Pesquisar este blog

quinta-feira, 5 de abril de 2012

A tensão entre Ciência e Religião







Uma amiga me recomendou um Blog, sugerindo tratar-se de um Blog genial, e recomendando uma estorinha de ficção criada pelo autor do Blog para ilustrar os seus conceitos ditos 'científicos'... Na verdade o que encontrei foi pseudo-ciência, disfarçada de 'sei lá o que'... 

Avancei:

Boa tarde... 

Parabéns pelo Blog, foi indicado por uma amiga comum e admiradora de sua argumentação... Também fiquei muito bem impressionado... Parabéns... Precisamos de mentes como a sua... Conferi vários posts, e aqui estou... Não faço propriamente uma crítica, mas um importante esclarecimento... O desfecho deste post ficcional publicado por você, representa um exemplo claro sobre a confusão básica e clássica, a dicotomia de 'saber tudo ou não saber nada', a 'tensão entre ciência e religião', e a falácia do deus das lacunas... Você diz que 'não soube responder a ela', Xanaã, sua personagem ficcional, na alegoria criada para abordar a questão... Acho que posso elucidar a questão... Mas primeiro vejamos o post:

Continuando em meus delírios, viajei até 8mil antes de cristo.
Encontrei uma tribo e conversei com a xamã deles. Era uma ruiva linda, muito jovem, de olhos verdes intensos... Ah, tá, isso foi em outro delírio. Mas, enfim...

Ela adorava um deus pagão chamado Xanaã. Eu tentei esclarecer a ela que aquele deus não existia, e eu então disse que poderia esclarecer todas as dúvidas dela sobre como era feito o universo.
Ela, muito inteligente, então me perguntou:
- E de onde viemos, então?
Ao que eu esclareci para ela a teoria da evolução. Ela, novamente, me perguntou, sempre muito interessada:
- Mas o planeta, de onde veio?
Eu esclareci a ela a teoria da formação dos planetas, e ela me perguntou novamente:
- E os elementos, e as estrelas, de onde vieram
Ao que eu disse:- Bem, tudo começou com uma imensa explosão...
Mas ela me interrompeu, questionando:
- Mas, essa explosão, de onde veio? Todas as coisas que geraram ela?
- Bem, temos teorias não comprovadas ainda. Sobre outros universos. Sobre muitas coisas.
- Teorias? Você não conhece toda a verdade, e está tentando me impedir de buscar as respostas ao meu modo. Você se considera dono da razão, mas você não sabe tudo o que propõe me explicar. Suas teorias não foram todas comprovadas. A sua explosão veio de algum lugar. Suas leis da física também vieram. Xanaã não precisa de um corpo, uma imagem, e nem de um livro para ser real. Ele é e criou tudo, e nós somos ele. O que não desvaloriza nem as suas teorias, e nem os meus rituais. Podemos viver em paz assim.

Eu não soube o que responder a ela.

O grande erro de muitos, sejam ateus, cristãos, ou de uma qualquer outra ideologia religiosa, é que todos creem ser donos da verdade, e muitos se vendam, proibindo a si mesmos de buscar uma verdade mais além.

Talvez eu possa ajudar com esta resposta a 'Xanaã' - - Teorias? Você não conhece toda a verdade, e está tentando me impedir de buscar as respostas ao meu modo. Você se considera dono da razão, mas você não sabe tudo o que propõe me explicar. Suas teorias não foram todas comprovadas...

A Ciência é falível, certo? O dogma e o credo não... Mas é exatamente no reconhecimento - honesto - desta falibilidade que reside a maior força da Ciência: a auto-correção...

O vigoroso e genial físico Richard Feynman - ganhador do Nobel - explica: "um princípio de pensamento científico corresponde a uma espécie de honestidade incondicional"... É esta honestidade incondicional ou ética, que reside no ceticismo científico, que confronta a vacuidade de crer... Isso porque as crenças se baseiam apenas na caprichosa, débil ou vã vontade de acreditar... Não se pode de forma alguma comparar as atitudes de 'tomar ciência ou tornar-se ciente' - da verdade -, com reconfirmar velhas ou novas convicções... Não se pode usar como desculpa a falibilidade assumida da ciência... Uma verdade científica tem um prazo de validade e um universo de aplicação demarcado, assumidamente, e será sempre revisada, sendo esta a sua maior fortaleza - e não o contrário...

E finalmente sobre 'procurar respostas mais além', confesso que muito me preocupa... Mas além de quê? Da razão, do pensamento, das provas e evidências? Por quê, pra quê, com que propósito? Mais além do conhecimento reside a fantasia... Toda esta fantasia levou a humanidade a toda espécie de desengano, equívocos, dominação e morte... A expectativa de vida do homem em tempos pré científicos, considerando desde o homem de Cro-magnon - no Paleolítico Superior - até o homem da Idade Média, pouco foi alterada... E com a Ciência saltamos de 30 anos para 70, 80...

