Pesquisar este blog

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

Vita, vitam mirabilem...




Publiquei um vídeo sobre a saúde no planeta nos últimos 200 anos, com os dizeres:

Desde o Paleolítico Superior, passando pelos tempos bíblicos até o fim da Idade Média, amargamos uma expectativa de vida média entre 30 e 40 anos... Em pouco mais de duzentos anos, a ciência duplicou esta expectativa - que ainda é maior em países mais avançados e maior grau de instrução... Diminuímos, no mesmo período, em 40 vezes a mortalidade infantil... Pensem sobre isso...

Hans Rosling's 200 Countries, 200 Years, 4 Minutes - The Joy of Stats - ...
ethosproject.blogspot.com

Um amigo então deixou o seguinte questionamento:

"Não encare como uma provocação, é uma pergunta filosófica: Qual a vantagem em se viver mais?"

Respondi com prazer:

Rsrsrsrsrs... Não meu amigo, esta é uma pergunta sofismática e não filosófica, e explicarei este ponto mais adiante ... Somos seres vivos, e naturalmente, à menos que haja algum distúrbio neural, fazemos de tudo para nos manter vivos... O propósito da vida é viver e viver da melhor forma possível... Cada um sabe a 'dor e a delícia de ser o que é'... Viver é o propósito, e estamos fadados a isso... Você certamente fará de tudo para sair e chegar intacto à sua residência... 

Adoro viver, e nem preciso de um motivo moral para isso... É possível gostar de viver, asseguro, e nunca será o bastante pra mim... Mas foi e pode ser uma tormenta para outros, poucos... Viver é o 'default' para todos os seres vivos, de bactérias à homens... A nossa capacidade de abstração complicou um pouco as coisas, e projetou ilusões de uma 'além vida', que na realidade o nosso Sistema Límbico não engole... Queremos viver... 

Curiosamente, este tipo de questão só poderia partir de uma posição 'crente', afinal, viver não é o bastante, e é necessário inventar uma vida após o fim da vida... E se acreditassem de fato nisso, e entendessem o conceito de eternidade, por que desperdiçariam a epifania da 'verdadeira vida', a vida além da vida, neste átimo de sofrimento na Terra? Por que não partem já e à galope? Porque ninguém crê nisso de fato... 

Mas o ponto importante aqui não é esse, e refiro-me ao vídeo... Trata-se, este e outros trabalhos, de demonstrar mais uma vez, e cabalmente, a relação direta entre PIB per capita e expectativa de vida, e demonstrando ainda que 'quanto mais descrente um país, mais próspero', ou 'quanto mais próspero menos crente', e não o contrário... Aliado a isso, outros estudo corroboram, sem espaço para contradições, que prosperidade financeira - PIB per capita -, grau de instrução, descrença, estão alinhados com solidariedade, maior expectativa de vida, maior respeito às liberdades individuais, menores taxas de mortalidade ao nascer, menos violência e desigualdades... 

Pergunte ao seu pai, 'qual é o problema se eu, seu filho querido, morrer hoje ou daqui a 50 anos'? Talvez você possa responder à esta pergunta algum dia, quando passar os olhos pelo seu lar, e considerar o carinho que sente por sua família... Não consigo sequer considerar a possibilidade de perder o meu cãozinho... Mas tudo isso só faz realmente sentido em face da REALIDADE... Em um mundo real, finito, nos apegamos muito mais à vida, e não o contrário... Lutamos por ela, e não estamos dispostos a desperdiçar esta possibilidade tão remota da estatística do vir a ser - a existir... E se lutamos por nossas vidas, também estamos aparelhados - uns mais do que outros - para lutar pela vida dos demais, em um fenômeno muito humano conhecido por 'empatia'... 

Não é por acaso que os maiores gestos de solidariedade do planeta estão nas mãos de descrentes, que apenas sentem emoção e empatia por outros que navegam a mesma nau, e sem podium de chegada... Humanos, como você e eu, troppo umanos... Uma dica: diante de seus próprios dilemas, busque a refutação, a contradição, e somente siga em frente com aqueles dilemas que passaram por seu próprio crivo, e só assim parecerá convincente... Submeta a sua própria 'pensabilidade' ao escrutínio da razão... Vivo alertando que, o seu poder dialético não significa absolutamente nada, se a proposição que defende não estiver fundamentada por sua própria experiência... E de fato você se preocupa - e muito - com a sua vida, com a sua imagem, competindo, ganhando, provando isso e aquilo, e isto significa até mesmo que você superestima sua própria vida, e sendo assim, sua questão não foi filosófica, e não se trata de um dilema filosófico real, e seu... 

Mesmo assim, o seu questionamento, e que adorei responder, e respondi com a minha experiência e inabalável sinceridade, foi instigante... Não se preocupe comigo, rsrsrsrs, não voltarei a esbravejar e soltar a franga, rsrsrsrs... Se escutar alguma tolice, irei apenas 'entre-rir', ignorar, e deixar passar... Afinal, rsrsrsrs, você ainda é só um garoto... Se pudesse entender sobre a 'integridade intelectual', de fato, faria misérias com a sua maravilhosa e improvável possibilidade de estar vivo... Costumo chamar esta improvável possibilidade de 'hiato de minha inexistência', somente para suavizar na hora de fechar as cortinas... 

Vita, vitam mirabilem...

Carlos Sherman

Nenhum comentário:

Postar um comentário