Pesquisar este blog

quarta-feira, 9 de maio de 2012

Brava Gente



Vários delitos foram citados em um post, e atribuídos ao 'brasileiro';  desde "pagar para alguém fazer seus trabalhos", "saquear cargas de veículos acidentados nas estradas", "trafegar pela direita nos acostamentos num congestionamento", "pegar atestado médico sem estar doente, só para faltar ao trabalho", "estacionar em vagas exclusivas para deficientes", "emplacar o carro fora do seu domicílio para pagar menos IPVA", "frequentar os caça-níqueis e fazer uma fezinha no jogo de bicho" et cetera... E ao final a conclusão: "merecemos os políticos que temos", afinal, nós brasileiros, somos todos desonestos...

Não, não somos... E argumentei porque:

Com todo o respeito meu querido amigo, e esta é uma rara ocasião em que discordamos... Não concordo que o 'brasileiro' seja assim, não sou assim, não cometi nenhum dos delitos citados, e muito menos concordo que sejam delitos e crimes cometidos pela maioria dos brasileiros... E mais, tais práticas não são exclusividade de nosso país, com raras exceções como 'o jogo do bicho', mas nas maior parte do mundo o 'jogo' trata de dar um jeito... Nos Estados Unidos - assim como na Argentina - leis contra Cassinos levaram os contraventores, em alguns estados, a montarem cassinos sobre barcos ancorados no Mississipi... 

Na China, Índia e no Paquistão, ligações clandestinas são regras e não exceção... Infelizmente são delitos humanos e, insisto, não são exclusividade do Brasil... O que não quer dizer tampouco que humanos sejam maus... Não estou defendo tais crimes, mas não aceito a generalização... Viajei o mundo todo, e sinto-me afortunado por isso, e pude ver a humanidade em perspectiva... Mas temos sérios problemas, sim, é verdade, mas nem mais nem menos do que a média mundial, e que nem por isso justifica os políticos que temos...

Posso entender que haja uma correlação entre um baixo nível educacional e as nossas péssimas escolhas eleitorais, mas este é um dos paradoxos da democracia...

Carlos Sherman

Nenhum comentário:

Postar um comentário