Pesquisar este blog

sexta-feira, 30 de novembro de 2012

ALMA???


ALMA

Noite em Chajnantor deserto do Atacama -Chile. As antenas do observatório  
ALMA a procura  dos mistérios do universo  24 horas por dia. 
Crédito da Imagem: ESO / NAOJ / NRAO

Atualmente em construção no deserto do Atacama-Chile a uma altura de 5000 metros 
sobre o nivel do mar o ALMA (Atacama Large Millimeter/submillimeter Array) é um 
empreendimento revolucionário no seu conceito científico, o seu projeto de engenharia, 
e de sua organização como um esforço científico mundial. Este observatório será composto
inicialmente de 66 antenas de alta precisão e com uma possível extensão deste numero 
no futuro, estas antenas trabalham juntas em comprimentos de onda milimétricos e 
submilimétricos.
A chegada da primeira antena européia  para Atacama Large Millimeter/submillimeter Array (ALMA). 
A antena de 12 metros de diâmetro chegou ao planalto do Chajnantor, a 5000 metros acima do nível do mar, 
no deserto de Atacama no Chile.Crédito: ALMA (ESO / NAOJ / NRAO)

O ALMA irá abrir um novo universo de conhecimentos para a humanidade, permitindo 
que os cientistas desvendem antigos e importantes mistérios astronômicos, em busca 
de nossas origens cósmicas, graças à sua alta resolução e sensibilidade e ao esforço de 
cientistas e engenheiros de todo o mundo que trabalham neste projeto os quais enfrentam 
desafios sem precedentes. Uma vez em funcionamento este observatório, começara 
sondar as primeiras estrelas, galáxias, e exo-planetas, possivelmente descobrindo 
os primeiros traços de vida.
Emissões de rádio em diversas frequências do composto molecular (CH3CH2CN). 
Em Azul, as medições feitas em laboratório terrestres e vermelho as medições feitas 
pelo ALMA de uma região de formação de estrelas na constelação de Orion. 
Créditos da Imagem:  Fortman, et al., NRAO/AUI/NSF and NASA 

Para os astrônomos detectar planetas orbitando outras estrelas é uma tarefa particularmente difícil. 
Para responder a questões fundamentais sobre sistemas planetários, como a sua origem, a sua evolução, 
e sua freqüência no Universo, os cientistas precisam encontrar e estudar muitos mais planetas 
extra-solares. Segundo os cientistas, o ALMA irá fornecer informações valiosas sobre os sistemas 
planetários extra-solares em todas as fases de sua evolução. O ALMA será capaz enxergar imagens 
sistemas planetários nos primeiros estágios de sua formação. Também irá ser capaz de detectar sistemas 
estelares muito mais jovens, de baixa massa e examiná-las para determinar se eles têm os discos a partir 
do qual são formados os sistemas planetários. Além disso,ALMA poderia ser usado ​​para examinar 
as propriedades destes discos como. o tamanho, temperatura, densidade e a sua composição química. 
Esquema de como funcionam um interferômetro, quando juntadas as imagens obtidas dos telescópios
separados, o produto é uma imagem como se for obtida por um Telescópio gigant
e




Por que nós nos referimos a ALMA como um único telescópio, quando há muitas antenas 
separadas? As antenas que formam o ALMA têm um design muito avançado o qual permite 
que as antenas trabalhem juntas como um único telescópio.
Em conjunto todas estas antenas simulam ser o telescópio mais poderoso do mundo.  
De fato, sem essa proeza tecnológica, os objetivos ambiciosos do ALMA seriam inatingíveis. Isto é devido a um limite fundamental colocado em qualquer telescópio com um único prato principal ou espelho, que regula a nitidez 
possível da sua visão

Durante a operação, as 66 antenas serão combinadas para formar imagens de altíssima resolução, similar às 
que seriam obtidas por uma única antena gigante de 16 quilômetros de diâmetro.
Crédito da Imagem: ESO / NAOJ / NRAO

Uma matriz de muitas antenas individuais espalhadas sobre uma área muito grande, que 
trabalham em conjunto, é conhecido como interferómetro. A resolução de um interferómetro 
não depende do diâmetro dos pratos das antenas individuais, mas sim depende da 
separação máxima entre as antenas. Aumentando a distância máxima entre as 
antenas aumenta o poder de resolução do interferómetro, que lhe permita detectar 
pequenos detalhes. A capacidade de ligar antenas ao longo de linhas de base de muitos 
quilômetros é crucial para se obter uma resolução extremamente boa e um elevado grau 
de pormenor nas imagens.

Em 12 de abril de 2012, o interferômetro Internacional Alma, depois de Hubble e Herschel observou a estrela 
Fomalhaut fascinante. A imagem de infravermelhos do telescópio espacial Herschel foi tomado no comprimento 
de onda micron 70, Hubble capturado na gama de 0,5 microns e Alma na gama de 850 microns. Ele mostra um 
belo anel de cinqüenta bilhões de quilômetros, girando em torno da estrela Fomalhaut, uma jovem de 250 milhões 
de anos.


A Matriz principal do ALMA terá 50 antenas de 12 metros, dispostos em configurações 
distribuídas por distâncias de 150 metros a 16 km, Mais quatro antenas  de 12 metros e 
12 antenas de 7 metros que  formarão a matriz Atacama Compact A matriz, assim, 
simulara um telescópio gigante e único, muito maior do que qualquer um que poderia ser 
realmente construído. Na verdade, o ALMA terá uma resolução tão boa que é melhor do 
que é alcançada, em comprimentos de onda visíveis, pelo Telescópio Espacial Hubble.

observatório ALMA no deserto do Atacama/Chile

FONTE: ESO / NAOJ / NRAO

Nenhum comentário:

Postar um comentário