Pesquisar este blog

domingo, 17 de fevereiro de 2013

Sobre obsessão, coragem e empatia...




Um amigo publicou um vídeo contendo uma breve conversação entre Dawkins e Hawking, onde entre tantos assuntos pertinentes, Hawking preferiu arremeter para outra esfera, a política, disparando:

"Por que você está tão OBCECADO com deus?"

Um momento muito infeliz de Hawking... Agradeci o vídeo e argumentei sobre a minha acentuada contrariedade:

Thank you brother, but.... in fact, I think that this conversation was quite unreasonable... And why:

Esta malfadada entrevista, suscita uma questão crucial: a compatibilização entre a personalidade que pensa, e seus argumentos... Um cientista pode estar enfurnado em sua pesquisa de ponta, e munido no necessário ceticismo, embrenhado em sua picada em meio à vastidão do cosmos, mas - com o perdão da palavra - cagando solenemente para a humanidade que o cerca... Pode, como presumo ser a condição de Hawking, estar tão obcecado em sua busca, mas ao mesmo tempo tão apartado da humanidade em sua inédita condição e mobilidade, que de sua redoma não seja possível considerar o impacto que as crendices - que decrescem de forma acelerada - tem sobre o destino da humanidade... 

E ainda assim, por uma questão de personalidade, pode estar imerso em raciocínio lógico e matemático, sem dispor - por exemplo - do necessário aparato neurofisiológico e bioquímico, para destacá-lo também pela empatia, altruísmo ou mesmo pela coragem... Obstinação e coragem são temos distintos... E o que seria de Darwin sem Huxley? 

Enquanto Hawking foca em sua busca, alheio ao mundo que o cerca - em termos de humanidade -, as fronteiras da ignorância, da discriminação, do sobrenatural, avançam... Fronteiras estas que já foram mais proeminentes, marchando sobre a vida de cientistas como ele, sobre homossexuais, sobre infiéis, promovendo o sacrifício humano e de animais... A posição de Hawking não merece o meu respeito, quando questiona: 'por que você está tão OBCECADO com deus?'... Na verdade gostaria de devolver a questão: 'Por que você se importa tão pouco com os demais, e está tão ensimesmado apenas em seu quinhão de fronteira intelectual? Se não podemos servir como legado, ampliando as fronteiras da verdade e da razão para que tantos bilhões de dólares empenhados em suas pesquisas? Para o seu sucesso pessoal? Para o Nobel Prize? Para apoiar os seus projetos pessoais? Qual a utilidade do que faz para o bem da ciência, se não puder servir ao bem da humanidade? Por que não devemos nos preocupar com delírios que mataram cientistas, impediram o livre pensamento e evocaram a completa submissão, silenciando pela morte ou pelo medo??? Esta é a questão... 

Sempre considerei Hawking compromissado com seus estudos, e descompromissado com a humanidade... Esta questão se tornou ainda mais clara, neste curto e infeliz debate... Afinal, decorre de sua personalidade e condição, e não posso culpá-lo... Mas posso constatar que o conhecimento que dispõe não vem embalado pela coragem de dizer a verdade, pela coragem de lutar contra a opressão exercida hoje e sempre pela ignorância... Hawking trabalha para si, e desconhece a importância de seu legado para a humanidade... Hawking pode contribuir, com o seu exemplo de obstinação, para levar muitos mais a tornarem-se CIENTES, a tomarem CIÊNCIA, de como o Universo realmente 'é'; ou pelo menos ajudar a elucidar como ele certamente 'não é'... Decepcionante... Deveras...

Carlos Sherman

Nenhum comentário:

Postar um comentário