Pesquisar este blog

segunda-feira, 18 de março de 2013

'FRANKaMENTE'...





[...] 'Frank Jaava', lamento dizer, mas se dedicou tanto tempo assim à Psicanálise, mestrado, doutorado, se faz mister rever sua posição com presteza, para que mais tempo não seja desperdiçado... Costumo curtir vossas publicações, mas neste caso acho que o post demonstrou desconhecimento, dissimulação em relação ao tema, com lapsos de falácias retóricas como o 'tu quote', efeito forer, e excessiva contemporização, para evitar a confrontação objetiva... Afinal, em 2013, 'Freud é fróida'... Recomendo a leitura de Oliver Sacks, Pinker, Kandel, Damásio, Dennett, Bloom, e claro, Michel Onfray, etc e tal...



[...] Com o perdão da discordância, não foi Popper o primeiro, nem o último, e nem o mais importante crítico da Psicanálise... A Psicanálise jamais corroborou cientificamente nenhuma de suas teorias... Jamais... A auto-análise freudiana mais se assemelha à uma iluminação budista... E ao contrário... A Psicanálise não existe sem a autoridade de Freud, e sem a devida conversão à crença em Freud... Os fundamentos da Psicanálise não foram científicos, e sim resultado inequívoco de mero constructo...

[...] Jung sai disparando contra Freud, e alardeando sobre a sua completa dissociação com a ciência, quando do famoso rompimento... E vale lembrar que ele comete o mesmo erro na piada da 'invenção' do inconsciente coletivo... O fato de você tenha escrito e estudado sobre a Psicanálise, não implica em que seja ciência, e muito menos que enderece a verdade...

[...] Na verdade Freud sempre esteve à caça de notoriedade, primeiro por meio da cocaína, e depois sobre os pressupostos de Brauer... Poderíamos ficar aqui durante horas e horas exemplificando a completa dissociação da Psicanálise da prática científica... Mas o tempo não urge, o tempo 'ruge', e sendo assim por que perder tempo com a Psicanálise se TODAS as respeitáveis universidades do mundo abandonaram por completo a Psicanálise... TODAS... 

[...] Paul Bloom, em sua aula sobre Freud, em Introdução à Psicologia em Yale, além de ironizar o freudianismo, esclarece: 'Você não encontrará Freud no curso de Psicologia... talvez encontre na Sociologia, Filosofia ou Literatura'... Freud foi apenas um homem ambicioso, um excelente contador de histórias - como Marx -, e sem medir esforços, passando por cima do decoro e de todos os escrúpulos, para deixar o seu 'busto' na História... Freud mirou em fama e projeção histórica...  Vazio de seus fundamentos, a completa falta de evidências científicas, nos obrigam as estudar 'quem' foi Freud, e neste sentido a sua correspondência é mais do que reveladora... Não se trata de um ataque Ad hominem, e sim a tentativa de conhecer a mente por trás do dogma...

[...] Para citar Camus - que mira no marxismo mas acerto no freudismo: "Contar-se-ão nos dedos da mão, os comunistas que chegaram à Revolução pelo estudo do marxismo... Convertem-se primeiro e só depois leem as Escrituras..." - Albert Camus (O Homem Revoltado - L´homme révolté)

[...] E Sagan compara a Psicanálise com a Religião: Podemos rezar pela vítima de cólera, ou podemos lhe dar quinhentos miligramas de tetraciclina a cada doze horas. (Ainda existe uma religião, a ciência cristã, que nega a teoria que atribui as doenças a micróbios; se a oração não produz efeito, o fiel prefere que os filhos morram a lhes dar antibióticos.) Podemos tentar a quase inútil terapia psicanalítica pela fala com o paciente esquizofrênico, ou podemos lhe dar trezentos a quinhentos miligramas de clazepina. Os tratamentos científicos são centenas ou milhares de vezes mais eficazes do que os alternativos. (E, mesmo quando os alternativos parecem funcionar, não sabemos realmente se desempenharam algum papel: melhoras espontâneas, até de cólera e esquizofrenia, podem ocorrer sem rezas e sem psicanálise.) Renunciar à ciência significa abandonar muito mais do que o ar-condicionado, o toca-disco CD, os secadores de cabelo e os carros velozes.” - Carl Sagan, O Mundo Assombrado pelos Demônios

