Pesquisar este blog

segunda-feira, 21 de outubro de 2013

Mais sobre 'tornar-se ciente pela prova'...



O Brasil, ou melhor, um brasileiro, ou seria mais correto dizer ‘um ex-brasileiro’, foi agraciado com ‘um’ Prêmio Nobel... Peter Brian Medawar nasceu brasileiro, em Petrópolis, em 28 de fevereiro de 1915; mas morreu em Londres, em 2 de outubro de 1987, como britânico... Medawar foi excepcional por muitos motivos, e seu talento foi reconhecido com o Nobel de Fisiologia/Medicina em 1960, por pesquisas relacionadas ao sistema imunológico nos animais....
 Com a Segunda Grande Guerra, e o salto tecnológico em armamentos, os horrores foram sentidos no aumento alarmante de vítimas com queimaduras graves... A descoberta da penicilina, em 1928, por Alexander Fleming - Nobel em 1945 - os antibióticos passaram à linha de frente no combate às infecções, aliviando o ‘sofrimento humano’... Peter Medawar trabalhou com assistente de Fleming, tendo um papel decisivo em seu trabalho...
A perda da nacionalidade brasileira decorreu de uma intransigência do então ministro da Guerra, General Eurico Gaspar Dutra, em função do serviço militar obrigatório... Medawar serviria melhor à humanidade em Oxford, onde cursou zoologia, dedicando-se à questão dos enxertos de pele, cujos resultados mostravam claramente que auto-enxertos eram bem tolerados pelo organismo, em detrimento de aloenxertos... Medawar foi um grande cientista, e outro gigante da humanidade – e ex-brasileiro...
Neste contexto, Medawar deixa o seu recado:

[...] uma concepção imaginativa do que poderia ser verdade é o ponto de partida de todas as grandes descobertas científicas.

Isso é verdadeiro, mesmo quando podemos ‘falsear’ ou refutar um argumento, uma premissa, ou todo o enunciado... É disso que se tratar ‘fazer Ciência’: torner-se ciente pela prova – ou partir pra outra...

O vigoroso e genial físico Richard Feynman (1918-1988) - ganhador do Nobel em 165, o ano em que nasci – explica que:

Um princípio de pensamento científico corresponde a uma espécie de honestidade incondicional [...]

É esta honestidade incondicional ou ética, que reside no ceticismo científico, que confronta a vacuidade de crer... Isso porque as crenças se baseiam apenas na caprichosa, débil ou vã vontade de acreditar... Não se pode, de forma alguma, comparar as atitudes de 'tomar ciência ou tornar-se ciente' - da verdade -, com reconfirmar velhas ou novas convicções - crentes... Não se pode usar como desculpa a falibilidade assumida da ciência, para validar crenças... Uma verdade científica tem um prazo de validade e um universo de aplicação demarcado, assumidamente, e será sempre revisada, sendo esta a sua maior fortaleza - e não o contrário...
Ouçam Charles Darwin:

Falsos fatos são altamente prejudiciais ao progresso da ciência, pois muitas vezes resistem durante muito tempo; mas falsas hipóteses causam pequenos danos, já que todo mundo sente um salutar prazer em provar sua falsidade; e, quando isso acontece, um caminho para o erro é fechado e, ao mesmo tempo e freqüentemente, é aberta a estrada para a verdade.

Nas palavras de Ramachandra (‘Fantasmas no Cérebro’; 2010):

Que fantástico privilégio será para nossa geração — e a dos nossos filhos — testemunhar o que acredito que será a maior revolução na história da espécie humana: entender a nós mesmos. A perspectiva de fazê-lo é ao mesmo tempo aninadora e inquietante. Há algo distintamente singular acerca de um primata neóteno de pele lisa que evoluiu para uma espécie que pode olhar por cima do ombro e fazer perguntas sobre suas origens. E, mais singular ainda, o cérebro pode não só descobrir como outros cérebros funcionam, mas também fazer perguntas sobre sua própria existência: Quem sou eu? O que acontece depois da morte? Minha mente nasce exclusivamente dos neurônios em meu cérebro? É a peculiar qualidade recorrente destas perguntas – à medida que o cérebro luta para entender a si próprio, que torna a Neurologia Fascinante.
ENDERECEMOS A VERDADE... EXISTEM GRADAÇÕES DE ERROS, MAS NÃO PODEMOS INVOCAR A IRRESPONSÁVEL E CÍNICA 'RELATIVIZAÇÃO DO ERRO', COM O OBJETIVO DE IMPEDIR QUE A HUMANIDADE TRILHE MELHORES CAMINHOS EM DIREÇÃO AO FUTURO... CUIDEMOS DO PRESENTE, DESMASCAREMOS OS FALSOS PROFETAS... RESUMAMO-NOS À NOSSA CONDIÇÃO MARAVILHOSAMENTE IMPERFEITA, FRÁGIL, EMBORA EXCEPCIONAL... SOMOS A MEMÓRIA DO UNIVERSO...

Carlos Sherman
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário