Pesquisar este blog

segunda-feira, 6 de agosto de 2012

Ufa... Não me tornei um imbecil...

"Você pode estar perdendo muito mais do que a paciência!!!"


Publicaram:

Minha mãe, antigamente.
Minha Mãe me ensinou sobre EXPECTATIVA...
"ESPERA SÓ ATÉ SEU PAI CHEGAR EM CASA!"
Minha Mãe me ensinou sobre o dom da PACIÊNCIA...
"CALMA!... QUANDO EU CHEGAR EM CASA VOCÊ VAI VER SÓ UMA COISA..."
Minha Mãe me ensinou a ENFRENTAR OS DESAFIOS...
"OLHE PARA MIM! ME RESPONDA QUANDO EU TE FIZER UMA PERGUNTA!"
Minha Mãe me ensinou sobre RACIOCÍNIO LÓGICO...
"SE VOCÊ CAIR DESSA ÁRVORE VAI QUEBRAR O PESCOÇO E EU VOU TE COBRIR DE PANCADA!"
Minha Mãe me ensinou sobre REINO ANIMAL e CADEIA ALIMENTAR...
"SE VOCÊ NÃO COMER ESSAS VERDURAS, OS BICHOS DA SUA BARRIGA VÃO COMER VOCÊ!"
Minha Mãe me ensinou sobre GENÉTICA e DNA...
"VOCÊ É IGUALZINHO AO SEU PAI!"
Minha Mãe me ensinou sobre minhas verdadeiras RAÍZES...
"TÁ PENSANDO QUE NASCEU DE FAMÍLIA RICA É?"
Minha Mãe me ensinou sobre a SABEDORIA DA MATURIDADE...
"QUANDO VOCÊ TIVER A MINHA IDADE, VOCÊ VAI ENTENDER."
Minha Mãe me ensinou sobre a Lei da CAUSA E EFEITO...
"UM DIA VOCÊ TERÁ SEUS FILHOS, E EU ESPERO ELES FAÇAM PRÁ VOCÊ O MESMO QUE VOCÊ FAZ PRA MIM! AÍ VOCÊ VAI VER O QUE É BOM!"
Minha mãe me ensinou sobre RELIGIÃO E LIVRAMENTO...
"MELHOR REZAR PARA ESSA MANCHA SAIR DO TAPETE!"
Minha mãe me ensinou o BEIJO DO ESQUIMÓ MALUCO...
"SE RABISCAR DE NOVO, EU ESFREGO SEU NARIZ NA PAREDE!"
Minha mãe me ensinou a fazer CONTORCIONISMO...
"OLHA SÓ ESSA ORELHA! QUE NOJO!"
Minha mãe me ensinou DETERMINAÇÃO e PERSISTÊNCIA...
"VAI FICAR AÍ SENTADO ATÉ COMER TODA COMIDA!"
Minha mãe me ensinou habilidades como VENTRÍLOQUO...
"NÃO RESMUNGUE! CALA ESSA BOCA E ME DIGA POR QUE É QUE VOCÊ FEZ ISSO?"
Minha mãe me ensinou a SER PRÁTICO e OBJETIVO...
"EU TE AJEITO NUMA PANCADA SÓ!"
Minha mãe me ensinou a OUVIR COM MODERAÇÃO...
"SE VOCÊ NÃO ABAIXAR O VOLUME, EU VOU AÍ E QUEBRO ESSE RÁDIO!"
Minha mãe me ensinou a TER GOSTO PELOS ESTUDOS...
"SE EU FOR AÍ E VOCÊ NÃO TIVER TERMINADO ESSA LIÇÃO, VOCÊ JÁ SABE!..."
Minha mãe me ajudou na COORDENAÇÃO MOTORA...
"JUNTA AGORA ESSES BRINQUEDOS!! PEGA UM POR UM!!"
Minha mãe me ensinou os NÚMEROS...
"VOU CONTAR ATÉ DEZ. SE ESSE VASO NÃO APARECER VOCÊ LEVA UMA SURRA!"
Brigadão, Mãe !!! 
Eu não virei bandido (a) !!!


Respondi:

Ridículo... Não existe nenhum ensinamento, nem nenhuma lição de educação na verborragia cômica publicada acima... Esta suposta comédia moralista discorre sobre coerção e violência... Nem moralista, e nem engraçada, mas ganha asas e adeptos no ôba-ôba internautico... Triste destino...

Sobre só existirem duas opções ‘ser bandido ou apanhar dos pais’, tenho que discordar veementemente... Trata-se da conjunção de ao menos três falácias retóricas:


Post hoc ergo propter hoc (ou Depois disso, por causa disso):

Consiste em dizer que, pelo simples fato de um evento ter ocorrido logo após o outro, eles têm uma relação de causa e efeito. Porém, correlação não implica causalidade.
Ex.: O Japão rendeu-se logo após a utilização das bombas atômicas por parte dos EUA. Portanto, a paz foi alcançada devido à utilização das armas nucleares.
Então as pessoas ficam mais assustada ou calmas depois de ‘ameaçadas e espancadas’, logo ameaçar e bater produz pessoas mais calmas, e talvez mais honestas – tipo ‘brigadão mãe eu não virei um ladrão, sou bonzinho'...


Acho que fica clara a improcedência...



Generalização Apressada (ou Falsa Indução):

Ocorre quando uma regra específica é atribuída ao caso genérico.
Ex.: Minha namorada me traiu. Logo, as mulheres tendem à traição. Minha mãe me bateu e não sou ladrão, logo bater soluciona o problema da criminalidade.


Sem comentários...



Depois temos o dualismo clássico, o maniqueísmo forçado, a falácia retórica da:



Falso Dilema (ou Falsa Dicotomia):

Também conhecida como falácia do branco e preto... Ocorre quando alguém apresenta uma situação com apenas duas alternativas, quando de fato outras alternativas existem ou podem existir – e muitas outras neste caso...
Ex.: Se você não está a favor de mim, então está contra mim. Se você não bater no seu filho logo ele será ladrão.


Existem melhores explicações para a criminalidade, e melhor entendimento sobre métodos de educação. Sabemos hoje da força majoritária da impulsão genética, seguida pela vida gestacional, o impacto dos imprintings dos primeiros dias, semanas, meses e anos, para finalmente chegarmos à educação. A educação molda muito pouco de nossa personalidade, mas contribui muito em nosso caráter. E nada disso tem nada a ver com ‘bater’, ‘ameaçar’... Uns reagirão de forma adestrada ao espancamento, outros se revoltaram, e alguns jamais se recuperarão... Mas existem métodos bem mais exitosos, menos arriscados e sem dúvida bem menos dolorosos - em nossos corpos, e decodificados em nossa consciência...



A saga humana é resultado inequívoco, além da sua impulsão genética, do conhecimento acumulado, e não sabíamos muito sobre tais efeitos antes, mas podemos saber e aprender hoje... Não é uma questão de procurar por culpados ou inocentes, mas uma mensagem imbecil como essa em 2012 é – para dizer o mínimo – é uma vergonha... Eduquei uma filha biológica e uma filha adotada - que chegou até os meus braços com 11 aninhos -, sem bater, nunca... E me orgulho disso... Sei que formei mulheres honestas e íntegras, que lutarão pela justiça e pela dignidade... 

Os meus pais – por exemplo – foram pais dedicados, muito dedicados, e fizeram o melhor por mim e por minha irmã, mas não sabiam – ainda – de muitas coisas... A humanidade engatinhava em certos assuntos, mas suplantava em muito os seus ancestrais... Hoje sabemos mais, e seguimos em velocidade exponencial... Não bater não significa ‘não demarcar limites’... Não bater significa apenas não desferir golpes contra os corpinhos – por vezes diminutos – de nossos filhos... Hoje considero tal procedimento criminal... E sem defesa... Além da demonstração cabal da incompetência de tais pais - ou algozes... Hoje, questiono o próprio amor de um pai que bate... Todos eles... Existe conhecimento disponível para evitar tal violência gratuita, e muitas vezes cômoda...



Não se ensina a ‘não violência’
com ‘violência’... 

Nunca se ensinou de fato... Nunca na história do homem...



Hoje somos ambos adultos, vividos e experientes, os meus pais e eu, e torço e espero que possam compartilhar e aprender comigo sobre uma nova abordagem da questão da educação... Uma educação para o presente e o futuro... Seria mais um tremendo exemplo para mim, que estivessem sempre à postos para aprender, com quem quer que fosse; e até mesmo comigo... Apenas um 'filho'... De minha parte aproveito para agradecer aos dois por terem feito um ótimo trabalho por nós... Obrigado pai, obrigado mãe... 

