Pesquisar este blog

quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

Ronconi e o suposto 'Fundamentalismo Cientificista'



"SOMOS AVATARES DA ESTUPIDEZ PASSADA." - Fernando Pessoa

Uns mais do que outros...

---------------------------

Do Objeto:

Escrevi uma resenha, endossando a posição do amigo, pensador e psicólogo Thales Coutinho, quando este refutava um artigo conclamado religiosos e filósofos a contraporem o que chamavam de ‘fundamentalismo cientificista’... O Thales assim resumiu sua posição:

“A ciência deve se opor à ignorância dos filósofos.”

‘Sim’, concordei, diante do OBJETO:

É a Ciência quem deve demonstrar e expor as contradições filosóficas e religiosas, e não o contrário...

Abria a minha retórica com o aforismo do filósofo, escritor e poeta francês Paul Valéry:

“A Filosofia não consistiria afinal em fingir ignorar o que se sabe e saber o que se ignora? Ela duvida da existência, mas fala seriamente do ‘Universo’.” - Paul Valéry (‘O Homem e a Concha’)

E passei a ‘demonstrar’ e sustentar tal corolário, que trato de resumir:

(1) Existem pensadores genuínos e ‘achólogos’: O homem começou a tatear 'significativamente' em busca de conhecimento sobre a REALIDADE há cerca de 5.000 anos, tendo um forte ponto de inflexão na dita Antiguidade Clássica Grega... Lembrando, primeiramente, que 'Ciência' é uma derivação latina para o conceito de CONHECIMENTO, e lembrando que existe o conhecimento antigo e o conhecimento ERRADO... Mesmo na famigerada Antiguidade Clássica, convivemos com verdadeiros pensadores, portanto filósofos, como Leucipo, Demócrito, Aristarco, Epicuro, e com meros 'achologistas' como Platão e Aristóteles; Não trato de execrar TODA a FILOSOFIA, mas trato de criticar alguns dos pensadores da Antiguidade Clássica Grega;

(2) Autoridade versus Pensabilidade: Sendo que os últimos – Platão e Aristóteles - venceram em popularidade em função de sua AUTORIDADE, ELOQUÊNCIA, EXTENSÃO DA OBRA, e ALINHAMENTO COM DOGMAS DA ÉPOCA;

(3) O Batismo Cristão do pensamento platônico-aristotélico: A dita 'filosofia' platônico-aristotélica, que não passou de mero constructo achológico, foi mais tarde consagrada na pia batismal cristã, e pela força da opressão e do medo atrasou o desenvolvimento da humanidade em 2.000 anos... Al-Ghazzali também teve o seu papel subjugando o pensamento no mundo islâmico... E assim foi... Não defendo aqui que Platão e Aristóteles aprovariam o de seus constructos pela cristandade, mas o fato é que suas ideias se encaixaram muito bem ao ideário cristão da existência de deuses criacionistas, que nos colocam no centro de TUDO, almas, perfeição, inferioridade das mulheres,  e o endosso da escravidão... Tais teses também foram consagradas por Al-Ghazali no mundo islâmico... E assim foi... Santo Agostinho ‘salvaria’ a cristandade do abismo, com suas teses e sofismas ditos ‘filosóficos’, e tal ‘filosofia de catedral’ terminaria por cunhar o conceito de ‘Teologia’... As ideias de Platão e Aristóteles, serviam de base a fundação de uma ‘Filosofia de Deus’... São Tomás de Aquino e Inácio de Loyola, entre outros, se fartariam de constructos platônico-aristotélicos em seus postulados igualmente arbitrários:

“A revelação divina, e não a razão, é a fonte de toda verdade.” – Santo Agostinho

“Sacrificamos o Intelecto a Deus.” – Santo Inácio de Loyola

“Acredito que o branco que eu vejo é negro, se a hierarquia da igreja assim o tiver determinado.” – Santo Inácio de Loyola

“Sou um homem de um só livro.” – São Tomás de Aquino

Não afirmo que Platão e Aristóteles pactuariam com isso, mas afirmo que tais ‘teólogos’ julgaram procedente arbitrar sobre o funcionamento do Universo, com base na liberdade ‘achológica’ com que Platão e Aristóteles postularam em seu tempo...

Aquino vê as mulheres de uma forma bem aristotélica:

"A mulher está em sujeição por causa das leis da natureza, mas é uma escrava somente pelas leis da circunstância... A mulher está submetida ao homem pela fraqueza de seu espírito e de seu corpo... é um ser incompleto, um tipo de homem imperfeito... A mulher é defeituosa e bastarda, pois o princípio ativo da semente masculina tende à produção de homens gerados à sua perfeita semelhança. A geração de uma mulher resulta de defeitos no princípio ativo." - São Tomás de Aquino, Doctor Angelicus (‘Summa Theologica’)

“A natureza só faz mulheres quando não pode fazer homens. A mulher é, portanto, um homem inferior.” - Aristóteles

Trata-se de um arbítrio inaceitável, moral, e que o conhecimento prova ser falso...

E abro um enorme e necessário ‘parêntesis’:
A atitude machista de cunho misógino, esta alicerçada em três ‘dogmas’ ou ‘crenças’:

(A) A desintegração do corpo em favor de uma suposta “alma”;
(B) A utopia da “perfeição’ divinal”;
(C) A ‘superioridade de uns sobre outros’;

Estas são as bases para uma cadeia de mal-entendidos - que remontam a Platão e Aristóteles -, e que culminaram com o desprezo histórico pela mulher:

(A) ‘sem alma’,
(B) ‘imperfeita’,
(C) ‘inferior’...

Tais ‘constructos autoritários’, ditos ‘filosóficos’, são abençoados na pia batismal judaico-cristã-islâmica, como já dito, contribuindo em definir uma ‘teologia misógina’ e total repulsa pelo prazer, também representado na MULHER...

E, sendo a mulher importante fonte de PRAZER, tal repulsa foi exponencializada por esquizofrênicos, epiléticos, e psicóticos, como Moisés, Cristo, Agostinho, Aquino, Maomé, Al Ghazali, Gandhi, entre outros porta-vozes da hipocrisia ‘celibatária’ e do desprezo pela mulher...