[...] Além de solipsismos articulados, qual são os expedientes e experimentos realizados por Freud??? Qual o método, a amostragem??? Freud não "errou umas e acertou outras", como disseram em defesa de seu vídeo, 'Freud errou em rigorosamente tudo'.. Das fundações ao acabamento, o edifício da Psicanálise não é nada senão nuvem de fumaça... Freud é sim uma fraude... E o que, com muito boa vontade, e inevitável desvio de confirmação, parece acerto freudiano, é na verdade obra da obviedade - obviedade e conceitos quem o precede... E a mente humana não é um jogo de tentativa e erro.. E é exatamente pela falta de método que Freud deu no que deu... Uma vergonha na História do Estudo da Psiquê Humana... A corporação freudiana é outra estória dentro da História, mas o adjetivo deve ser o mesmo: vergonha... Homens que disponham de conhecimento e integridade, não podem esconder este fato... Não impunemente...

[...] Em função da clara intenção de dolo, expressa em sua correspondência, os postulados freudianos são claramente objeto de fraudes e obra de charlatanismo.. Um episódio grotesco em nossa História... Vide 'atenção flutuantes', mães geladeiras, enjoo na gravidez, complexo de Édipo, On Coca, etc... Silenciosamente, a Ciência da Mente, a Neurociência, a Genética, a Etologia, a Psicologia, já exumaram o corpo e caçaram o diploma de Freud... 


[...] Freud erra em absolutamente tudo, na estrutura da Psiquê, na existência do Ego, Id, Superego, nas fases do desenvolvimento, no diagnóstico e no prognóstico... Afinal, como mostra a sua reveladora correspondência, acreditava em astrologia, numerologia, telepatia, e estava sedento por SUCESSO, mais do que por comprovação de suas bizarras hipóteses... O que subsiste é um terrível corporativismo em torno da Psicanálise... E mais, a Neurociência ignora completamente o freudismo... TODAS as respeitáveis universidades do mundo abandonaram por completo a Psicanálise, repito... 100% delas, e sem direito a sursis... Países estranhamente 'freudistas' como a Argentina e a França, por razões históricas, lideram a cruzada em defesa do autor e messias...

[...] Talvez o equivalente corporativo psicanalítico do papado, esteja bem representado na patética figura de Elizabeth Roudinesco... Roudinesco demonstra cabalmente porque o 'freudismo' não é Ciência: "A avaliação dita 'experimental' dos resultados terapêuticos, não tem valor na psicanálise, ela reduz sempre a alma a uma coisa"... Coisa, para explicar a 'crença' de Roudinesco, é o CÉREBRO HUMANO... Nada Neurologicamente falando, nas últimas décadas, e quando o entendimento da psiquê humana avançou mais do que em toda a história - segundo Eric Kandel, Prêmio Nobel Medicina/Fisiologia - indica que exista a necessidade de 'almas', ou causas metafísicas para a consciência eo processamento neural...

[...] Deixemos que LACAN apresente sua versão dos fatos, em conferência proferida em Bruxelas em 26 de Fevereiro de 1977, transcrita na íntegra pela revista Le Nouvel Observator, no. 880, de Setembro de 1981, p.88: "Nossa prática é uma trapaça, blefar, fazer as pessoas pestanejarem, impressioná-las com palavras astuciosas, é de qualquer forma o que se costuma chamar de engodo. [...] Do ponto de vista ético, nossa profissão é insustentável; é, aliás, justamente por isso que eu fico doente só de pensar nela, porque eu tenho um supereu como todo mundo. [...] Trata-se de saber se Freud é ou não um acontecimento histórico. Acredito que ele fracassou no seu golpe. É como eu; em muito pouco tempo ninguém mais se importará com a psicanálise." - Jacques-Marie Émile Lacan


[...] Durante a apresentação de Michael Onfray no último 'Fronteiras do Pensamento' em São Paulo, o evento mais importante do país em termos de CONHECIMENTO em suas diversas disciplinas, assisti pessoalmente à uma turba de 'freudianistas', inconformados com os fatos trazidos à baila por Onfray, e fazendo piquete, gritando, xingando, durante a apresentação do Filósofo, fundador da Universidade Livre da França, e autor... Tal atitude só encontra paridade no fanatismo religioso... Quem dispõe de argumentos não apela à eloquência e à violência... Onfray escreveu o irrefutável: 'O Crepúsculo de um ídolo, A fábula freudiana'... Ainda não disponível em português... E tem enfrentado com sobras, seus opositores 'freudianos'... Triste destino...

