Pesquisar este blog

terça-feira, 16 de abril de 2013

Descartes e a Glândula Pineal...




A Filosofia tem se dedicado com afinco à eterna releitura dos ditos 'clássicos', como por exemplo: Descartes; e que já foram  absorvidos, mas também longamente refutados... E o faz com  rigor eclesiástico, e quase cirúrgico... Mas não empenha esforços em verificar 'pragmaticamente' a validez de alguns dos seus mais importantes postulados, e a pertinência destes postulados com a matéria em questão, como no caso da 'alma', e sua localização na 'Glândula Pineal'... Notem que Descartes trata de versar sobre  anatomia e neurologia, em seu devaneio sobrenatural... Sendo assim, e se tais postulados invadem outras disciplinas, se faz mister confrontar tais 'alegações' com provas e com a realidade... REALIDADE... Não podemos seguir ensinando o 'erro' - ou o s erros - de Descartes, sem orientar sobre a sua plena impertinência... As disciplinas específica já refutaram a existência, e a necessidade de existência, da dita 'alma'... Descartes tentou elevar o conceito de alma à categoria de constantação científica, alimentando séculos de crendices... Isso precisa ser dito e ensinado, para que estudantes de filosofia não cometam os mesmos erros sobre a 'pensabilidade', e entendam toda a sorte de problemas e ilusões às quais está exposta a mente humana... 

Filósofos, a GLANDULA PINEAL controla os ciclos circadianos [sono, sexo, reprodução]... Tudo isso, e só isso... O comportamento humano não precisa de almas para ser explicado, assim como o universo não precisa de deuses...

E tenho dito...

Carlos Sherman

Nenhum comentário:

Postar um comentário