Pesquisar este blog

quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

A 'Verdadeira' Interpretação dos Sonhos [e outras Fábulas]...




Sonhos e pesadelos decorrem de diversas causas, mas nenhuma delas se assemelha, nem de longe, das divagações da crendice freudiana ou junguiana... Não existem pois, e de forma irreconciliável, nada nos sonhos, que se aproxime da aposta nos significados simbólicos, proféticos, ou servindo à predição do futuro, ou nem mesmo como 'presságios' - seja lá o que forem eles... Os sonhos também não constituem nenhuma 'passagem para um nível elevado de consciência', ou um portal para o sobrenatural, ou mesmo um salvo conduto para a abordagem mística, muito menos para o universo místico - vienense - do freudismo psicanalítico, ou para os disparates e da confusão junguianos, em sua psicologia analítica orientalizada... 

Em 1900 , com a publicação de "A Interpretação dos Sonhos", Sigmund Freud impactou a humanidade com a sua interpretação 'científica' dos sonhos, o que nunca passou de sombria 'pseudo-ciência', para não falarmos em charlatanismo... Mas Freud além de ambiciosa, era um tremendo contador de histórias, e a sua história continha todos os ingredientes necessários, presságios oníricos, profecias, e a possibilidade de prever o futuro... No entanto esta obra, afasta-se das declarações anteriores, caracterizando os sonhos como a  “realização de desejos reprimidos”... O pai e detentor da marca 'psicanálise', em seu enredo fantasioso, formata o sonho como estrutura, onde existe o sentido manifesto (a fachada) e o sentido latente (o significado), este último realmente importante... A fachada seria um desvio, um despiste do 'superego' - o grande censor da psique, o bedel da psique -, que escolhe com vontade quase própria, de de forma animista e moral, o que se tornará consciente ou não, no vasto, misterioso e falacioso, mundo do  inconscientes... O sentido latente, é o motivo propriamente dito, o desejo reprimido, o objeto... De forma, de maneira simplista, a 'fachada' trata de brincar de esconde esconde, acobertando, por pudor, medo, recalque, o verdadeiro motivo do sonho, que não está confesso, e só pode ser conhecido por meio da 'interpretação simbólica'.... E bem sabemos como Freud pode ser fantasioso em suas interpretações, J.K Rowlings não seria pário para as suas investidas... Freud literalmente, a partir da invenção desta estrutura, adquiriu um habeas corpus, ad eternum, para alucinar qualquer interpretação que lhe conviesse... E assim foi, e assim é...


Enquanto isso, as viagens oníricas do 'dissidente' Carl Jung, viajou ainda mais em sua maionese caseira, tornando os delírios freudianos ainda mais abrangentes... Os sonhos, não seriam apenas reveladores de desejos ocultos, mas sim, uma ferramenta da psique humana, em uma busca frenética por 'equilíbrio' - seja lá o que isso fosse -, por meio de 'compensações'... Por exemplo, um individuo 'masculinizado' pode sonhar com figuras femininas, mas não porque as deseja, não, isso seria muto óbvio, simples, LÚCIDO... O sonho , em uma clássica interpretação junguiana, pode estar indicado exatamente o contrário, e dizendo àquele individuo para 'moderar sua masculinidade' pela 'feminilização'... Uma lição onírica, moral, indicando ao sonhador a necessidade de uma mudança de atitude... 

Ainda na viagem junguiana, e na busca pelo tal 'equilíbrio' - amiúde dicotômico -, personagens míticos ou imagens 'arquetípicas' -  interagem nos sonhos, e sempre em conflito, e na tentativa  levar ao consciente conteúdos do inconsciente... A mesma estorinha freudiana, mas com outros termos, e outro aproach, a questão recorrente nos devaneios junguianos, a Mitologia... Outra boa estória, e outro excelente contador de estórias, e lá vamos nós outra vez a caminho de seguir vivendo baseados em fábulas... 

As ditas 'imagens arquetípicas', ou arquétipos, junguianos, são personificações para os parâmetros básicos, ou matrizes, que regem - segundo Jung - a personalidade humana, como:
- O Ânima: força 'feminina' na psique dos 'homens';
- O Ânimus: força 'masculina' na psique das 'mulheres';
- A sombra: força que se nutre de nossos recalques, negações, relativo a aspectos não aceitos de nossa personalidade; nos sonhos, representam os vilões, como em Harry Potter, rsrsrsr...

- O Pai – poderoso, controlador, severo;
- A Mãe – alimentação, nutrição , acalmante;
- A Criança – nascimento, começo, salvação;
- O Herói – salvador, campeão
- A Donzela – pureza, desejo
- O Velho sábio – conhecimento, orientação
- O Mágico – misterioso, poderoso
- A Mãe terra – natureza
- A Bruxa – perigoso
- O Malandro – enganar , esconder
- O Cão – Lealdade Inquestionável
- O Cavalo – nunca desistir
- O Gato – independencia.


Tais imagens arquetípicas alimentam outras crendice como o Tarô... E a interpretação dos sonhos de Jung nada mais é do que um Tarô pseudo-científico... Outra vez, um excelente contador de estórias, e mais uma vez, à exemplo de J.K Rowlings, a fábula de Jung se encaixa perfeitamente no imaginário popular, acessível, antropomórfica, mas com a necessária pitada de conto de fadas...

Neste imaginário mitológico, o 'sonhador', o 'protagonista no sonho', representa o 'ego', o eu, que aventura-se - à noite, e na hora do sono - lutando contra forças malignas - A Sombra... A personalidade é então avaliada por Jung, e segundo os sonhos, em função de como o 'nosso herói', o ego, enfrenta os seus desafios e adversidades, como um reflexo de sua conduta na vida desperta... Ridículo, mas será ainda mais claro, quando explicarmos o que realmente é o sonho... 

Ainda devo dizer que, ao contrário de Freud, Jung considera que as situações absurdas dos sonhos não possuem nada de 'fachadas' ou 'desvios', e os sonhos seriam então expressões 'míticas', 'arquetípicas', diretas... A interpretação de sonhos, toda esta loucura infanto-juvenil, é uma ferramenta crucial para a Psicologia Analítica, marca registrada de Jung... 