A sua ficção - ou delírio, como você definiu - está situada a 8.000 anos AEC (Antes da Era Comum), ou seja em plena Revolução Neolítica... Foi neste período aprimoramos o nosso processo de coleta e armazenamento de suprimentos e excedentes alimentares, o que redundou em uma explosão demografia, com o surgimento do sedentarismo, do ócio... É neste período que o sentido de 'propriedade' e acumulo de bens eclode, provocando desigualdades, e consequentemente levando ao estabelecimento de dominâncias, hierarquias, castas... Surge assim também o conceito de 'status', de chefia, de mando, e de poder... Este poder estava concentrado nos xamãs - e não em Xanaã, rsrsr - que para consolidar e legitimar a sua posição, apelavam para a superstição...


Xanaã era mesmo uma gata 'ruiva e de olhos verdes', rsrsrs? Do Neolítico? E 'muito inteligente' - segundo vosso 'delírio'... Seria injusto negar a inteligência de Xanaã sem tê-la conhecido, e a ficção é sua, mas um ser humano no Neolítico deveria possuir certas limitações considerando os padrões atuais de medida da inteligência... Também seria difícil para pessoas que começavam a domesticar animais e conhecer a agricultura, manuseando artefatos de pedra e osso, entender sobre o Big Bang, a Evolução, e a fusão estelar - convertendo o Hidrogênio em toda a Tabela Periódica... Até hoje, muitos, a maioria, não tem a menor ideia do que seja o Big Bang, nem sobre quanto trabalho, vidas e recursos foram consumidos para sua investigação... Até hoje muitos tateiam em meio à escuridão das crenças para entender rudimentos da Evolução... Xanaã estava bem adiantada para o seu tempo...

Xanaã não conhecia o ciclo das chuvas, que nossas crianças aprendem no ensino básico, e muito menos o comportamento caótico da troposfera... De forma que Xanaã, assim como seus patrícios, deveriam viver imersos em medo e mistério... Onde eles viam mistério, hoje vemos complexidade, que pouco a pouco vai sendo desvendada pela paixão humana...

Existe uma diferença brutal entre Hipótese, Teoria, Lei e Constructo... 

A Hipótese se baseia em evidências, e significa que uma proposição merece ser investigada... A Teoria, ao contrário do que se pensa, é uma Hipótese repleta de provas mas ainda inconclusa... O que difere - e muito - de uma mera especulação... A Lei é uma Teoria repleta de provas e validada por uma sequência de fatos que podem ser seguidamente repetidos... É quando o quebra-cabeças finalmente está terminado, e culminando em uma conclusão... Entretanto, tudo terá, na ciência, validade temporal, com margem de erro pré-calculada, e universo de aplicação demarcado... E isso é muito bom!!! 

Já o Constructo é um mero exercício mental, sem a necessidade de provas, nem hipóteses, nem teorias; mas que reivindica, por autoridade, o reconhecimento como Lei... Platão e Aristóteles foram mestres na arte do Constructo, e poderíamos montar uma extensa enciclopédia com os seus erros... Apenas exercício mental, mas causando muita confusão... Como Hitchens bem disse, tudo o que pode ser aceito sem provas, pode - e deve - ser descartado sem provas... 

É uma pena que os verdadeiros filósofos e pensadores não tenham sido agraciados pela adoração de Santo Agostinho, Tomás de Aquino - Doutor Angélico - e de toda a cristandade... Não fosse por está inexplicável preferência, teríamos descoberto com 2.000 anos de antecedência que o Sol estava no centro do Sistema Solar - como Aristarco havia observado, teorizado e previsto... E poderíamos ter avançado em todas as frentes do conhecimento natural e do pensamento científico com Leucipo, Epicuro, Demócrito... O cético Hipócrates foi mais feliz, e teve o seu legado respeitado a partir do Humanismo, e finalmente consagrado, dando origem à Medicina Moderna... Mas durante o período em que as crenças dominaram o mundo, a Idade da Trevas, Hipócrates foi igualmente negligenciado, afinal a bíblia 'esclarecia' que todas as doenças eram "possessão demoníaca"; tal e qual os xamãs do Neolítico...   

Não podemos explicar um fenômeno sobrenatural, é bem verdade, afinal nada existe a ser explicado... Nem refutá-lo, posto que não se pode provar a inexistência do que não existente... Mas podemos investigar o 'porquê' do apelo ao argumento sobrenatural... Quais os interesses envolvidos, quais as razões, ou quais as origens deste tipo de devaneio - ou delírio -, seja ele individual ou coletivo... No Neolítico representou status e poder, e hoje?

Ético, logo Cético...

Carlos Sherman

Nenhum comentário:

Postar um comentário