Pesquisar este blog

domingo, 7 de abril de 2013

SINE PAX

 Senātus Populusque Rōmānus


(...) Herodes foi um louco, de origem judaica, que assassinou sua própria família e inúmeros rabinos, e pelo temor impingido, e pelo terror praticado, passou à História como 'Herodes O Grande' - o grande 'f.d.p.', ou Magnus Filium Meretricis... Foi famoso por suas construções em Jerusalém, em especial pela reconstrução do Segundo Templo, também chamado de Templo de Herodes... Sua vida e biografia nos foi revelada em riqueza de detalhes pelo grande historiador romano-judaico Flavius Josefos... Mas segundo Josefos, que testemunhou e não poupou detalhes sobre a monstruosidade de Herodes, este NUNCA e nem jamais, ordenou a matança de crianças "até os dois anos de idade" - como relata a bíblia -, e com o fim de executar o personagem 'Cristo' no Anno Domini... Herodes ignora solenemente, assim como todos os registros históricos, a existência de Cristo... Alguns documentos foram falsificados, para tentar infundir a ideia de que Cristo havia sido sequer notado pelo império, mas foram TODAS devidamente investigadas e declaradas vergonhosas fraudes... O infanticídio ordenado por Herodes, trata-se portanto, de apena mais uma sombria e sórdida fábula bíblica... Augustus veio para acabar com a festa de Herodes...

(...) Depois de Augustus, a vaidade, a luxúria e a insanidade tomaram outra proporção... Calígula foi espetacularmente terrível, e abusava de toda a sorte de perversidades, tendo se proclamado um deus, e transformado o palácio em um verdadeiro bordel... Foi assassinado e substituído por seu tio Claudio, que gaguejava, babava, mas era um verdadeiro erudito... Medroso, inseguro, quando do assassinato de Calígula, foi encontrado atrás de uma cortina do palácio, aflito, e quando os soldados o encontraram gritou 'Ave Caesar', a assim se tornou imperador... Claudio por sua vez foi morto pela esposa, que queria ver o filho Nero como imperador... Nero ainda foi capaz de superar a todos em monstruosidades... Nero transava com a mãe, matou a mulher grávida a chutes, depois encontrou um garoto que se parecia com a mulher, castrou o coitado e casou-se com ele... Finalmente ele matou a mãe, sua amante, e que lhe havia dado o trono matando o seu pai 'babão', por ser 'irritante' e criticá-lo constantemente... 

(...) Roma contava 1 milhão de habitantes, e o Império Romano era controlado por Roma, com 59 milhões de habitantes, e cuja importância era desproporcional em relação ao império... Pão e Circo era essencial, assim como o bolsa família e a Copa do Mundo no governo Lula, rsrsrsr... A Las Vegas Romana era o Colosseum, com lutas de gladiadores, assassinato de inocentes e animais, corridas de bigas e até batalhas navais... Nero foi o maior entusiasta deste tipo de 'espetáculo'... Ele sempre estava presente, e queria cantar, recitar poemas e interpretar... Nero entrava para 'lutar', mas ele 'tinha que vencer', então as pessoas se deixavam 'matar', ou fingiam que estavam mortas... O 'pão' - grãos - por sua vez vinham de Alexandria no Egito... Um quinto da população recebia rações alimentares de graça, sendo pois alimentadas pelo estado... O vasto império era administrado por apenas 10.000 burocratas, e um número reduzido de oficiais locais, espalhados pelo império... Roma era muito eficiente em administrar o império, fazendo alianças com as elites locais... Alexandria provia vinho, azeite, peixe, e também produtos indianos, como pimenta, especiarias, seda... Tudo isso era pago com impostos... O administrador romano era na verdade um diplomata, e as forças armadas eram a 'garantia'... Havia um interesse de gozar do status de ser um cidadão romano... A cidadania romana era uma opção... Assim como servir o império... Mas a irônica verdade sobre o império, era de que quanto mais distante estivesse um romano de Roma, menos intoxicado estaria pelo império, e poderia gozar com mais facilidade os benefícios da PAX ROMANA... Isso porque estariam protegidos militarmente, mas sem a toxidade política e de aparências, sustentada em Roma; seus conchaves, assassinatos, traições, sem fim... 

Carlos Sherman

Nenhum comentário:

Postar um comentário