[...] Costumo usar exemplos bíblicos contra apologetas bíblicos, e nada melhor do que citar as 'escrituras' freudianas para combater a crendice freudiana... Confira em Técnicas Psicanalíticas Vol. X, sobre 'Atenção Flutuante'... Explicando ao leigo que trata-se da nobre 'técnica psicanalítica', de proceder a terapia enquanto o terapeuta está literalmente dormindo - e até babando... O cliente tem a liberdade de também puxar um ronco, ou se quiser pode seguir falando, ou não, afinal as suas mentes estarão em sintonia por telepatia...

[...] Tudo isso é ridículo, comportamento irresponsável, ou incompetente, ou corporativista, insistindo em uma prática de curanderismo pseudo-cientifico... E muito me chama a atenção, a alusão, embora sutil, de que a Psicologia 'Evolucionista' trataria de pressupostos não científicos, quando na VERDADE, e enfocando o planeta Terra, se algo subsiste de sério na Psicologia Moderna, advém de forma consagrada da Psicologia 'Evolucionista' - e não Evolutiva - e Comportamental...


[...] A tentativa de refutar ou enfraquecer o conceito popperiano de validação pela 'refutabilidade', comparando Astrologia e Psicanálise, é pouco honesta... E o truque fica evidente... E mesmo assim, e seguindo a falácia, a maior diferença entre Astrologia e Psicanálise recai na suposta erudição e linguagem empolada, e na estória contata, pela segunda seita... Mas 'sim', Astrologia e Psicanálise tem muito mais em comum do que Neurociência e Psicanálise, por exemplo... Uma imbecilidade bem estruturada continua sendo uma imbecilidade... E você insiste na 'concepção popperiana', quando Freud afronta, lato sensu, o Método Científico... Sem concepção nenhuma...


[...] E você quando diz que "não é porque algo não é científico, que não tem nenhum valor", stricto sensu, desqualifica a capacidade para avaliar o enunciado em questão, i.e., avaliar se a Psicanálise é uma Ciência... Não estamos tratando de juízo de valor, ou opiniões, ou achologismos, supostamente você está desenvolvendo um raciocínio científico sobre o tema, o validando a pertinência científica da Psicanálise... Mas refuto, e devo refutar, em defesa da argumentação séria e fundamentada, afinal, ser 'científico' é tão e somente estar 'evidenciado por provas e fatos'... Lembrando que, para efeito de um debate, tudo o que pode ser assumido sem provas, pode e deve ser descartado sem provas... 

[...] Você segue dizendo que se enunciados não suportados por fatos não tem valor, então "você pode simplesmente pegar a filosofia e jogar fora"... E devo concordar com você, que boa parte da Filosofia deve ser jogada fora... Sem medo de ser feliz... Uma enormidade do corpus da Filosofia não passa de mero constructo, sustentado apenas pela autoridade do contator da história... E sim, a filosofia após o Círculo de Viena estanca por um lado, e se especializa e se converte na corrente teórica de diversas disciplinas científicas, por outro... A Filosofia dita 'pura', tem um severo paradigma a enfrentar, justificar sua utilidade... E podemos constatar, analisando os trabalhos de mestrado e doutorado na USP, UFSCar, UnB, que insistem na releitura dos clássicos, que a dita 'Filosofia' acadêmica brasileira vive de forma medíocre e andando lentamente em círculos...

