Pesquisar este blog

sábado, 28 de abril de 2012

Ignorância Pública



Com respeito ao acesso à Universidade, a única dívida que o estado brasileiro tem com seus cidadãos, refere-se à qualidade do ensino público... Cotas, ou condições facilitadas, ou melhor ainda, um exame especial, poderiam ser pensados - e submetidos a profundas reflexões - para corrigir este deficit... E com data e hora para acabar, posto ser uma perigosa muleta, que poderá de vez justificar o descaso com o ensino público... Precisaríamos ter um cronograma, ou uma agenda se preferem, para igualar o ensino público ao particular... Como no genuíno 'socialismo' americano... è isso mesmo, 'lá' este problema foi resolvido...

Sem essa falácia marxista do social, isso é nefasto e hipócrita... Países desenvolvidos em termos sociais, todos eles, criaram riqueza pelo trabalho e dividiram esta riqueza pela boa administração, e nunca por decreto... O populismo nunca levou a nada, a sociologia é um invento, um engodo... Gostem ou não...

Antes que levantem a bandeira igualmente falaciosa anti-tecnocracia, devo adverti-los de que buscamos apenas boas condições de vida, é constitui um fato que somente pela boa administração de recursos humanos e materiais, com regras justas e igualitárias - sem cotas raciais -, chegaremos a tal fim... Falastrões montados em palanques prometendo bolsa disso, bolsa daquilo, não nos levaram e não nos levarão a parte alguma, senão à alienação, e à submissão pela palavra proferida dos pregadores profissionais, sem os respectivos compromissos pela ação... Até porque tais ideólogos, sociólogos, e políticos profissionais, não sabem como administrar recursos... O seu ministério é administrar massas, enganá-las, iludi-las, e sorver seus votos, perpetuando assim o seu legado parasitário...

Tenho duas filhas, uma considerada branca e outra considerada parda, e não me perguntem quais os critérios objetivos... Me considero, para todos os efeitos, pardo; por analogia e simples comparação frente ao espelho... Como faremos? Se o critério é meramente RAÇA, uma de minhas filhas tem o direito de pleiteá-la, enquanto a outra não... Por quê? Imaginem as consequência desta questão? Estaremos dedicados a provar nossa raça, estaremos debatendo direito por raça... O que é isso minha gente? Que loucura é essa...

A compatibilidade sanguínea, sob o ponto de vista genético e fisiológico, conta muito mais do que a produção de melanina, principalmente em tempos onde com um avião cruzamos de uma região a outra, eliminando os efeitos práticos, benéficos ou maléficos de sermos fenotipicamente 'mais claros' ou 'mais escuros'... Mas o sangue carrega a nossa imunologia, entre tantas outras características genotípicas cruciais... O meu sangue, uma vez doado, encontra compatibilidade com o sangue de outros humanos, podendo me aproximar muito mais da fisiologia de alguém 'mais escuro' do que 'mais claro' que eu... 

O que são pardos? São herdeiros da miscigenação, da mistura... O IBGE trata de 'mestiços'... São herdeiros de genes de 'gente mais clara e mais escura'... Sem a possibilidade de rastreamento... E sem a necessidade... Somos humano, irremediavelmente humano, queiram os políticos de toga ou não...

E deixo a reflexão:

Quando o funcionalismo público, a política, o executivo, o legislativo, e o judiciário instituirão cotas para negros? Para mulheres, para gays? Para ateus?

Sou pardo, sou contra o racismo das cotas raciais, sou contra a minha cota, sou contra a cota de uma de minhas filhas - a parda... E sou favorável à confrontação por argumentos, e por representação pública frente ao STF, e uma vez mais, para impedir esta severa agressão contra o estado de direito... Luto pela a instrução de todos, que por ignorância ampla, geral e irrestrita, ou devido por interesses ou por simples modismo, aderem a este absurdo... E insisto... A verdade resiste, persiste, penetra...

Deixem o bloco ideológico passar, PENSEM... Estamos retrocedendo perigosamente, em alta velocidade, e em marcha ré, sem o retrovisor da História, sem as luzes da Genética e da Neurofisiologia...

Carlos Sherman

Nenhum comentário:

Postar um comentário