Pesquisar este blog

terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

Pobreza: nosso estado natural...





Uma moça deixou um comentário que na realidade reflete a posição de muitos:

"Só tem um problema nisso tudo: nossos recursos são limitados e o espaço urbano e a terra arável também. Como resolver isso? Além, claro, das desigualdades sociais imensas sem necessidade. Pra que precisamos de bilionários? Por que uma pessoa precisa de tanto dinheiro às custas da miséria de muitos?"

Observei:

O vídeo é simples, didático e REALISTA... Muito bom... Carolina, 'bilionários' decorrem de impulsos inatos orientados à ambição, combinados com as oportunidades... Não é tão simples quanto parece perguntar: 'pra que precisamos de bilionários?'... Os Rockfeller já comeram literalmente 'merda', e seus descendentes são bilionários... Não é uma questão moral e sim 'natural'... Pra que precisamos de 'religião', e de status, e de joguinhos, e de astrologia, silicone, cocares, calças saruel, pinturas tribais nos rostos, tatuagens e gravatas??? Não é tão simples assim, afinal somos diferentes... E tão diferentes que utilizamos diferentes meios, aferimos diferentes performances, e diferimos ainda em termos de objetivos... De forma que, em igualdades de condições obteremos sempre resultados diferentes - a menos que sejamos gêmeos monozigóticos... 

O problema é sempre o mesmo, o debate político, moral, sociológico, filosófico, sem um mínimo de conhecimento sobre 'O que nos faz Humanos' - título da obra homônima de Matt Riddley... Não é uma questão de 'intenção', de querer ser rico, ou de desejar oprimir aos pobres, porque ricos são malvadões... Toda esta incessante vitimologia, assim como a falácia do 'bom selvagem' são bem tipificadas por este vídeo... 

Isso não implica em não fazer nada, mas sim em entender que estamos assim por razões naturais, e não maquiavélicas... Embora existam pessoas maquiavélicas... A aleatoriedade joga um papel muito mais forte em nossas vidas do que imaginamos, e este é outro lado da mesma estória dentro da História... E o meu comentário trata apenas de alertar que: 'antes de empunhar bandeiras, e enquanto manifesta a sua indignação, procure entender como a vida e o homem realmente funcionam'... Posso ajudar dizendo que o livre-arbítrio é uma falácia - assim como o determinismo um mito -, não existem almas, nem a vida eterna, o universo não é moral em nenhuma de suas instâncias, e não somos a imagem e semelhança de nenhum entre os quase dois mil deuses - alucinados pela saga humana... 

Carolina, não podemos escolher o que as pessoas querem ou de que precisam, mas podemos limitar os seus direitos - até certo ponto... Mas precisaremos antes entender como isso se manifesta, geneticamente, neurofisiologicamente, evolutivamente, e só assim poderemos ajustar os nossos acordos sociais e leis para viver melhor coletivamente... Mas a liberdade sempre será um atributo essencial, enquanto humanos - troppo umanos... Liberdade para ambicionar, enriquecer, lutar, ou mesmo alucinar... O que precisamos é disponibilizar o conhecimento, educar melhor, para que melhores escolhas sejam procedidas, por cada ser humano errante como nós... O aparente controle sobre a nossa condição, não é mais do que aparente... 

Só podemos suscitar a reflexão, e fazer a nossa parte, felizes por dispor de alguma ou muita lucidez... Sendo essa, ao que tudo indica, a tendência da maioria... Mas muitas vezes duvido deste ponto em particular, e minhas pernas chegam a tremer... E se estivermos sentenciados pela alucinação??? Parece que não, e a maior prova disso é que estamos melhorando em todos os aspectos que denotam adaptabilidade, saúde, solidariedade, paz... Basta que alguns crentes ensandecidos entendam o valor de usar 'camisinha', rsrsrsrs, ou outro método anti-conceptivo, para continuarem desfrutando das delícias do sexo, que caminharemos de forma mais tranquila... Mas esta problemática também é de certa forma inata... O fervor é inato, a causa é cultural... Muito embora a super-população é uma flagrante prova de nossa vigorosa adaptabilidade ao planeta - até aqui... Atingimos o cume deste processo, e agora, o que virá??? Menos discursos e mais conhecimento poderão responder à esta questão... 

Carlos Sherman

Nenhum comentário:

Postar um comentário