Pesquisar este blog

sexta-feira, 2 de novembro de 2012

Misticismo Quântico...



Publicaram:

"Cientistas tentam provar a existência da alma"...

Bullshit...

Misticismo quântico... Extrapola duas realidades, a 'crença na crença' - de corrente de características neurais, e ensino básico incompleto - e a ignorância tácita do que seja 'QUÂNTICO'... Quântico vem de QUANTA - quanta besteira, neste caso... O pior de tudo isso é chamar estes zé-manés de 'cientistas'... É muito simples, nossa memória está guardada em 'microtúbulos'... Ok, interessante, e com o único inconveniente de não ser minimamente verdade... Mas e daí? 

Se uma pessoa perde a memória após um acidente cerebral, que altera a personalidade em 100%, mesmo estando viva, como estes 'microtúbulos' serão expressos novamente de maneira concisa - sendo 'alguém' novamente - depois de desintegrado o meio físico? Trata-se da 'crença na crença'... 

O mais importante seria analisar o cérebro dos dois 'cientistas', mais especificamente na região dos lobos temporais, córtex cingulado, parte anterior dos lobos frontais, e a disponibilidade de dopaminas... O mais produtivo aqui, seria investigar como pessoas 'aparentemente' inteligentes, em função de distúrbios neuro-fisiológicos, perdem uma vida procurando pelo unicórnio cor-de-rosa... Sem avaliar o primeiro princípio lógico, de que uma proposição tem que estar baseada em um mínimo de evidências para ser sequer aceita... E sobre a alma, as evidências provém dos mesmos escritos que atestavam sobre o 'sistema antropocêntrico', ou que 'doenças eram possessões demoníacas', ou então que 'o cérebro era um radiador que resfriava o sangue, sendo o lado direito do corpo mais quente que o esquerdo', etc... Platão, Aristóteles, Santo Agostinho, Tomás de Aquino, Descartes... Ledo engano... 

Outro principio lógico reza que não podemos provar a inexistência - do que não existe... De forma que terminado o trabalho dos tais 'cientistas' - empenhados desde 1996 -, outros 'crentes' virão, auto-intitulando-se 'cientistas', e com a mesma velha e carcomida tese... Invertendo como sempre, o princípio do ônus da prova: 'afinal alguém pode provar que não exista alma? A-haaaa...'... Não, não podemos provar a inexistência do inexistente, mas podemos, pelo exposto, afirmar trata-se de uma tremenda perda de tempo... Triste destino...

Carlos Sherman

Nenhum comentário:

Postar um comentário