Ontem mesmo lembrava de minha vida, de minha infância, rebuscando apenas boas lembranças... O cheirinho da casa quando havia uma festa mais tarde... O som dos pratos, das taças, que a minha mãe guardava e mantinha com esmero... A arte na cozinha, os odores... Ai que bom... O fim de tarde, os abajures acendendo, lá vem a festa... E a festa, as festas!?! Aprendi a receber e gostar de receber amigos com eles... E eu buscava um espaço para participar... Adorava estar entre aqueles adultos, suas músicas, seus papos ainda incompreensíveis... Ao final me aninhava de pijama naquela cadeirinha antiga - com o telefone -, e ficava ali, até que fosse descoberto... Lembrava dos natais na casa do vovô Diel e da vovó Daci, e das festas por lá... Dos sons e cheiros, das mulheres na cozinha, dos homens e do whisky... Lembro das ‘pranchinhas de surf’ de papelão que fiz para o ‘menino Jesus’ e o seu séquito do presépio... Altas ondas nas almofadas do sofá... Até os reis magos mandavam bem, ..., José, Maria...



As surras foram as piores lembranças, mas na verdade não foram muitas, nem tão graves, mas doeram... E sem dúvida não me ensinaram nada de positivo... Vocês me ensinaram com sua dedicação, amor e exemplo... Foram pais extremamente dedicados, e levo isso comigo... Claro que tal dedicação, com certo destaque para a minha mãe, decorre de sobremaneira de nosso complexo bioquímico, e dois dos principais hormônios responsáveis por este comportamento são bem conhecidos: a Oxitocina e a Vasopressina... Mas este é o outro papo...

E para não perder a intensidade dramática devo dizer que a minha honestidade veio a partir – inequivocamente – de vosso exemplo... Do exemplo do meu pai como administrador e homem, do exemplo de minha mãe, avós, tios, família... Foi o exemplo, sim, que marcou a minha vida - para não ser, por exemplo, ‘bandido’... Obrigado pai e mãe, não pelas surras, mas pelo vasto repertório de exemplos... Me ensinaram a pensar, a ser livre também, e aqui estou... Mas isso também tem forte impulsão genética e é outro papo...


Estas mal fadadas linhas, se ainda me permitem um grand finale, estão dirigidas em seu prenúncio ao infeliz autor do texto relacionando ‘boas surras’ com ‘não ser bandido’... E aproveito para agradecer - mais uma vez - aos meus pais, não pelas surras, mas pelos exemplos... E recomendo a eles que juntem-se a mim, pai e mãe, pais e mães, de hoje e de ontem, da próxima vez que tais mensagens absurdas cruzarem o seu caminho eletrônico... Serei muito orgulhoso em saber que as minhas palavras e o meu pensamento puderam inspirá-los a responder em alto e bom tom: 'NÃO, não mesmo'... Alguns pais de ontem podem ter batido na vã tentativa de acertar, mas não acertaram... Acertem hoje, agora... Ensinemos nossos filhos com exemplos sólidos e em technicolor... Nunca com porrada... E digam mais, não calem... Mãe, diga que ‘bateu POUCO e obteve um filho MUITO honesto, logo bater não pode ter relação com ser ou não bandido’... Digam ainda, e me repito, ‘que violência não pode ensinar sobre a não violência, JAMAIS’...



Pai e mãe, amo muito vocês, nunca lembro das surras, foram poucas, ou minha memória é bem seletiva, mas lembro bem do amor, dedicação e exemplos... Fiquei com a maior parte deles pra mim... No mais, a minha vida me levou a novas e diferentes experiências, construindo um homem diferente de vocês... Mas que respeita uma boa parte de vossos princípios éticos... Afinal duas frases marcam o meu pensamento, duas frases que produzi a partir de grande reflexão: 

‘Somos quem somos sem intencionar sê-lo. 
Mas somos.’
‘Ético, logo Cético’... 

Não tentem desvendar a priori... Mantenham a mente aberta... Vale uma imensa reflexão, podem apostar... A viagem pode ser inesquecível, e jamais serão os mesmos... Façam o intento...




Carlos Sherman

Nenhum comentário:

Postar um comentário