Dois personagens bem problemáticos, Freud e Jung, se unem e depois se digladiam de forma ambiciosa e risível... Dois belos pacientes para a Neurociência, mas 'mestres' de suas 'invenções oníricas'... A Psicanálise, e a Psicologia Analítica, as interpretações dos sonhos de um e de outro, foram um gigantesco retrocesso para a humanidade, e continuam sendo um enorme impeditivo para uns, muitos, que baseados em tais crenças, tais seitas, recusam-se a estudar e apender... Tudo o que sabem está errado, é ineficaz, e absurdo... Mas ainda existem muitos cursos ditos - universitários - que ensinam toda está fábula como algo sério, terapêutico... Qual a diferença entre Jung e uma mago do Tarô???  


Por exemplo, na oniromancia, ou previsão do futuro através da  interpretação dos sonhos, goza de enorme credibilidade em diversas facções das tradições judaico-cristãs-islâmicas... Está devidamente documentado na Torá, que é o Antigo Testamento, que não um, mas vários profetas receberam do próprio 'deus', o poder mágico de interpretar os sonhos: Jacó, José e Daniel... Até mesmo no Novo Testamento, 'São José' é avisado 'em sonho' pelo 'anjo Gabriel', que é corno, ou seja, que a sua esposa 'virgem', está grávida do 'espírito santo' - um cabra das redondezas... Mas o consolo é que, a criança é 'divina', embora não seja 'nem em sonho', a cara do pai... Logo depois da visita dos 'Reis Magos', 'um anjo', 'em sonho', avisa o corno manso para fugir para o Egito...

Na fábula de São Patrício, na Irlanda, também existe a figura do sonho... Quando escravizado, Patrício, 'em sonho', é avisado de que um barco o espera para que retorne à sua terra natal... No Islamismo, os sonhos bons são inspirados por Alá, e trazem mensagens 'divinatórias', enquanto os pesadelos são considerados armadilhas de Satã... Fábulas bem contadas, repletas de maniqueísmo, bem no estilo dicotômico, mágico e mítico de Jung...

Tudo se encaixa perfeitamente, a História se repete, a iminência de crer, a ignorância, e um bom contador de estórias, e uma boa estória, com todos os elementos do sucesso, no melhor estilo do 'paulocoelhismo'... Magos, bruxas, heróis, a moral da estória, o maniqueísmo... História humana, contínua, convergente, contingente... As fábulas de outrora funcionam ainda hoje, porque nossa cultura ainda está impregnada de tais fábulas; e porque a psique humana, compra este peixe... E por isso o 'meme da fábula religiosa', ou 'pseudo-científica', progressa...

Descartes registrou para a posteridade, os seus ditos sonhos ou visões reveladoras... Descartes conta que, em viagem pela Alemanha, teve uma visão em sonho, de um novo sistema matemático e científico... Na realidade, e como veremos a seguir, os sonhos também vem com o stress, ou com a obsessão em relação a determinado tema, o que era o caso de Descartes, e ele seguiu sonhando com as suas elucubrações matemáticas, nada mais...  Kekulé propôs a fórmula hexagonal do benzeno após sonhar com uma cobra que mordia sua própria cauda, mas o tema era recursivo e exaustivo na cabeça de Kekulé, e o sonho apenas projetou o stress de suas reflexões... Nada mais... O grande pai da Tabela Periódica, Dmitri Mendeleiev, enquanto trabalhava exaustivamente sobre ela, afirmou ter tido um sonho no qual lhe era mostrado uma sugestão próxima do modelo definitivo de seu trabalho, e que depois foi complementado para se conformar no modelo atual...


Então o que são os sonhos - de fato? Sonhos são atividades neurais, que ocorrem durante o sono, e costumam estar associados ao REM  (Rapid Eye Movement), ou 'movimentos rápidos dos olhos', um período que ocupa, tipicamente, não mais do que 20 a 25% do tempo de total do sono... Especula-se que crianças sonhem durante quase 50% do tempo total de sono... Também podemos sonhar fora dos período REM - também conhecido como período não-REM ou simplesmente NREM...

Um ciclo do sono básico dura cerca de noventa minutos, ocorrendo de quatro a cinco ciclos, acomodados dentro do período total de sono noturno... Segundo LAVIE (1998, 45), o número de ciclos por noite depende do tempo do sono, acrescentando, ainda, que "o sono de uma pessoa jovem é, habitualmente, composto por quatro ou cinco desses ciclos, com tendência à redução com o avançar da idade"... 


O sono pode ser ainda dividido em dois tipos fisiologicamente distintos, o REM (Rapid Eye Movement ou "Movimento Rápido dos Olhos"), e o não-REM, ou NREM (Non Rapid Eye Movement), i.e., durante ou sono estamos sempre em um destes dois estados e suas variantes, REM e NREM...


Durante o sono, o indivíduo passa, geralmente, por ciclos repetitivos, começando pelo estágio 1 do sono - no estado NREM -, progredindo até o estágio 4, e então regredindo para o estágio 2, e entrando no estado REM; retornando de novo ao estágio 2 e sucessivamente durante todo o somo... Nos primeiros ciclos do sono, os períodos de NREM - mais especificamente os estágio 3 e 4 - têm uma duração maior que o REM, e à medida que o sono vai progredindo, os estágios 3 e 4 começam a decair, enquanto a duração do período REM começa a aumentar...


Os estágios do sono, estão diretamente relacionados à atividade neural, e correspondem a diferentes frequências - que podem ser registradas em um singelo eletroencefalograma (EEG)... Atingimos o primeiro estado REM aproximadamente 90 minutos após adormecermos... Normalmente uma pessoa tem de 4 ou 5 períodos REM em uma noite regular de sono, que duram em média de 5 a 45 minutos, sendo que ao longo do período de sono o período REM costumas amplificar a sua duração... 


O REM é um estado de atividade neurofisiológica... No entanto, quando atingimos o estado de 'sono profundo' não sonhamos... No sono REM, além de incrementarmos a frequência cerebral, geramos cerca de cinco vezes mais eletricidade do que no estado de vigília... A pressão arterial, as batidas do coração, a respiração, etc podem mudar dramática e drasticamente durante o sono REM... 