A fama de Platão e Aristóteles como expoentes da Antiguidade Clássica e da ‘filosofia’, corre solta... mas já foi desbancada e detonada por autores bem mais credenciados do que eu, como Onfray (‘Contra-História da Filosofia’), Bertrand Russell (1872-1970) e Martin Cohen (‘Casos Filosóficos’) – entre tantos outros; as próprias obras de Platão e a Aristóteles os remete ao ridículo quando vistas com os olhos bem abertos...
Daria para produzir uma enorme enciclopédia de erros e absurdos, somente com postulados platônico-aristotélicos... Aristóteles, por exemplo:

“Declarou equivocadamente que as plantas se reproduzem apenas por relação assexuada e que para humanos o coração era o centro da consciência e que este bate apenas nos peitos masculinos. Afirmou que o lado esquerdo do corpo era mais frio do que o direito e que o cérebro estava ali apenas para esfriar o sangue, embora houvesse um ‘ESPAÇO VAZIO’ atrás da cabeça de todo homem, para a ‘ALMA’ [grifo meu]” – Martin Cohen (‘Casos Filosóficos’; P.40; 2012)

Talvez este “espaço vazio” só existisse na cabeça oca de Aristóteles; e quase todas as asneiras ditas ‘aristotélicas’, já foram varridas da intelectualidade, com exceção dos três princípios que teimam em reduzir a mulher frente ao homem: (A) sem “alma” – seja lá o que isso signifique, (B) “imperfeita” – um conceito platônico-aristotélico (C) e “inferior” – “como os escravos e animais”... Estes postulados vazios são produto da autoridade platônico-aristotélica, e fruto de pensamento obtuso, dogmático, arrogante e autoritário – somente endossado por escroques ignóbeis, como Olavo de Carvalho...

Não existe tal “vazio” atrás da cabeça, e não existe a tal “alma” - lamento por informar... Ou seja, ‘no final deste filme nós realmente morremos’, afinal nós somos o nosso cérebro... E somos maravilhosamente imperfeitos – não havendo, pois, critérios objetivos que endossem a superioridade de uns sobre outros, e nem do homem sobre a mulher... E também não existe a tal “imperfeição da mulher”, posto que, e em primeiro lugar, não existem parâmetros que definam o que viria a ser PERFEITO – a “perfeição platônica”... Muita dor decorre da busca por tal condição vazia, simplesmente inexistente... E mais, o Universo, a Vida, e o movimento, decorrem da necessária ‘imperfeição’... Somente quando existem ‘diferenças’ é que existe ‘energia’ física [potencial] e movimento [cinética]...

Finalmente, como dito, não existem parâmetros para definir a ‘inferioridade’ de um ser humano sobre outro, e nem entre seres vivos... Tal conceito está intimamente relacionado à misoginia, ao racismo, e as variantes da opressão de uns sobre outros... Aristóteles foi, por exemplo, o primeiro a falar em superioridade racial... Ele inventou o conceito... Por quê??? Baseado em que evidências, provas, demonstrações??? Não, nada além de sua autoridade, de sua eloquência - tantas vezes equivocada -, e uma plateia CRÉDULA...

Platão foi pioneiro em alegar, em seu ‘Timeu’, que mulheres não possuíam “alma” – seja lá o que isso signifique –; e fundamentando sua própria Teoria Evolucionária: ‘Deus criou o homem perfeito, e este degenerou na mulher, que por sua vez degenerou nos animais e escravos – sendo os três últimos desprovidos de “alma”’... Ridículo, infantil!!!

Aristóteles, “o filósofo dos filósofos” [sic], apresentou argumentos ditos “filosóficos”, garantindo que:

“[...] somente as ideias masculinas deveriam ser cortejadas, e explicando que as mulheres têm menos dentes, não têm ‘almas’ – com fina certeza -, e seus corações não batem [...]” – Cohen (‘Casos Filosóficos’; 2012)

“A natureza só faz mulheres quando não pode fazer homens. A mulher é, portanto, um homem inferior. [...]No que respeita aos animais, o macho é por natureza superior e dominador e a fêmea inferior e dominada. E o mesmo deve necessariamente aplicar-se ao mundo humano.” – Aristóteles

E foram aberrações ditas filosóficas como estas, que modelaram o que se entende como ‘filosofia aristotélica’, influenciando o pensamento ocidental por mais de dois milênios, e cujos efeitos colaterais perduram até hoje... Também foi desta fonte que a cristandade bebeu, assim como Maomé, Ghazali e seus mulás...

Aristóteles negou que animais possuíssem um cérebro, colocou a Terra no centro de um sistema planetário patético: o ‘modelo aristotélico’ e ‘ptolomaico’, ou simplesmente ‘geocêntrico’... Isso com base em observações, medições, etc.??? Não, isso com base em nos postulados platônicos de perfeição, e nos subsequentes constructos achológicos aristotélicos... ‘Ora, deus é perfeito, criou um homem perfeito, em um universo perfeito... O que pode ser mais perfeito do que uma esfera? E o que pode ser mais equidistante de tudo, do que o centro de uma esfera?’ Logo TEMOS que habitar o centro da criação de ‘deus’ [sic]...

Um prato feito para a cristandade, e um martírio para a verdade...

Para Aristóteles, todas as coisas terrenas eram mutáveis e corruptas... Nos “céus”, repleto de “esferas de cristais” – vulgo ‘estrelas’ -, tudo era perene e imutável [sic]... Fez malabarismos conceituais envolvendo ‘terra, água, ar, e fogo’, que alimentam a ignorância de pseudo-ciências até os nossos dias... Segundo Aristóteles, quanto mais pesado um objeto mais rapidamente ele cairia – o que sabemos ser falso, desde o ensino fundamental... Mas você sabia disso??? Bastaria um simples experimento para comprovar, mas para Aristóteles bastava ‘postular’ – ad Verecundiam ou Magister Dixit...

