Pesquisar este blog

domingo, 14 de abril de 2013

O truque de vilipendiar a razão...



Vilipendiar a razão e relativizar a realidade, é o último recurso de quem insiste em negligenciar o estudo da Natureza Humana - através da Fisiologia Humana, da Neurociência Cognitiva, da Genética, da Etologia, da Biologia Molecular, da Arqueologia e da Antropologia -, o conhecimento disponível sobre a Consciência Humana e a Consciência da Humanidade, assim como negar a percepção da REALIDADE, através da Física, Química, e Ciências correlatas...

Não, o homem não é produto do meio... Sim, em grande medida o homem é resultante inequívoco de sua natureza, sua genética, sua neurofisiologia - o que perfaz a sua consciência da realidade... Sim, existe uma realidade 'irrelativizável'... 

Qualquer proposição filosófica, política ou sociológica, não será boa o bastante de não considerar como ponto de partida a REALIDADE sobre a Natureza Humana, a Consciência Humana, e a Consciência da Humanidade... Estudar a natureza humana é preciso... Estudar a consciência humana e de grupo é pré-requisito para falar sobre o homem individualmente e em grupo...

De pensadores do passado, do Sócrates platônico ao dogmático moralismo aristotélico, da vogal teológica agostiniana a Tomás de Aquino, passando pelas utopias de More e Marx, e pela habilidade falsamente dedutiva de Kant, e pela genuína genialidade 'inconclusa' de Spinoza, um traço comum: o pleno desconhecimento da natureza humana - e da natureza do Universo... Através do último século, e mais especificamente nas últimas décadas, nos embrenhamos na verdade sobre a natureza humana como nunca, e estamos muito próximo de concluir a missão - que de fato jamais será concluída -, de realmente entender com requintes de profundidade e sofisticação, a elegância da vida, e da beleza de ser do homem, e de ser consciente, LÚCIDO E RACIONAL... 

Não podemos 'cogitar' sobre o homem, sem 'cogitar primeiramente', e inescapavelmente sobre a natureza humana... sem estudar sobre o homem, sobre o comportamento humano, sob pena de exercitar o mero constructo baseado em mera autoridade, inconsequente, irresponsável, estéril, e IRREAL...

Carlos Sherman   

Nenhum comentário:

Postar um comentário