Sob observação, e como, em tese, não haviam causas físicas externas que justificassem ou explicassem tal fenômeno - REM -, cogitou-se que as causas só poderiam ser internas, ou decorrentes de uma força externa 'não´física', e portanto sobrenatural... A questão do 'inexplicado e inexplicável', novamente se interpõe... Não bastava seguir o fenômeno, estudar, e esperar para SABER... Afoitos, os que 'creem na crença', e também por causas neurofisiológicas, precisam desesperadamente de uma teoria, enquanto outros necessitavam vorazmente de notoriedade... Estava estruturada, mais uma vez, e em pleno século XX, a ponte que conectava os sonhos, os estudos sérios sobre o sonho, com o espetáculo sombrio da paranormalidade...

Outros fatores contribuíram para este ridículo desvio de confirmação, como sonhar com pessoas mortas, sonhar que estamos em lugares desconhecidos, ou mesmo viajar no tempo, sonhos que 'parecem' proféticos - pela auto-sugestão -, sonhos que são tão estranhos, curiosos ou bizarros, que indicam o caminho da  interpretação paranormal ou sobrenatural - e evidentemente estou considerando as interpretações pseudo-rivais, freudianas e junguianas, nesta categoria...

Pois a Neurociência, e as ramificações que se dedicam aos sonhos, riem de tudo isso, e pode explicar cada um destes fenômenos, e estamos realmente em condições de afirmar: 'não, não estamos recebendo mensagens dos deuses, nem de ETs'...

Charles Tart, um completo lunático, um dos fundadores da falaciosa 'psicologia transpessoal', e auto consagrado 'parapsicólogo, acredita piamente que o sonho é uma entrada para outro universo, um universo 'paranormal' - ou anormal -, através de uma experiência OBE - Out Of Body -, i.e., 'fora do corpo'... Tais fenômenos foram amplamente descaracterizados, quando a Força Aérea Americana desenvolveu o seu programa para treinamento de pilotos de caça...


Um 'verdadeiro médico', o Dr. James Whinnery, chegou às mesmas evidências mas por outro caminho... Whinnery foi contrato pela Força Aérea Norte Americana para dirigir os treinamentos para os pilotos de caça... Desde o advento dos jatos e caças, os pilotos apresentaram problemas de perda súbita da consciência quando submetidos à força 'g', fenômeno conhecido como G-LOC; além de relatos de experiências místicas - quando sobreviviam para contar... Na centrífuga do Naval Air Walfare Center, na Pensilvânia, as experiências de "quase morte" foram simuladas por Whinnery e finalmente esclarecidas... 

Whinnery descobriu um fenômeno notável, a quase totalidade dos pilotos submetidos aos testes experimentaram o 'efeito túnel', acompanhado da 'visão de uma luz', e a sensação de 'flutuar acima do próprio corpo', além de experiências místicas - dependendo do grau de religiosidade -, e quase sempre experimentando uma indescritível sensação de euforia, paz e serenidade, no retorno à consciência... Parece familiar???

Whinnery foi capaz de induzir tais sensações mais de mil vezes, em 16 anos de pesquisa e estudos controlados em uma centrífuga, e registrou tais experimentos em filmes... Observou o momento exato em que os pilotos perdiam a consciência, não deixando dúvidas sobre as causas de tal fenômeno: a HIPOXIA... Whinnery chegou a brincar com o fenômenos, aprendendo a controlar a alucinação sobre flutuar, e estabelecendo até a altura que o individuo alcançaria, enquanto lá embaixo jazia o seu corpo...

Problemas nos lobos temporais e parietais, são diretamente responsáveis por tais 'fenômenos'... Enquanto usam creem serem serem poderosos e 'abençoados', um tempo precioso está sendo desperdiçado para o diagnóstico e o tratamento da respectiva neuropatologia...  

Sob a pressão exercida pela força 'g' o 'sangue escoa da cabeça em direção ao centro do torso', explica Whinnery... Tudo isso em uma questão de segundos... Quando o experimento era procedido de maneira gradual, pela aceleração constante da centrífuga, o sujeito experimentava primeiro a sensação de túnel, depois a luz, a cegueira, e o desmaio; fenômeno este causado pela perda de oxigênio na retina, seguindo o trajeto em efeito cascata até o córtex visual, produzindo o 'efeito túnel', à medida que os neurônios vão se fechando de fora pra dentro... 

Outro médico e neurocientista - este também de verdade -, o Dr. Comings, observa que: 'a sensação de paz e serenidade provavelmente é gerada pela liberação de vários neurotransmissores, como a endorfina, serotonina e dopaminas (..) as experiências de quase morte provam apenas que, quando o cérebro é privado de oxigênio por períodos prolongados, imediatamente antes do dano cerebral ocorrer, desencadeia uma série de eventos neurofisiológicos que caracterizam a experiência descrita como de "quase morte"'... Só isso... Experiências “sobrenaturais” de quase morte são na verdade truques da mente...

Em 2001, o jornal britânico Lancelot publicou o estudo do neurocientista holandês Pim Van Lommel, que analisou 344 casos de pacientes cardíacos que passaram por procedimentos de 'reanimação cardiopulmonar' - lembrando que morte precisa ser cerebral - , sendo que 12% deste grupo relatou experiências de "quase morte", e em alguns casos relatos de encontros com "parentes mortos"... O doutor Mark Crispin, médico da emergência em um hospital em Portland, Oregon, analisou o eletrocardiograma de pacientes com parada cardíaca, e dados como "mortos", concluindo que na verdade "o que eles mostraram foi uma diminuição, uma atenuação" na atividade cardíaca, e que "somente uma minoria experimentou uma parada cardíaca por mais de 10 segundos"... Na verdade, de acordo com a ciência médica - e forense -  "ninguém teve morte clínica", ressalta Crispin, pontuando que "nenhum médico deve declarar morto um paciente num código 99. Ter uma parada cardíaca no intervalo de 2 a 10 minutos e ser prontamente reanimado não torna uma pessoa 'clinicamente morta'. Significa que o seu coração - neste intervalo [grifo meu] - não está batendo e que a pessoa pode não estar consciente"... Como o cérebro opera confiando nos estímulos externos relativos à nossa cognição, quando uma parte deste complexo gera um quadro ilusório, outra parte do cérebro - provavelmente o hemisfério esquerdo - pode interpretar tais ilusões como um acontecimento REAL, externo, e captado regularmente por nossa cognição...