Para Aristóteles, a mulher tinha menos dentes do que os homens, ao que Bertrand Russell ironizou:

“Aristóteles afirmou que as mulheres têm menos dentes do que os homens. Tendo sido casado duas vezes, nunca lhe ocorreu verificar tal afirmação, apenas examinando as bocas de suas esposas.” - Bertrand Russell (‘O impacto da ciência na sociedade’; 1951)

Para que a contextualização não seja invocada, e nem sequer tentada, devo advertir sem demora que: Aristarco de Samos vivia o mesmo tempo que Aristóteles, e preferiu formular hipóteses e corroborá-las com evidências, honestamente, antes de se preocupar com a sua notoriedade ou postulando crendices baratas...

Aristarco, e não Aristóteles, colocou a Terra onde de fato está, orbitando o Sol... Aristarco estava CERTO, mas a humanidade precisaria esperar por mais 2.000 anos, até que esta verdade, assim como outras, estivesse liberta do julgo da autoridade... Depois vieram Copérnico, Kepler, e Galileu, e os céus jamais foram os mesmos... Mas não tão rápido: este trio, assim como outros homens notáveis livres e pensantes, foi obrigado a amargar ‘o inferno na Terra’, sofrendo perseguições, ameaças e sentenças sumárias... A ‘palavra’, a VERDADE, estava proibida, e havia ‘uma lista’ – católica - com os títulos das obras proibidas e escritas por hereges:

Index Librorum Prohibitorum

Giordano Bruno (1548-1600) não teve a mesma sorte e foi queimado vivo por heresia, e por afirmar – por exemplo – que o Universo era enorme, e não estava restrito ao ‘teto’ estipulado por Aristóteles, e nem às suas ‘infantis esferas de cristal’...

A VERDADE PODE MATAR!!! PRINCIPALMENTE QUANDO AFRONTA À IGNORÂNCIA...

E matou... Principalmente quando um ‘demente’ ou um covarde, instituído de poder, segue os fundamentos de outro demente, ou de outro covarde apoderado – por deuses... E foi o que se viu...
Do alto de sua nobreza, gigantismo intelectual e moral, e enquanto ardia em chamas, Bruno teve suficiente inspiração para dizer as seguintes ‘últimas palavras’:

“[...] Temem mais a minha morte os que me conduzem a ela, do que eu em aceitá-la [...]” – Giordano Bruno (... enquanto ardia em sua pira funerária em 17 de Fevereiro de 1600)

Giordano Bruno foi um frade dominicano italiano, teólogo, filósofo, escritor, e CIENTISTA – sendo este o seu ofício mais nobre e pelo qual morreu, consagrando a sua integridade intelectual... Foi condenado à morte em 1600 pela ‘Congregação da Sacra, Romana e Universal Inquisição do Santo Ofício’ – um nome pomposo demais para um doentio covil de covardes – apoderado por ‘deuses’...

Bruno foi queimado vivo por ‘pensar’, por especular sobre a magnitude do Universo... Bruno, foi sentenciado e morto porque se atreveu a dizer que ‘além da Terra girar em torno do Sol – e não o contrário -, o Sol não era o centro do Universo, mas apenas uma dentre incontáveis estrelas – tendo previsto inclusive a existência de planetas fora do Sistema Solar’, o que hoje sabemos hoje ser a MAIS PURA VERDADE...
Aristarco e a Cosmologia atrasariam o passo em 2.000 anos; Aristóteles garantiu o mesmo atraso para a Química, rejeitando por aclamação popular – ad Populum – a Teoria Atômica de Demócrito... A popularidade arrogante e falastrona de Aristóteles ofuscou os verdadeiros pensadores da antiguidade clássica, como Epicuro, Leucipo, Lucrécio...

Mas as doutrinas platônico-aristotélicas deixariam sequelas ainda mais profundas e duradouras, sobretudo em nossa conceituação moral e social... Afinal, é bem mais difícil estampar provas morais para esbofetear imbecilidades como esta:

“[...] mulheres são imperfeitas por natureza. ” – Aristóteles (‘Política’; 1.254 b 10-14)

“Apenas os homens são criados diretamente pelos deuses e recebem almas. Aqueles  que vivem de maneira justa retornam às estrelas, mas os que são covardes ou seguem vidas iníquas podem com razão esperar ser convertidos para a natureza das mulheres no segundo nascimentos” – Platão (‘Timeu’)

“A natureza da mulher é inferior a do homem na sua capacidade para a virtude.” – Platão (‘As Leis’)

“É melhor para todos os animais domesticados serem governados pelos seres humanos. Pois assim é que se mantêm vivos. Do mesmo modo, o relacionamento entre macho e fêmea é por natureza tal que o macho ocupa a posição mais elevada e a fêmea a mais baixa, de modo que o macho domina e a fêmea é dominada.” – Aristóteles (‘Política’; 1.254 b 10-14)

“É por isso que os poetas dizem: ‘É correto que os gregos governem os bárbaros’. [pois] por natureza o que é bárbaro e o que é escravo são a mesma coisa.” - Aristóteles (‘Política’; 1.254 b 10-14)

“Mas há alguém destinado pela natureza a ser escravo?” [Para quem] tal condição é conveniente e correta, [ou não é antes] toda escravidão uma violação da natureza? [E ele responde que] não é difícil responder essa pergunta, com base tanto na RAZÃO QUANTO NOS FATOS [grifo meu]. Pois se alguns devem mandar e outros serem mandados é algo não apenas necessário, mas APROPRIADO [grifo meu]; a partir do da hora do nascimento, ALGUNS SÃO MARCADOS [Por quem? Por quê? Pra quê? Segundo que critérios?] PARA A SUJEIÇÃO; OUTROS PARA GOVERNAR. [E prossegue:] Essa pessoa é por natureza um escravo que pode pertencer à outra pessoa e que só participa do ato de pensar por reconhecê-lo, mas não por possuí-lo. Outros seres vivos (animais) não conseguem reconhecer o pensamento; obedecem somente os sentimentos. CONTUDO, HÁ POUCA DIFERENÇA ENTRE USAR ESCRAVOS E USAR ANIMAIS DOMESTICADOS: AMBOS FORNECEM AUXÍLIO FÍSICO PARA FAZER COISAS NECESSÁRIAS.” – Aristóteles (‘Física’; 1.252 b 8)

Quando fito tais ‘asneiras’, e mais uma vez, não posso evitar uma pitada de picardia irônica:

Semelhante imbecil só poderia mesmo ser uma autoridade consagrada pela cátedra de Filosofia...

