antiguidade Clássica em todo o seu espectro, da genialidade à boçalidade... Sérgio centrou-se no segundo caso, na boçalidade, extensamente superada em nossos dias, pela Genética, Neurociência, Física, Química, Biologia; embora Sócrates mereça o meu apreço, por parte significativas do que pensou - embora só saibamos de suas supostas ideias e feitos por Xenofonte e Platão -, mas sobretudo por sua inabalável coerência e conduta... Sócrates praticou a integridade intelectual... Mas não aprendeu com Epicuro e Aristarco, sobre o valor das evidências...
  
O que separa Aristarco de Aristóteles e Platão, foi a epistemologia, a validação de sua pensabilidade, pelo respeito às provas e evidência... Teremos então a História do Pensamento ou da Filosofia, e teremos a verdadeira Filosofia... A verdadeira Filosofia, em nossos dias, converteu-se na Ciência Teórica, em suas diversas áreas... E já não temos mais porque pensar no sobrenatual, se podemos ler a verdade, pela Ciência... 


O personagem Sherlock Holmes - que ganhou vida pela obra de Sir Arthur Conan Doyle - reverbera com genialidade em 'Um caso de Identidade': 'Este é uma antigo axioma meu, de que as pequenas coisas são infinitamente mais importantes... E Holmes - Doyle - filosofa, de fato, tendo o cuidado de estabelecer não um mero postulado dito filosófico, nos moldes platônicos, mas a correta definição de um axioma -  hipótese inicial de qual outros enunciados são logicamente derivados... Holmes acerta, mas Platão, Aristóteles, a até Sócrates - através de Platão - derrapam... Derrapam feio... Examinemos algumas 'pequenas coisas', no melhor estilo Holmes:


Aristóteles foi o primeiro a falar em superioridade racial... Ele inventou o conceito... Por quê? Baseado em que evidência, provas ou demonstrações além de sua eloquência, tantas vezes equivocada? Platão levantou a remota possibilidade de que talvez as mulheres pudessem ter uma "alma" como os homens... Ou seja, Platão 'cogita', não afirma ou postula, como faz em tantas outras questões... Mas Aristóteles, o filósofo dos filósofos, apresentou 'argumentos filosóficos' e garante que "somente as ideias masculinas deveriam ser cortejadas, e explicando que as mulheres têm menos dentes, não têm 'almas', e seus corações não batem... E foram estas aberrações ditas 'filosóficas' que modelaram o que se entende equivocadamente por Filosofia...


'Alma'? Estamos em 2012, com uma avanço sensacional em termos de Genética, Embriogênese, Fisiologia, Neurociência, e ainda tem gente evocando Platão e Sócrates para falar em alma? Platão e Sócrates, assim como Aristóteles, no entanto, deixaram outros legados para a humanidade, mas entre eles certamente não está o entendimento sobre mulheres, raças superiores e 'almas'...


A obra de Platão, aquele que cunhou o termo 'filosofia', com amplo destaque para a República, está longe de ser uma proposta filosófica consistente... Contraditória do inicio ao fim, copiada de conceitos Pitagóricos, Platão propõe em A República um estado fascista, vegetariano, banindo a música e a poesia, desencorajando o amor, e restringindo o sexo à procriação... Tais conceitos fundamentais e indeléveis, são totalmente despidos em 'O Banquete'... A República não é mais do que uma coletâneas de peças anedóticas, mas nunca um exercício profundo da 'pensabilidade'... É evidente que seu conteúdo não resistiria ao escrutínio epistemológico... Trata-se de uma ode à cobiça e ao materialismo, com direito à distinção de classes, supressão das liberdades individuais, o estabelecimento de uma elite governante e um forte exército - os famosos guardiões platônicos...


Adoro particularmente 'A caverna', mas que na verdade termina em contradição... Esta fabulosa e inventiva retórica para demonstrar os perigos da crenças, termina em vazio quando o próprio Platão apresenta suas próprias crenças, em 'alma', 'divindades', e 'vida após a morte'... Vivendo para e passo com outros grandes, verdadeiramente céticos, como não pôde nada aprender?


A República de Platão está bem longe de ser 'ideal', é mais do que impraticável... É risível, infantil... Platão, jogando na lama as conquistas de 'A Caverna', diz:


"... talvez no outro mundo ela esteja assentada como um modelo, um modelo que aqueles que o desejarem poderão contemplar e, assim fazendo, conseguir pôr em ordem as próprias cidades. Se tal cidade existe - ou se de fato existirá - não importa, pois tais pessoas viverão à maneira da cidade ideal e nada terão a ver com qualquer outro modelo"


Puro exercício achológico, indo do nada ao lugar algum, argumento circular, verborragia... "talvez... aqueles que desejarem... e, assim fazendo... Se... existe... ou se... existirá... não importa... pois tais pessoas viverão à maneira da cidade ideal... e nada terão a ver com qualquer outro modelo"... Que besteirol vago e vazio!!! Platão senhores, o Filósofo...

Sempre tive particular curiosidade sobre a peruca de Chico Xavier... Aquele que curou o câncer, a tuberculose, e muito mais, mas nada pôde contra a calvície... Aliás, pensei que um 'espírito tão evoluído', pudesse importar-se menos com a aparência, como fez Sócrates... Calvo... Sem peruca... Pode parecer uma piada, e é, mas leva a uma importante reflexão...


Considerem esta fábula anedótica:

Contou-nos um casal amigo de Chico Xavier, o Sr. João Vicente Coelho e D. Anna, que, tempos atrás, estando na residência do médium em Uberaba, presenciou o seu encontro com um jovem japonês que, falando através de intérprete, lhe descreveu o fato acontecido com ele.
Sofrendo de leucemia e desenganado pelos melhores especialistas, o rapaz teve acesso a um vídeo do médium que o mostrava em ação no Brasil. Ao ver Chico atendendo à multidão e psicografando, foi ele tomado pela certeza íntima de que aquele homem, que nunca houvera visto antes, haveria de curá-lo.
Emocionado e diante de várias testemunhas em visita ao médium, o nipônico contou que, naquela mesma noite, o espírito do médium, acompanhado de dois outros desconhecidos para ele, esteve em sua casa, no Japão, e lhe impôs as mãos à altura da medula, chegando, inclusive a massageá-la diretamente.
Daquele dia em diante, ele começou a recuperar-se, e os exames feitos a posteriori surpreenderam os médicos, os quais o deram por curado de LEUCEMIA!
Fonte:
universoespirita.org.br. por Chico Xavier;
Do Livro "Chico Xavier, O Apóstolo da Fé", de Carlos A. Baccelli.

Isso apesar de nosso amigo nipônico estar recebendo tratamento avançado no Japão... Mas, assim caminha a humanidade... Chico Xavier, e seus espíritos só não encontraram a cura para a calvície, ..., e para a vaidade...


Madre Teresa de Calcutá foi beatificada - mas ainda não canonizada - em 19 de outubro de 2003, em função de um MILAGRE ocorrido com Monica Besra, uma indiana, que foi curada de um 'tumor no estômago' - 'de forma inexplicável' -, e cuja cura foi atribuída a MTC... Mas o Dr. Ranjan Mustafi, médico de Monica Besra, disse ao The New York Times:  "Nunca houve câncer ou tumor, foi apenas um cisto. Não foi um milagre, ela tomou medicamentos por um ano, e foi curada"... Também de acordo com o próprio marido de Besra: "Minha esposa foi curada pelos médicos e não por um milagre"... Mas, assim caminha a humanidade...

Existo, logo penso... Ético, logo cético...

Carlos Sherman

Nenhum comentário:

Postar um comentário