Com diferentes nuances e por diferentes motivos, e até mesmo em função de neuropatologias, todo processo supranormal ou paranormal, pode ser resumido por este fenômeno... As nossas vias cognitivas estão embotadas, uma ou muitas partes do nosso cérebro codificam ilusões, enquanto outra parte ainda consciente trata de considerá-las parte inexorável da realidade...

Drogas alucinógenas como a atropina e outros alcaloides  - provenientes da beladona, mandrágora, e na Datura stramonium (ou estramônio) - também desencadeiam estas experiências ditas "sobrenaturais", como a sensação de flutuar fora do corpo... Feiticeiras eurasianas e xamãs americanos também utilizavam estes 'recursos' para suas viagens 'extra-corpóreas'... Não verdade os seus pés ficavam bem plantados na terra, enquanto suas mentes entorpecidas vivenciavam um estado ilusório... 

Anestésicos dissociativos, que promovem a depressão da função neuronal no sistemaneurocorticotalâmico (dissociação) e dos neurônios nociceptivos (analgesia), também induzem as ditas viagens "corpo-astral"... Os anestésicos dissociativos promovem um estado de catalepsia, onde estará presente o aumento do tônus muscular, manutenção dos reflexos protetores e permanência dos olhos abertos... As cetaminas são o maior grupo representante dessa categoria... A ingestão da metilenodioxianfetamina (MSA) pode ativar lembranças antigas e produzir a sensação ilusória de 'regressão'... A dimetiltriptamina (DMT) - também conhecida como "molécula do espírito" -, muito utilizada pelos xamãs sul-americanos com o nome de ayahusca, causa a sensação ilusória de dissociação entre "a mente e o corpo", tipificando relatos como "eu estou fora do meu corpo", "eu já não tenho um corpo", "estou flutuando", "estou voando", "estou subindo"... 

Tais viagens, ditas "espirituais" ou de "consciência intensificada", quando comparadas com a operação normal ou racional do cérebro, não deixam dúvidas de que drogas psicodélicas como o DMT são capazes de produzir a sensação de "contato" como o sobrenatural ou com seres inumanos... Pessoas inteligentes e sofisticadas submetidas a testes, e mesmo sabendo que estas sensações são induzidas por drogas, não foram capazes de discernir entre fantasia e realidade... O gravador emocional do sistema límbico, localizado nos lobos temporais, pode ser engando por estas drogas ou em caso de neuropatologias, não conseguindo distinguir acontecimentos reais, gerados por experiência reais, produzidas externamente, de experiências irreais, ilusórias, geradas internamente...  

Um grupo de psicólogos formados por membros da Universidade de Edimburgo e de Cambridge, publicaram um recentemente estudo no jornal Trends in Cognitive Sciences, onde o 'fenômeno' também foi explicado... O título do texto foi 'There is nothing paranormal about near-death experiences: how neuroscience can explain seeing bright lights, meeting the dead, or being convinced you are one of them', i.e., 'Não há nada de paranormal em experiências de quase morte: como a neurociência explica luzes brilhantes, encontro com mortos e o fato de você se convencer de que é um deles'...
    
Os pesquisadores analisaram os mesmos fenômenos - efeito túnel, luz, e encontros com parentes mortos - e concluíram que tais  sintomas 'estão bem longe de um vislumbre da vida após a morte. Na verdade, são truques da mente e têm uma base biológica.'...

As experiências de "quase morte" são relatadas em todas as culturas, desde a Grécia Antiga... 'De acordo com uma pesquisa feita pelo Instituto Gallup, cerca de 3% dos americanos já passou por algo similar'... Para os pesquisadores, isso pode ser provocado pela tentativa do cérebro de dar sentido às sensações e percepções incomuns que ocorrem durante um evento traumático...

Além da HIPOXIA, e do caos bioquímico causado pela liberação de neurotransmissores, outro responsável por tais delírios é a noradrenalina, liberado no mesencéfalo, e que, quando acionada, pode evocar emoções positivas, excitação, alucinações e outras características da experiência de "quase morte", como o encontro com entes queridos...

Mais uma vez fica claro que fenômenos "esotéricos" são na verdade bem 'terrenos'... No caso da experiência de "quase morte", a HIPOXIA e suas decorrências bioquímicas são 'o caminho, a verdade, e a luz', sem direito a subterfúgios... No caso do senhor Raymond Moody, o problema pode estar nos lobos temporais ou  nos lobos parietais, como veremos em outro post... No caso de seus ávidos leitores, a explicação pode estar na cultura da 'crença na crença'... Parafraseando Shermer: 'primeiro acreditamos por motivo torpe - ou neurofisiológico [grifo meu] -, e depois procuramos razões para sustentar tal crença'... Temo que a grande maioria dos leitores de absurdos esotéricos também mereçam uma revisão de seus lobos temporais e parietais, córtex cingulado, e parte anterior dos lobos frontais...

Vida longa à Ressonância Magnética!!!

Mas retomando ao 'paranormal' ou 'anormal' Charles Tart, seus intercursos cósmicos começaram - e aí reside a sua prova 'cabal', e o fundamento para a sua fé pessoal - quando a sua babysitter, que ela chama de "Miss Z" - misterioso, 'fabulóide', doentio -, afirmou ser capaz de - pasmem - "sair do corpo durante o sono"... Charles, o anormal, afirma haver testado os poderes de sua 'babysitter voadora' no laboratório de sono da Universidade de Davis, depois de ela lhe confidenciou que havia "acordo durante a noite, e flutuado até quase ao teto", e permanecendo ali, flutuando, por um bom tempo, e então, tornou a adormecer - ou seja, voltou para o seu corpo... Isso foi suficiente, um único depoimento subjetivo, seguramente alucinatório, ou meramente um sonho, para Charles viajar geral na maionese de suas conjecturas crentes...

Qualquer neurologista encaminharia 'Miss Z' e 'Charles T' para uma completa e detalhada avaliação fMRI... Considerem ainda que 'Miss Z' trabalha com 'crianças', como 'babysitter voadora', enquanto os pais não estão... Sentiu o drama???

Mas Charles ficou intrigado, colocou um número sobre uma prateleira, então conectou 'Miss Z' à uma máquina EEG, deitou-a na cama, em uma posição onde não seria possível conhecer o número, a menos que fosse 'voando'... Ela afirmou ter flutuando à vontade, mas não conseguiu ler o número... 'Miss Z', a babysitter voadora só conseguiu ver o número na quarta noite... Suspeito? Não para 'Charles T'... 