Lembrando ainda, e mais uma vez, que:

Existe o pensamento antigo, e o pensamento ERRADO...

Releiam e contem os absurdos:

(I)           Homens são perfeitos, mulheres são imperfeitas;

(II)          Homens degeneram em mulheres;

(III)        Existem várias ‘encarnações’;

(IV)        Existe uma “alma”, o toque “divino”, disponível apenas nos ‘modelos masculinos’, machos, ‘não-inferiores’, ‘não-escravos’... Escravos, animais e mulheres estão privados desta benesse divinal... Em outra célebre passagem, Aristóteles nos ‘ensina’ [sic] que “escravos, animais e mulheres não têm alma”, isso é certo [sic] – segundo ele -, mas a novidade é que “pelo menos os escravos e animais servem para a força motriz”... E para que servem as mulheres???

(V)         As mulheres servem ao homem... Toda esta ladainha hollywoodiana sobre as mulheres gregas é uma tremenda estória da carochinha, e direi por quê: na sociedade grega, a REAL, (a) a mulher estava confinadas à casa paterna; (b) até que, entre 10 e 15 anos, os pais escolhessem um marido para ela; (c) a mulher era transferida então para a casa do maridão, para desempenhar suas funções: servir, parir e criar filhos, i.e., MENINOS; (d) apenas uma filha era tolerada pela família, sendo a segunda destinada a ‘morrer’, ou simplesmente a ser abandonada à sorte nas encostas escarpadas - para igualmente ‘morrer’; (e) os gregos não viam problemas em satisfazer sua sexualidade com cortesãs (‘hetairai’), prostitutas – filhas indesejadas de alguém -, escravas capturadas, sem contar a farta oferta de ‘rapazes’ – afinal o amor entre homens era considerado “mais puro”; (f) à mulher estava vetada toda e qualquer forma de socialização, seja com o marido, ou com os amigos deste; os encontros sociais, mesmo em sua própria casa, estavam restritos às zonas onde a própria esposa estava impedida de entrar – tudo muito semelhante ao que foi a cristandade, e ao que é o mundo islâmico e hindu; (g) mulheres de melhor nível social não podiam ir ao mercado, ou perambular por vias públicas – jamais -, sendo estas atividades reservadas aos homens, escravos e escravas; na verdade, as escravas tinham mais liberdade do que suas ‘senhoras’; 

(VI)        Existem homens “inferiores”, e isso é definido por deus no nascimento – portanto serão escravos;

Com a força da cultura Helenística, as conquistas de Alexandre “o Grande”, além das heranças culturais sobre o mundo islâmico – com Al Ghazali –, e cristão – com Paulo, Agostinho e Aquino -, todo este devaneio platônico-aristotélico deixou raízes profundas... Vejam os ‘dalits’ e o ‘sistema de castas’ na Índia, além do devaneio das encarnações – e neste caso não podemos afirmar ao certo que cultura foi causa ou consequência da outra, no fenômeno sincrético, contínuo, convergente e contingente... Vejam a condição das mulheres, a escravidão, o racismo, a busca pela perfeição divinal, conceitos vazios e fantasiosos como “alma”, “pureza” – e impureza -, “sujeição”, “submissão”... Tais mensagens tais memes (termo cunhado por Dawkins para designar o equivalente aos ‘genes’ na transmissão ‘cultural’), encontram-se impregnados ao que há de pior em nossa Cultura...

Segundo o arcebispo e teólogo Giles de Roma (nascido Egidio Colonna), considerado pela igreja católica como um Doctor Fundatissimus [Doutor Fundamentado], especialista em Aristóteles (tendo comentado o ‘Organon’):

“[...] haviam até igrejas em que se lia a Ética de Aristóteles todas as manhãs de domingo em vez do Evangelho.”  (Martin Cohen; ‘Casos Filosóficos’; p.45; 2012)

Santo Agostinho foi outro Doctor – uma espécie de pós-doutorado teológico - dentro do império da fé católica; na verdade Agostinho de Hipona foi muito mais do que isso... Ele salvou a cristandade de suas contradições, criando novas contradições [sic]... devidamente acobertadas por sua capacidade argumentativa e sofismática... O meu detrator deveria tratar com a mesma reverência a Aristóteles, Rousseau e Santo Agostinho... Por que não???

Agostinho era obcecado pelo pecado, sendo ele o maior defensor do conceito de que o pecado original decorreu da cópula entre Adão e Eva – ‘e o que mais poderia ser?’ [sic] -, quando a bíblia não faz nenhuma menção direta ao fato... Fábulas dentro de fábulas...

Então, Agostinho junta os pontos do “pecado original” e da “inferioridade” da mulher, resumindo um ser “impuro”, “imperfeito”, “inferior”... e a misoginia cristã ganha novo impulso...

Sua progenitora - compartilhando portanto, 50% de seus genes com Agostinho -, Santa Mônica, também vive acossada e obcecada pelo pecado e pela mea culpa... Não sabemos o que ia na cabeça desta senhora esquisitona e ardilosamente recalcada – quem sabe para conter alguma compulsão sexual ou homossexual (?)... E assim nascem os ensinamentos hipócritas de Agostinho, e suas doentias “Confissões” - um homem atormentado pela psicose do pecado – Ad Eternum:

“[Para a minoria predestinada e salva pela graça de Deus] Existe a visão de Deus, uma alegria que podemos discernir apenas de maneira indistinta num dado momento. [..., para o resto, existe outra predestinação] há a segunda morte, na qual seus corpos ressurrectos serão submetidos a eterno tormento por chamas que infligirão sofrimento sem consumir o corpo. [..., e o grau de tormento não é proporcional ao pecado] embora a duração seja igual em todos os casos, eles devem sofrer interminavelmente, pois qualquer sofrimento menor contrariaria as escrituras e minaria nossa confiança na benção eterna ao pequeno grupo que Deus salvou.” - Agostinho de Hipona (‘De Civitate Dei’ - ou ‘A Cidade de Deus’;  Livro XXI, seção 23)

SEGUINDO O OBJETO:

(4) A abrangência do conceito de Filosofia: O que no passado chamamos de 'filosofia', o 'amor pelo pensamento', considerava a astronomia, a medicina, a matemática, etc..., além de astrologia, adivinhação, política, religião, e a superstição das questões ditas metafísicas...
A CIÊNCIA FILTRA E ABARCA O VERDADEIRO PENSAMENTO DITO ‘FILOSÓFICO’...