[...] E você insiste uma vez mais, em defesa da validez do que não é científico, alegando que "o espaço de teorização e levantamento de hipóteses é fundamental", ao que anuo, refutando apenas que para isso devamos partir do NADA... Sobre o processo criativo, intuitivo, ou a problematizações de hipóteses, não podemos esquecer que partimos de evidências e observações da realidade... Mesmo quando inciamos um processo de livre reflexão, ainda assim precisaremos partir de EVIDÊNCIAS... E evidências também requerem qualificação... O solipsismo, a experiência pessoal, a iluminação, o evento messiânico auto-analítico de Freud, não constitui SEQUER evidência plausível para investigação... Trata-se portanto de mera achologia, e insisto... A dita revelação auto-analítica de Freud não serve como hipótese, nem os seus insights como evidências, pelo simples fato de que não forma minimamente qualificados... Ver sua mãe de sutiã não é o suficiente como um induto de 'teorização' aceitável... Mesmo a teorização deve estar regida pela lucidez, pelo tempo a perder, pela utilidade, pela PLAUSIBILIDADE... 


[...] "Há um século, Sigmundo Freud [...] , 'acreditava' que por trás de cada caso de histeria havia uma lembrança reprimida de abuso sexual na infância. Mas acabou mudando a sua 'explicação', para afirmar que a histeria é causada por FANTASIAS - nem todas desagradáveis - de ter sofrido abuso sexual quando criança. O peso da culpa foi então transferido por Freud do pai e a da mãe para a criança. [...] A razão para Freud ter 'mudado de ideia' ainda está em discussão - as explicações vão desde ele ter provocado escândalo entre seus colegas vienenses do sexo masculino de meio idade, até TER LEVADO MUITO À SÉRIO AS HISTÓRIAS DOS HISTÉRICOS." - Carl Sagan, Um Mundo Assombrado por Demônios, p. 157...

[...] "Um paralelo assustador com a caça as bruxas na Idade Média é o 'resgate de memórias'. Memórias resgatadas são supostas memórias de abuso sexual na infância, reprimidas pelas vítimas, mas lembradas décadas depois pelo uso de técnicas psicanalíticas 'especiais', como pergunta sugestivas, hipinose, regressão de idade por meio de hipnose, visualização, drogas, interpretação dos sonhos. [...] Ausentes no início da terapia, as memórias de abuso sexual na infância são logo criadas por meio de semanas e meses de aplicação de tais 'técnicas terapêuticas especiais'. Então aparecem os nomes - pai, mãe, avô, tio, irmão, amigos do pai e assim por diante. A seguir vem a confrontação com o acusado. O resultado são famílias destruídas (ver Hochman, 1993). [...] O escritor Richard Webster em seu fascinante 'FREUD ESTAVA ERRADO. POR QUÊ?' (Campo das Letras, 2002), [...]" - Michael Shermer, 'Porque as pessoas acreditam em coisas estranhas', p.138,139...

[...] ‎"O comentário social contemporâneo fundamenta-se em concepções arcaicas da mente. Vítimas explodem sob pressão, os meninos são condicionados a fazer isto, as mulheres sofrem lavagem cerebral para valorizar aquilo, as meninas são ensinadas a serem de tal e tal modo. De onde vêm essas explicações? DO MODELO HIDRÁULICO OITOCENTISTA DE FREUD, dos cães salivando e ratos apertadores de botões do behaviorismo, das tramas para controlar a mente nos filmes de segunda categoria da época da Guerra Fria, dos filhos ingênuos e obedientes de 'Papai Sabe-Tudo'" - Steven Pinker, Como a Mente Funciona, p.65...


[...] Fico chocado com o fato e a ousadia de Freud em ambicionar deslindar sozinho a psiquê humana desprezando - 'em seu modelo hidráulico' - a Genética, a Neurologia, toda a Bioquímica do Corpo, a Fisiologia, a Endocrinologia, e mesmo o conhecimento Psicológico anterior e paralelo ao seu reinado... Só por isso mereceria toda a atenção crítica... O grande Lamarck, em dado momento, se equivocou; mas Freud mentiu, enganou e trapaceou... Trata-se pois, e comprovadamente, de delírio seguido de trapaça, fraude e charlatanismo... Caso de internação ou de polícia, o que, lato sensu, tanto faz...

Inventamos a Ciência para testar a LUCIDEZ...

E tenho dito...

Favor conferir o link: Freud ou Fraude?


Carlos Sherman

Nenhum comentário:

Postar um comentário