Outros lunáticos investem na telepatia, variações sobre o mesmo tema, uma transfiguração dos sonhos freudianos e junguianos, e estes senhores também consideraram a telepatia plausível... Freud inventou a 'Atenção Flutuante', volume 10, Técnicas Psicanalíticas... Trata-se da aplicação telepáticas à sessões terapêuticas... O terapeuta, no caso Freud, além de seus dorminhocos seguidores, poderiam 'dormir' - e até roncar, babar, não havia restrições - diante de seus pacientes... Bem, seus pacientes, por sua vez, poderiam dormir também, afinal, nada mais justo... Ou poderiam, se assim desejassem, seguir falando, diante de um terapeuta que dorme como um bebê... Não há problema, postula Freud, afinal sua mentes se comunicam telepaticamente... Como 

Freud gostava de cheirar um pó, e começou a sua carreira trabalhando sobre as vantagens terapêuticas da cocaína, além de ser um notório usuário... Presumo que quando inventou a 'Atenção Flutuante', ele havia passado dos limites... Não é possível que alguém, em sã consciência, e que ostenta um diploma de medicina na parede, possa afirmar tamanho absurdo... Mas ele não somente o fez, como até hoje o seguem... Um detalhe que não foi descrito por Freud, as era seguido à risca na prática era a regra de 'acordar o psicanalista para pagar a consulta'... Isso é muita cara de pau... Freud deve a haver escarnecido sobre a humanidade... Ele podia contar qualquer estória, e a humanidade o seguia... Mas os tempos mudaram... Não para todos, mas estamos trabalhando em prol da educação... Chegaremos lá...

A telepatia já foi posta à prova centenas de vezes, e o resultado é só existem duas explicações científicas: fraude ou demência... talvez uma demência fraudulenta... Tart, e outros lunáticos, mutantes da 'psicanálise' para a 'parapsicologia', fundamentão o vazio de sua crendices, de que o sonho seja um portal para 'o outro mundo', no fato de que distintas ondas cerebrais são detectadas durante os diferentes estágios do sono... Isso é suficiente, em seus devaneios, para indicar estados de 'consciência alterada'... Mas a consciência deses senhores, e falo sério, está gravemente alterada, e não apenas  durante o sono... 

Estudar a Neurociência e aprender, esta fora de questão... Estes profetas modernos, a exemplo de Freud e Jung, querem trazer a boa nova, ou ao menos uma 'nova' mensagem, algo que os catapulte como malditos gênios incompreendidos... A ignorância é acachapante... 

Porém, o sono não é um estado consciente, e sim inconsciente... Uma alteração no fluxo cerebral, provocando um imageamento espúrio... As ondas cerebrais não representam estados de consciência, mas refletem apenas a atividade elétrica no cérebro... A atividade cerebral durante o sono é curiosa... Enquanto sonhamos, não só experimentamos o equivalente às alucinações - o que nos classificaria como psicóticos se estivéssemos acordados -, mas também existe o risco de que nos movimentemos efetivamente, respondendo à essas alucinações, como no caso dos sonâmbulos... Neste caso, mecanismos no cérebro entram em ação para nos proteger de eventuais acidentes, ou contusões, assim como para impedir que firamos outras pessoas...

Ou seja, enquanto a maioria de nós permanece acomodada em sua cama, outros, os sonâmbulos podem 'vagar' por aí... Estas pessoas não saíram de seus corpos, nem estão esgrimando contra os seus arquétipos, e não estão tentando realizar um desejo reprimido... 

O noctambulismo (sonambulismo para o sono não-REM, ou distúrbio comportamental do sono REM) é hoje, um conhecido transtorno comportamental do sono, ou parassonia; durante o qual a pessoa pode desenvolver habilidades motoras simples ou mesmo complexas... O sonâmbulo sai da cama, e então pode andar, urinar, comer, realizar tarefas comuns... Pode também abrir portas, sair de casa, enquanto permanece inconsciente... Pode ser difícil acordar um sonâmbulo mas, contrariando a crendice popular, não é perigoso fazê-lo... Na realidade, é exatamente o contrário, pois o perigo está em deixá-lo perambulando de forma inconsciente - perigoso é não acordá-lo... Porém, esse despertar deve ser procedido com cautela, porque em alguns casos, e neste momento, alguns sonâmbulos podem ser violentos...

É mais comum em crianças em idade escolar, em função do incremento de atividades... Cerca de 25% das crianças entre 3 a 10 anos relatam pelo menos um episódio por ano de sonambulismo, enquanto 15% reportam episódios mensais...

noctambulismo apresenta elevada correlação Genética... Gêmeos idênticos apresentam um incidência de sonambulismo seis vezes mais frequentemente do que os Gêmeos fraternos... 40% das pessoas com sonambulismo possuem pelo menos dois outros parentes que também apresentam o mesmo distúrbio... A prevalência ao redor do mundo varia para cada país, com incidência média entre 1 e 15% da população, sendo mais comum nos países com população predominantemente jovem, e devido ao consumo de álcool ou sedativos... A incidência em adultos é bem menor, estimada entre 0,5 a 4%... 

O sonambulismo, segundo estudos de polissonografia, geralmente ocorre no período de uma a duas horas depois de inciado o sono, nos estágios 3 e 4, conhecidos como 'fase de ondas lentas' (SOL) e 'lento único e afetivo' (LUA)... Pode durar apenas alguns segundos ou chegar a mais de 30 minutos... 

Como as áreas motoras permanecem ativas, o sonâmbulo é capaz de se sentar, andar e trocar a roupa... Já a área relacionada à consciência e memória, no hipotálamo, se mantém quase inativa... E isso explica porque, quem sofre desse distúrbio, não percebe o que faz, e nem se lembra de nada no dia seguinte, embora possam conversar e debater, sair para pagar uma conta, sacar dinheiro no caixa eletrônico, ou escrever cartas... Este nível de complexidade normalmente está relacionado ao stress, ansiedade, ou decorrente da pressão psicológica desencadeada por uma grande preocupação...

Pessoas que possuem transtornos como problemas respiratórios, apneia, refluxo gastroesofágico, ou transtorno de estresse pós-traumático, estão mais sujeitas ao sonambulismo...