(5) A Ciência abarca, especializa, normatiza, e supera a ‘Filosofia Acadêmica’:
O que afirmo em minha resenha é que a Filosofia, que tratava de 'todos os assuntos', sendo, portanto, generalista, foi especializada e incorporada pelas respectivas Ciências Teóricas... Um importante marco neste debate é o Círculo de Viena...
Estou dizendo claramente que Leucipo, Demócrito, Lucrécio, Aristófanes, Epicuro, praticavam – na realidade – o que chamamos de Ciências, englobados semanticamente pelo termo Filosofia... Em determinado ponto da caminhada, parte do que se convencionou chamar de Filosofia é batizado pela cristandade, por prestar-se ao ‘dogma’, e parte da Filosofia segue a sua trajetória Científica...

(6) A Metafísica resume um bom lote de questões mal-entendidas... Se quiser versar sobre o que está 'além da física', assegure-se de saber primeiro o que é o mundo físico... Trata-se da mais pura confusão entre inexplicável e inexplicado...

(7) O Método Científico provou ser o critério mais adequado para testar a 'pensabilidade', e hoje versamos sobre 'filosofia' nas áreas teóricas de cada ramo ou fronteira do conhecimento...

(8) A ‘cátedra de filosofia’ não faz mais do que render homenagem a velhos postulados, caquéticos e ultrapassados... Examinem os trabalhos de mestrado - por exemplo - na USP, e verão um desfile de monografias, as mesmas, Kant, Descartes, Aristóteles, Platão, etc... Seria mais correto considerar, então, que a Filosofia está morta, e não podemos contar mais do que a sua história, enquanto as Ciências abarcaram o que foi um dia, legitimamente, 'filosófico'...

USP, Teses de Mestrado 2013: “Descartes - O cortesão exilado: política e paixão”, “A dor e a lei. Estudo do conceito de supereu através dos textos sociais de Freud”, “Discurso propedêutico de Kant diante da recepção da crítica da razão pura”, “Kafka: estética e política do estranhamento”, “Glória e virtú em O Príncipe de Maquiavel”, “Unidade e diversidade no espionismo: o atributo como infinita expressividade da substância única”, “A definição de emoção em Aristóteles: estudo dos livros I e II da Rhetorica e da Ethica Nicomachea”, “O caráter formativo da pintura na estética hegeliana”, “Friedrich Engels: guerra e política. Uma investigação sobre a análise marxista da guerra e das organizações militares”, “Perspectivismo e relativismo em Nietzsche”, “O rompimento do conceito de bom governo em O Príncipe de Maquiavel e a ética que privilegia a consequência dos atos praticados”, “Direito natural e limites do poder soberano na teoria política de Jean-Jacques Rousseau”, “Gosto e Filosofia em David Hume”, “O De Re Publica, de Cícero: natureza, política e história”, “Crítica imanente como práxis: apresentação e investigação no ensaio lukacsiano sobre a reificação”, “A palavra cantada ou a concepção de linguagem de Jean-Jacques Rousseau”, “Da crítica filosófica à superação poética: o "Hipérion" de Hölderlin e o idealismo alemão”, “Sobre o problema do mundo exterior em Wittgenstein”, “Espelhos e abismos: autoria, erotismo e primitivismo em Louise Bourgeois”, “Mal, modernidade e pensamento em Hannah Arendt: Sócrates e Eichmann em perspectiva”, “Clínica e resistência: a medicina filosófica de Georges Canguilhem”, “Paixão, liberdade e conveniência em dois ensaios de Montaigne (Da vaidade e De poupar a própria vontade)”, “Imaginando a mulher Playboy: o pôster e seus desdobramentos” [original, e inútil], “O ABC do cosmopolitismo: Kant e a educação”, “Epistemologia e ontologia em Nietzsche à luz do problema do tempo”, “Max Stirner como crítico da modernidade: entre dialética do esclarecimento e crítica radical da razão”, “O princípio da integridade como o princípio de potência na figura de Sócrates, segundo a obra de Xenofonte”, “Por uma estética da imanência”, “Nietzsche: o eterno retorno do mesmo, a transvaloração dos valores e a noção de trágico”, “Definições parciais de verdade e sistemas de acumulação na aritmética formal”, “Foucault entre a Crítica e o Nominalismo”, “O conceito de república em Condorcet”, “Quando os corpos se invadem - Merlau-Ponty às voltas com a psicanálise”, “Teleologia e moral na Ideia de uma história universal de um ponto de vista cosmopolita”...

Pergunto: EM QUE PONTO O PENSAMENTO MORREU??? EM QUE PONTO A ACADEMIA PAROU DE PENSAR??? POR QUE NÃO EXISTEM FILÓSOFOS PENSANDO O NOSSO TEMPO – E NO BRASIL??? POR QUE VIVEM DA REEDIÇÃO DE VELHAS MONOGRAFIAS??? ISSO SE DÁ, PORQUE TODA A ‘UTILIDADE’ FILOSÓFICA, TODA A FILOSOFIA DA ‘REALIDADE’, FOI ABARCADA PELA CIÊNCIA... EXISTE ‘SIM’ ESPAÇO PARA UMA FILOSOFIA VIVA, E QUE POSSA SUBMETER A ‘PENSABILIDADE’ AO ESCRUTÍNIO DA RAZÃO... A FILOSOFIA SÓ PODE INVESTIGAR A PENSABILIDADE, E PRECISA FAZÊ-LO COM BASE NA NEUROFISIOLOGIA HUMANA... ENQUANTO OS MUROS ESTIVEREM SEPARANDO A FILOSOFIA DO CORRETO ENTENDIMENTO DA REALIDADE QUE NOS CERCA - POR MEIO DO CONHECIMENTO E DA CIÊNCIA -, E ATÉ MESMO NEGANDO A EXISTÊNCIA DE TAL REALIDADE ‘MATERIAL’, A DISCIPLINA NÃO FARÁ MAIS DO QUE ANDAR EM CÍRCULOS, DE FORMA DOGMÁTICA E SOBERBA, INDO DO NADA A LUGAR ALGUM... E É O QUE SE VÊ...