Em 1846, Tirell Bickford foi acusado de matar a prostituta - Mary Ann -, durante um episódio de sonambulismo, e inocentado pelo critério de 'insanidade temporária'... Recentemente, um homem escalou uma montanha durante o sono, e acordou lá em cima... O incrível é que a equipe de resgate e os bombeiros, devidamente aparelhados, levaram horas para escalar a montanha, devido à sua complexidade e inclinação... Algumas pessoas caem de janelas ou rolam pelas escadas enquanto estavam sonâmbulas... Alguns sonâmbulos podem ser violentos, inclusive a ponto de matar acidentalmente pessoas próximas... Em alguns casos notórios de homicídio, ao redor do mundo, réus foram declarados inocentes pelo critério da insanidade temporária, após... Em outros casos esse argumento foi negado, até mesmo condenado à morte, prisão perpétua, prisão ou confinamento em instituição psiquiátrica....

Existem muitos casos de abuso sexual contra o próprio parceiro(a), descritos na literatura, inclusive com mulheres atacando homens... Curioso é que eles tenham movido um processo, rsrsrs... Muitos pacientes violentos, durante as crises de sonambulismo, também tem episódios recorrentes de terror noturno e pesadelos... As principais características associadas este comportamento são:
- Sexo masculino;
- Problemas familiares na infância;
- História de abuso sexual;
- Escala de Hamilton > 24 - depressão;
- História familiar de sonambulismo ou terror noturno;
- Presença de desorganização no horário do sono, com ciclos vigília-sono mais caóticos;
- História de abuso de substâncias psicotrópicas.

É importante tomar medidas de segurança para a proteção do paciente como dormir no andar térreo, em quarto amplo; proteger as janelas ou fechá-las; retirar mobílias baixas e outros obstáculos do quarto nos quais o paciente possa bater ou tropeçar e cair (como cadeiras, pufes e mesinhas); dificultar o acesso a objetos perfurantes ou cortantes (como tesouras, estiletes e agulhas), armas... Esconder as chaves, desde que ele desconheça o local, quando está consciente... Em casos mais graves, pode ser necessário colocar o paciente em um saco de dormir... 

Fatores como estresse excessivo e cotidiano, ansiedade e hábitos de sono irregulares, ou mesmo a privação do sono, acentuam o problema... Esqueçam a baboseira dos arquétipos e dos desejos sexuais reprimidos... Entenda como a mente REALMENTE funciona... Para amenizar as crise podem ser prescritos ansiolíticos, técnicas para reduzir o stress, e procurar um instituto do sono... Outras possíveis condições clínicas também estão associadas, como a depressão, e outros distúrbios neurológicos, narcolepsia, etc...

Alguns medicamentos psiquiátricos também podem diminuir a frequência dos casos como o clonazepam em doses baixas, que podem ser aumentadas dependendo da resposta terapêutica, ou outros benzodiazepínicos como diazepan ou flurazepam... Nos casos de crises violentas comprovadas, são utilizados antiepiléticos...

Outra curiosidade sobre o sonho é que quase todos são esquecidos... A amnésia é a regra... Isto não se deve a nenhum problema em especial, nada de paranormal, freudiano ou junguiano, tratando apenas de uma codificação neural fraca... A memória depende da codificação dos dados relativos á nossa experiência... Codificar a experiência depende das conexões neurais, que por sua vez dependem da realimentação sensitiva... Um evento com significativa carga emocional é mais provável de ser recordado d que outra experiência com baixa intensidade emocional - pelo Hipocampo...

Podemos recordar um sonhos apenas se ocorrido um pouco antes de despertarmos... Mesmo assim, precisaremos de algum esforço para remontá-lo... O que dizer de remontá-lo depois de quatro ou cinco dias, diante do ávido Freud, necessitando corroborar sua tese de repressão sexual, enquanto Jung estará vasculhando à procura de seus arquétipos... talvez seja mais aconselhável consultar o Tarô, rsrsrsrsr.... 

Algumas pessoas registram os seus sonhos logo após acordar, e por escrito... Outras permanecem deitadas, recriando o sonho... A maneira mais fácil de recordar um sonho, no entanto, é atribuir um título a ele, sendo assim será mais fácil recuperar esta memória... Por exemplo, se está sonhando que é perseguido por uma lontra com uma camiseta dos Rolling Stone, pode chamá-lo de "A Lontra Roqueira"... Nestes casos, mesmo que você volte a adormecer, será bem mais provável que consiga recordar o sonho - a posteriori -, apenas lembrando do título...

O que pode ter povoado a interpretação dos sonhos, com tanta mística, é a aparente complexidade dos sonhos... A ressonância magnética revela uma reduzida atividade do Córtex Pré-Frontal, durante o sono REM, e isto explica muitos sobre as diversas características relacionadas aos sonhos... O Córtex Pré-Frontal também opera a sensação de auto-consciência... Quando decai a atividade nesta região, nos confundimos sobre a 'realidade e alucinação', em relação ao que julgamos experimentar... Isto  explica as distorções na percepção de tempo do sonhador, e a incapacidade de julgar o que está acontecendo, u mesmo controlar a alucinação...

No entanto, a diminuição da atividade no Córtex Pré-Frontal no, é reparadora e necessária... O sono permite o descanso dos Lóbulos, que permanecem em tremenda atividade no estado de vigília... Existem estados de lúcidos, onde logramos a consciência que estamos sonhamos, quando os Lobos Frontais permanecem em atividade... Mas a maioria dos 'parapsicólogos' e 'psicanalistas', não estão interessados na fisiologia do sonho... Preferem uma boa fábula, bem contada, e envolvendo o mistério... 

Alguns sonhos são estranhos, e parecem predizer acontecimentos...  Estes sonham impressionam aqueles que desconhecem a Lei dos Grandes Números, um conceito fundamental em probabilidade estatística, conforme enunciado:
Se um evento de probabilidade 'p' é observado repetidamente em ocasiões independentes, a proporção da frequência observada deste evento, em relação ao número total de repetições, converge em direção a 'p', à medida que o número de repetições se torna arbitrariamente grande.

Em outra palavras, conforme uma experiência é repetida várias vezes, a probabilidade observada aproxima-se da presente (ou real) probabilidade... O conceito, como usado em probabilidade e estatísticas, tem aplicações práticas na ciência, economia, agricultura, produção, negócios, e outras atividades importantes...  Por exemplo, se não soubermos a probabilidade de algum evento natural (digamos, a probabilidade de chover), ou se não conhecemos a fração de alguma população que satisfaz uma condição (tal como quantas partes defeituosas foram produzidas numa linha de montagem), nós podemos descobrir esta probabilidade ou esta porcentagem através de numerosas observações e experiências suficientes. 

Basta insistir, uma hora a predição deverá ocorrer... Ou quase... Ainda assim, algum esforço para acomodar o fenômeno será necessário, ajustando o sonho à posteriori, ou fazendo severas concessões, por meio do desvio de confirmação, para que a predição se concretize...

Temos também o Efeito Forer, também conhecido como a Falácia da Validação Pessoal, ou Efeito Barnum - depois de P.T. Barnum ter dito que "temos de tudo para todos"... Basta boa vontade, uma mente neurologicamente inclinada ao pensamento mágico, ou uma configuração psicológica carente de atenção... Ou coisa muito mais complicada, mas ainda no âmbito fisiológico - neurofisiológico... O Efeito Forer indica que as pessoas confiam mais ou muito, em suas validações pessoais, e baseadas em sua experiência pessoal, sobre avaliações sobre suas personalidades e vidas; acreditando que tais avaliações, são feitas exclusivamente, e sob medida, para elas; quando na verdade, tais avaliações, premonições, presságios, previsões, interpretação de sonhos pela mística freudiana-junguiana, Tarô, astrologia, grafologia, numerologia, etc, na verdade, são vagas, genéricas ou estapafúrdias... 

Um fenômeno mais genérico e relacionado ao Efeito Forer, é o da validação subjetiva.... A validação subjetiva ocorre quando dois eventos aleatórios, e sem nenhuma relação, 'apenas' parecem estar conectados, mas são declarados sincronizados e inequivocamente correlacionados, e apenas porque as crenças e expectativas em questão, exigem tal ligação... Por esta e outras razões, as pessoas buscam sempre conexões entre sua percepção da personalidade e o texto de um horóscopo, ou um arquétipo junguiano, ou um desejo sexual freudiano reprimido... 

Também precisamos entender como a memória funciona... E Eric Kandel, ganhador do Prêmio Nobel, por deslindar o funcionamento da memória, é a melhor pessoa para cumprir esta missão:
"Um poema está armazenado em vários lugares diferentes. Conforme você o aprende, você visualiza partes dele – partes que provavelmente serão armazenadas em áreas visuais do cérebro. Outras talvez sejam guardadas em regiões ligadas à linguagem, ou nas que lidam com as emoções. Quando você recita o poema, essas diferentes áreas colaboram umas com as outras para formar uma lembrança. Acreditamos que as mesmas áreas responsáveis pelo processamento das informações cuidem das lembranças dessas informações – as áreas visuais são responsáveis pelas memórias visuais, as táteis pelas lembranças táteis e assim por diante. Não há um único “centro da memória” no cérebro, responsável por armazenar tudo. Em grande parte, na forma de mudanças estruturais nos neurônios. A cada vez que aprendemos algo, formam-se novas ligações entre as células, novas sinapses. Seu poema causa mudanças químicas nos neurônios, induz a produção de novas proteínas, suprime outras."

Se as probabilidades são de um para um milhão, de um sonho ser profético, então, dado o número de pessoas na Terra, e o número médio de sonhos por pessoa durante um período de sono - 250, de acordo com Hines -, então devemos esperar que, a cada dia, existam mais de 1,5 milhões de sonhos que parecem clarividentes... Isto não inclui todos os sonhos de gatos, cães e outros animais, que seguramente sonham e possuem experiências psíquicas enquanto dormem... O meu cachorrinho, fiel companheiro, me acompanha neste instante, enquanto avanço pelo dia, às 06:00hs da manhã, sonhando... Acabo de despertá-lo, afinal ele grunhia, e parecia sofrer... Ele se levantou, mudou de posição, e escondeu a carinha sobre as páginas de um livro de Oliver Sacks - Um Antropólogo em Marte... A luz está provocando esta inestabilidade, além do som do teclado... Poderia ser uma atividade gastrointestinal, decorrente de uma bela feijoada, enfrentada antes de dormir... Enquanto o cérebro procura desligar suas funções, fatores internos ou externos, traduzidos em um complexo fisiológico, despertam áreas contíguas de outras áreas adormecidas... E então não saberíamos dizer, no caso do meu cachorro, conjecturando sobre o freudismo e junguianismo, qual seria o propósito de sonhar... 

E como ficam sob a ótica freudiana e junguiana, as pessoas cegas? Sendo um característica quase mística, sem explicação na fisiologia, e repletos de arquétipos mitológicos e figuras de sejos reprimidos, os cegos não deveriam ter o seu sonho limitado apenas por suas limitações físicas, de origens diversas; não mais do que aqueles que veem... Porém, cegos de nascença não experimentam sonhos visuais...

Existem ainda, os que pensam que os sonhos são passagem para vidas passadas... Tais problemas podem estar relacionados com os Lobos Temporais...  Outros divagam sobre uma suposta relação entre os sonhos, e os medos dos nossos antepassados... Temas universais, como ser perseguido ou cair, parecem decorrer de nossos tempos como caçadores colectores... Então a fábula rezaria que temos esses sonhos porque os nossos antepassados eram perseguidos por tigres dente-de-sabre e dormiam em árvores... Não existem evidências para suportar tais crendices... 

Se o estado de sonho é uma passagem para algo, e pode ser interpretado, então devem apontar de forma direta para os medos desejos atuais, reais... As alucinações decorrentes, estão relacionados ao mal funcionamento do cérebro, em parte adormecido, em parte ativo... Qualquer teoria séria sobre o sonho, em 2013, deve estar centrada em explicar porque o cérebro, fisiologicamente, conjura e codifica tais imagens, desenvolvendo enredos e confabulações próprias, enquanto inconsciente... 

Os sonhos são pois, o resultado de ativações neurais, que estimulam a recuperação de memórias localizadas em diferentes partes do cérebro, manuseando-as de forma espúria... Uma hipótese para os ritmos do sono é que são um modo do cérebro desligar o Córtex, e  descansar, e relação ao tratamento dos sinais sensoriais, e certas conexões, na ausência destes estimulas, codifica alucinações... Quando dormimos, os neurônios do Tálamo, impedem a penetração de informação sensorial para o Córtex... Desta forma podemos descansar... 