Já não existe uma disciplina 'viva' de filosofia em nosso país, e o que resta não passa de um séquito de reeditores de monografias de ideias mortas, e que nunca estiveram - factum est - 'vivas'... Do passado filosófico, o amor pelo pensamento segue o seu caminho onde deveria estar, no corpus de conhecimento universal multidisciplinar, mais conhecido como hoje por Ciência... Todo o resto é crença, desespero, e ambição pelo poder... Objeto de estudo da Neurociência Cognitiva, Genética Comportamental, Psicologia Social e Evolucionária...

(9) A Ciência separa o pensamento do devaneio autoritário... A Ciência é a filosofia de nossos dias... Notem que 'Conhecimento Científico' é um pleonasmo... Ciência é a nobre arte de tornar-se ciente, conhecedor, pela PROVA... O vigoroso e genial físico Richard Feynman (1918-1988) - ganhador do Nobel de Física em 1965 – explica a ‘Atitude Científica’ - o ‘Ceticismo Científico’:

“[...] um princípio de pensamento científico corresponde a uma espécie de honestidade incondicional [...]” – Richard Feynman

É esta honestidade incondicional ou Ética, que reside no Ceticismo Científico, e que confronta a vacuidade de crer e os ‘discursos persuasivos’ em favor de mentiras, interesses e sandices... Isso porque as crenças se baseiam apenas na caprichosa, débil ou vã vontade de acreditar... Não se pode, de forma alguma, comparar as atitudes de 'tomar ciência ou tornar-se ciente' - da verdade -, com reconfirmar velhas ou novas convicções - crentes... Não se pode usar como desculpa a falibilidade assumida da ciência, para validar crenças... Uma verdade científica tem um prazo de validade e um universo de aplicação demarcado, assumidamente, e será sempre revisada, sendo esta a sua maior fortaleza - e não o contrário...

Sobre a pretensa critica ao erro científico, devo reagir lembrando que dogmas religiosos não podem ser revistos, e por isso mesmo, sua defesa se faz com cinismo, agressividade, violência, e no passado ‘médio’, por meio dos artefatos do terror ‘inquisitório’... Sobre a ‘relatividade do erro’, Asimov nos ensina que:

“Quando as pessoas pensavam que a Terra era plana, estavam erradas. Quando as pessoas pensavam que a Terra era – ‘exatamente’ [grifo meu] - esférica, estavam erradas. Mas, se você considera que ‘pensar que a Terra é esférica é tão errado quanto pensar que a Terra é plana’, então a sua visão está mais errada do que as duas juntas.” - Isaac Asimov (‘A Relatividade do Erro’; 1989)

E insisto neste ponto que:

NENHUM DEBATE FILOSÓFICO – e sob nenhum pretexto - ESTARÁ ISENTO DA NECESSIDADE DE ENTENDER A 'REALIDADE' E OS SUBSEQUENTES PARÂMETROS QUE REGEM A NOSSA TÊNUE 'LUCIDEZ'...

E precisaremos submeter as nossas hipóteses e argumentação, seja em um laboratório, seja nos tribunais, seja no convívio familiar, ao escrutínio da 'pensabilidade', e à corroboração por meio de provas... Parafraseando Bernard Shaw, e complementando:

... se não podemos mudar a forma de pensar – em busca da verdade [grifo meu] -, não poderemos mudar nada em nossas vidas’... Isso elimina a necessidade de sábios que alcançaram à condição de autoridade por meio de dogmas, em favor de exemplos e corolários cada vez mais completos, detalhados e VERDADEIROS, que possam ser compreendidos por homens comuns, mas éticos, logo céticos...

(10) O Método Dedutivo baseado em Prova: e aproveito para desfazer um dilema inexistente envolvendo um 'mal-entendendo' sobre o pensamento de Karl Popper... Popper, apesar de deveras apodítico, na realidade, nos deu a chave para o entendimento entre o problema da indução e dedução... Na verdade não existe tal problema... Trata-se de um 'invento epistemológico'... Explico... A Matemática Moderna é uma entre muitas linguagens descritivas para o universo físico, e notem que diferentes tipos de 'matemáticas', linguagens 'exatas', competiram no passado, como a Grega e a Babilônia... Depois vieram Newton e Leibniz, e ainda a LÓGICA... Mas estamos diante de linguagens... Portanto, o que podia ser deduzido pela Matemática e pela Lógica, era consagrado como puro ou exato... Com o advento do Método Científico, a PROVA foi elevada à uma condição magna... Em resposta, os adeptos do método dedutivo, puro, perfeito, criticaram o que chamaram de 'método indutivo', como imperfeito, já que sempre consideraria imprecisões... Primeiro, a 'indução pura' é uma bobagem, afinal sempre partimos de hipóteses e premissas lógicas, de forma que o Método Indutivo não existe de fato, senão o Método Dedutivo baseado em Prova, e esta foi a conclusão de Popper, que a maioria dos críticos da Ciência - ou seja, do conhecimento - desconhecem... Popper solucionou um problema que não existe... Primeiro, considerem que a Matemática, como linguagem, admite construções que não podem ser observados no mundo físico... Segundo Platão, isso seria suficiente para assegurar que não havia correto alcance de nossa compreensão, quando afirmo que na verdade a Matemática está errada, ou melhor, a Matemática pode descrever todos os fenômenos físicos até aqui, mas o contrário não é verdadeiro, afinal boa parte dos postulados Matemáticos não podem ser observados na REALIDADE... Tomem a expressão lógica dedutiva, de A é maior do que B, e B é maior do que C, logo A é maior do que C... Mas acontece que cada uma destas premissas precisa ser investigada 'fisicamente' para que confirmemos sua validade... A mera abstração de um 'tal A' e 'tal B', não é suficiente... Premissas lógicas também carecem de prova... Tudo isso navega em um mar de mal-entendidos... Só existe o Método Dedutivo baseado em Prova, e a imprecisão sempre fará parte de nossas 'medições', enquanto avançam os instrumentos - ad infinitum... Isso não impede que 'enderecemos a verdade' com precisão suficiente para endossar um CONCEITO, LEI, descartando falsidade, e celebrando PROPOSIÇÕES VERDADEIRAS...