A maioria de nós não tem dificuldade em encontrar exemplos de "sonhos de ansiedade" ou de "desejo de concretização" na nossa experiência... Podemos também, não ter consciência de alguns de nossos desejos ou medos, até que um sonho recorrente venha acender uma luz em nossa percepção... 

A minha adorável esposa sonhou durante muito tempo, e recorrentemente, andar com os pés descalços... Conhecendo a realidade sobre os sonhos, e despido as alucinações freudianas e junguianas, pude ajudá-la a entender o que se passava... Conversamos muito, e a partir de várias entrevistas, pudemos localizar a fonte de tais 'pesadelos'... Minha esposa foi muito pobre, e quando menina, submetida à muitas experiências traumáticas... Em sua escola, sentiu o peso da crueldade, quando foi motivo de chacota por comparecer à escola descalça... Deste dia em diante, tal experiência provocou nela, um verdadeiro terror em relação à não ter sapatos... Ela só tinha um par de tênis, e cresci muito rapidamente, e seus dedinhos começaram a perfurar a lona do tênis...Ela tremia de medo de ir a escola, e que notassem o tênis furado, e temia o pior, ser obrigada a novamente comparecer com os pés descalços... Nenhuma premonição, nenhuma simbologia, mítica, arquetipica, ela simplesmente expressava as cicatrizes neurais de um trauma... Conversamos e rimos sobre isso... Hoje tenho imenso prazer e proporcionar a ela mutos sapatos... E a protejo com protegeria à uma flor... Ela já não sonha que está descalça... Um sonho recorrente por quase 30, deixou de ser sonhado...

Em algumas situações tentamos interferir no sonho, e tentamos também, desesperadamente acordar... A dificuldade em coordenar a motricidade e articular a vocalização, nos dão uma sensação desesperadora de impotência, que muitas vezes é a aliviada por um grito...  Durante um período de nossa vida, onde minha esposa sentiu o risco de que não prosseguíssemos, como casal, ela passou a sonhar recursivamente com situações onde eu me destacava para ajudar a outras pessoas, em algum tipo de pesadelo, contendo algum tipo de dificuldade, enquanto deixava ela sozinha... Tais sonhos também foram 'adormecidos' a muito tempo...

Por vezes os nossos sonhos simbólicos são tão claros que não necessitamos de ajudar para os interpretar. Outros. são tão estranhos, irracionais ou bizarros, que não lhes encontramos qualquer sentido, porque na verdade eles podem não ter nenhum sentido... 

Existem algumas pessoas, contudo, que experimentam experiências terríveis durante o sono, regularmente (Sacks)... Este sonhar obsessivo, tem analogia com o comportamento obsessivo-compulsivo... Tais pessoas não tem só pesadelos, tem medo de adormecer... Neste caso, será necessário consultar um Neurologista, mas nunca um mago interpretador de sonhos... Com o devido acompanhamento neurofisiológico, será possível controlar estes pesadelos, e existem vários métodos para isso, a maioria dos quais envolve preparação visual ou auditiva anterior ao sono...

O neurologista Luciano Ribeiro Pinto explica que alguns medicamentos podem trazer pesadelos como efeitos colaterais... Distúrbios do sono, como ronco e apneia, em que a pessoa para de respirar, podem causar pesadelos com sensação de sufocamento... Experiências muito ruins, como um acidente traumático, podem levar o indivíduo a reviver essa experiência nos sonhos...

Segundo o médico especialista no sono Denis Martinez, os sonhos são expressões espúrias da memória... Existe uma espécie de seleção, em que as coisas mais importantes são armazenadas e as mais irrelevantes são esquecidas... Algumas memórias, por representarem uma continuidade de nosso dia, podem surgir de maneira aleatória e de forma confusa...

Aquela história dos arquétipos, e que cada objeto tem um significado, ou um sentido casado, com isso ou aquilo, não procede... Luis Flávio Couto, professor de psicanálise da PUC-Minas, portanto um psicanalista, diz: "A ideia de interpretação dos sonhos é algo mais folclórico, pois os acontecimentos não têm um significado oculto, eles são bem claros", diz... Os sonhos "não têm um significado universal", afirma o psicanalista...

Muitas pessoas sonham em preto e branco, mas não sabemos exatamente o motivo... Segundo o neurologista Luciano Ribeiro Pinto, isso é uma característica individual... Existem pessoas que sonham mais em preto e branco, enquanto que outros têm sonhos predominantemente coloridos...

Os cegos não têm o componente visual, portanto seus sonhos serão mais ricos em sensações auditivas e táteis... Assim como no caso do ser humano, que quando está na fase REM, mexem os olhos, outros animais, quando estão na mesma fase, costumam movimentar o focinho, que é por onde tem o seu sentido mais aguçado, o cheiro... O médico também explica que os indivíduos que ficaram cegos ao longo da vida também perdem, junto com a visão, a possibilidade de sonhar por meio de imagens...

Existem temas comuns como família, amigos e sexualidade. Mas de acordo com o neurologista Luciano Ribeiro Pinto, é difícil precisar um padrão... "Os sonhos que temos durante a fase REM são pensamentos diversos, memórias que surgem aleatoriamente. Sentimentos, como ansiedade e nervosismo também podem também ser fatores que influenciam", afirma...

Sabe aquele sonho estranho que você teve com alguém que você mal conhece? Ele pode acontecer... O neurologista Luciano Ribeiro Pinto explica que, quando dormimos, os nossos pensamentos são uma continuidade dos fatos do dia, portanto qualquer coisa que vimos pode aparecer... Mesmo se você cruzou com um total estranho na rua, mas ele ficou gravado na sua memória, ele pode estar no seu sonho... "Os sonhos são muito criativos, portanto qualquer acontecimento do nosso dia pode se manifestar", explica Ribeiro...

O meu 'sonho', acordado, é presenciar, durante o tempo de minha vida, um comportamento humano, majoritariamente lúcido, afastando-se de 'crer', em favor de esperar - responsavelmente - para 'saber'... Sem o desespero de declarar o 'inexplicado' como 'inexplicável'... Este é o meu sonho...

Carlos Sherman


Nenhum comentário:

Postar um comentário