(11) Ética e Filosofia: A Ética deveria relacionar-se com a Filosofia, pelo nobre ato de submeter a pensabilidade ao escrutínio da razão... Mas não é isso que se vê... Ética, via de regra, não tem interdependência com a ‘Filosofia’, assim como não deriva de livros sagrados religiosos... Ética é um conceito moral que emerge do sincretismo cultural, dos códices e leis... A Ética só é alinhada com a Filosofia no Método Científico... Ética é manter a coerência quando já não existem testemunhas... Ética é coerência, o resto é moral... O que existe de ‘ético’ em Platão ao postular que os deuses criam o homem perfeito, e este degenera na mulher e nos escravos, que por sua vez degeneram nos animais??? O que existe de ‘ético’ quando Aristóteles postula que a Terra está fixa no centro do universo, a mulher tem menos dentes, é inferior, assim como os escravos, e ambos não tem 'alma', assim como os animais... O que existe de 'ético' nesta enciclopédia de asneiras???

O que existe de 'ético' no truque do 'imperativo categórico'??? O eterno 'deus das lacunas', versão kantiana... O que existe de ético nos postulados cartesianos supersticiosos sobre 'alma'??? Ou nos postulados ambiciosos 'marxianos', da eterna 'luta de classes'??? Sem provas, e nada além de muita eloquência e a sede de poder, provocando dor e sofrimento... Este é sobretudo um problema Neuropsicológico e de personalidade... Onde está a ética da crença freudiana??? Toda esta 'crendice' passou bem longe da ‘ética’... ‘Auto-Rotular-se’ de ‘filosófico’ não garante nada... A Filosofia também veiculou o discurso messiânico de muitos tiranos doutrinários... Mas Aristarco de Samos, por exemplo, foi 'ético', pelo método, pela prova, colocando a Terra pela primeira vez no centro do Universo - onde efetivamente sempre esteve... Ético, logo cético... O primeiro passo em um processo judicial, o primeiro passo para a justiça, além de boas hipóteses, é a instrução, um bom conjunto de premissas, evidências e PROVAS... Só quando existem PROVAS é possível falar em justiça, em atitude ética... A atitude ética de maior enlevo na história foi deflagrada pelo Método Científico... E este método começou a ser desenvolvido dentro da genérica disciplina de Filosofia... O Método, a atitude ética, como Feynmann diria, uma honestidade sem limites, está salvaguardada na Ciência, que abarca, peneira, e de certa forma substitui em utilidade a estagnada ‘Filosofia’...

Sagan, Feynmann, Schrodinger, Hitchens, Harris, Russell, William James, Hume, Pinker, Sacks, e mesmo o dramaturgo Aristófanes, representaram bem melhor o conceito de ÉTICA em suas vidas e obras, mesmo não havendo publicado um livro com o título de ‘Ética’... Escrever sobre ‘ética’ e atingi-la,  de fato, são duas coisas bem diferentes...

Este portanto é o ‘Objeto’, o pomo da discórdia, ou ao mesmo deveria ser, porque foi exatamente isso que propus e defendi com argumentos... Mas o senhor Marcelo Ronconi Lemes, de forma agressiva, com ataques pessoais, e deturpando minhas palavras, pinçou apenas a minha crítica à Filosofia – mal-entendida por ele -, para detratar-me como ‘preconceituoso’ e agindo de ‘má fé’...


Da Detratação:

Assim Marcelo Ronconi Lemes, SEM LER – EM ABSOLUTO – O QUE ESCREVI,  animou-se em responder aos meus argumentos com os seguintes adjetivos: IGNORANTES, DELIRANTES, RISÍVEIS, SUPERFICIAIS, ADOLESCENTES, PRECONCEITUOSOS E DE MÁ FÉ... Ele afirmou ainda que nunca abri um livro de ‘ÉTICA’...

Marcelo asseverou o ataque pessoal, ao que me permito publicar que o mesmo se auto-define, com deboche, como: ATEU SATANISTA... Então, não falemos de ‘delírios adolescentes’, porque você não me parece na posição de quem assumiu uma vida adulta...
Respondi previamente:

Marcelo, o simples fato de ser atacado pessoalmente como agindo de "má fé" ou com "preconceito brabo", e com argumentos estúpidos, seria suficiente para cortar o papo aqui e agora - ou para mandá-lo à merda... Você nem me conhece, e não costumo perder tempo com este tipo de molecagem... Tenho mais o que fazer, mas vou perder o meu precioso tempo com a sua 'filosofia do wikipedia', para fazê-lo engolir cada uma de suas incoerentes e 'enciclopédicas' palavras... "Má fé" é um predicado que cabe a você quando distorce as minhas palavras, que acredito, sequer se deu ao trabalho de ler na íntegra... O que despertou a sua ira foi tocar no 'dogma' filosófico... Belo gesto para um 'ateu satânico', o que denota duas piadas: (1) primeiro pela sua devoção à tradição dita filosófica; (2) e segundo porque já está crescidinho para este tipo de figuração 'satânica'... Aqui devolvo a ofensa... Então, aguarde para amanhã a minha resposta... Sobre o 'livro' que poderia ser escrito sobre o tema, eu já o escrevi: 'ETHOS - ÉTICO, LOGO CÉTICO'... Você só faltou me chamar de 'HEREGE', o que seria típico para alguém que parece viver imerso em contradição... Eu já havia lido 'Ética' de Spinoza quando você nasceu, e confesso que até hoje não me sinto impressionado, apesar do respeito que tenho pelo autor... Mas sou um iconoclasta... Não basta escrever 'Ética' na capa de um livro para bem representar o conceito... Esquece-se que os devotos cristãos consideram a Bíblia como a fonte de toda a moral, justiça e ‘ética’??? Isso torna a bíblia intocável??? Aqueles que a escreveram devem ser reverenciados, Ad populum, Ad verecumdiam??? Não estou de acordo com este grau de subserviência de meu intelecto, mesmo que os guardiões da tradição sejam 'gregos'... Sagan, Feynmann, Schrodinger, Hitchens, Harris, Russell, William James, Hume, Piinker, Sacks, e mesmo Aristófanes, representaram bem melhor o conceito de ÉTICA em suas vidas e obras... Você parece impressionado com o rótulo "hedonismo-materialista", aprendeu hoje??? E isso pouco importa, pois quando os gigantes de hoje erguem-se sobre os gigantes de ontem - como argumentei -, Leucipo, Demócrito, Epicuro, Aristarco estarão em suas bases... SIM, eles estavam certos sobre BUSCAR O PRAZER DE VIVER AQUI E AGORA - SEM VIDA ETERNA - E ESTUDAR A REALIDADE MATERIAL... Tudo o que verdadeiramente importa investigar em nossos dias foi originado deste tipo de 'pensabilidade'... Humanos, troppo umanos... E estamos endereçando a verdade sobre a ficha do órfão 'homo' - sem deuses criadores - e sobre o nosso endereço cósmico - nada 'platônico-aristotélico'... Sem culpados ou inocentes, e sem O TRUQUE DA CONTEXTUALIZAÇÃO... PREENCHER AS LACUNAS DO CONHECIMENTO COM 'DEUSES' E 'POSTULADOS, SEJA POR GREGOS, OU POR DOUTORES CATÓLICOS OU ISLÂMICOS, FOI E CONTINUA SENDO ESTÚPIDO - e pouco honesto - ATÉ OS NOSSOS DIAS... Obrigado Thales Vianna Coutinho, Willian Souza Bernardes e aos demais, boa noite!!!


Da Resposta:

“O que nos incita a olhar uma metade dos filósofos com desconfiança e a outra metade com ironia, não é o fato de percebemos como são ingênuos, nem como erram e se enganam com facilidade e freqüentemente. Não é também sua infantilidade e leviandade que nos chocam, mas a falta de honestidade com que fazem grande alarde de sua virtuosidade, quando se questiona, ainda que superficialmente, o problema de sua sinceridade. Todos fingem ter descoberto e alcançado suas verdadeiras opiniões pelo desenvolvimento de uma dialética pura, fria e impassível, distinguindo-se dos místicos que, mais honestos e menos hábeis, falam de ‘inspiração’. No fundo, sustentam, com argumentos posteriores, uma tese antecipada, uma afirmação arbitrária, provenientes de um capricho, de uma intuição ou de um desejo íntimo e abstrato. Defendem com astúcia e de modo rebuscado os próprios conceitos, empíricos, que batizam de ‘verdades’. Estão muito longe da intrepidez da consciência que confessa a si mesma sua mentira, e muito distantes do valor que se deseja ouvir, seja para advertir um amigo, colocar em guarda o inimigo, ou para ridicularizar a si mesmo. A hipocrisia ríspida e virtuosa com a qual o velho Kant nos leva pelas tortuosas veredas de sua dialética, para nos induzir a aceitar seu imperativo categórico, é um espetáculo que nos faz sorrir e sentir o imenso prazer de descobrir as pequenas e maliciosas sutilezas dos velhos moralistas e dos pregadores da moral. Somemos a isso a charlatanice, pretensamente matemática, com que Espinosa mascara sua filosofia, ou seja, o amor à sua sabedoria, para interpretá-la como lhe convém e assim intimidar, desde logo, a audácia do atacante que tivesse o atrevimento de levantar os olhos para esta virgem invencível, verdadeira Palas Atena. Quanta timidez e vulnerabilidade revela este disfarce de um doente solitário!” - Friederich Nietzsche (‘Além do Bem e do Mal’; Cap.1, Prop.5; 2006) 

Vale lembrar que o Thales publicou uma notícia sobre o suposto alinhamento entre ‘religiosos e filósofos’ para combater o que chamam de ‘fundamentalismo cientificista’... Supostamente, segundo o artigo, serão os religiosos e os ‘filósofos’ – se é que tal conceito de fato existe -, que estarão desbancando a Ciência... Este é o artigo que origina tudo... O ‘Objeto’, tratou de expor minhas considerações sobre este tema... E aqui segue a resposta de Marcelo, com a minha tréplica:

(1) “[...] não é de hoje que vejo claramente uma ignorância aberrante quanto a Filosofia. Como já disse, percebe-se que não se procura compreender a Filosofia como na linha hedonista-materialista, justamente brotada em Demócrito, em Leucipo, em Epicuro, e que, às esconsas, sobreviveu e sobrevive desde então.”

Tão preocupado em defender um ‘dogma’, que SEQUER LEU OU ENTENDEU O QUE ESCREVI... A citar:

Existem pensadores genuínos e ‘achólogos’: O homem começou a tatear 'significativamente' em busca de conhecimento sobre a REALIDADE há cerca de 5.000 anos, tendo um forte ponto de inflexão na dita Antiguidade Clássica Grega... Lembrando, primeiramente, que 'Ciência' é uma derivação latina para o conceito de CONHECIMENTO, e lembrando que existe o conhecimento antigo e o conhecimento ERRADO... Mesmo na famigerada Antiguidade Clássica, convivemos com verdadeiros pensadores, portanto filósofos, como Leucipo, Demócrito, Aristarco, Epicuro, e com meros 'achologistas' como Platão e Aristóteles; Não trato de execrar TODA a FILOSOFIA, mas trato de criticar alguns dos pensadores da Antiguidade Clássica Grega;
Ou, seja, você sequer leu que eu já havia diferenciado o pensamento ‘hedonista-materialista’, do mero constructo ‘platônico-aristotélico’... O que já solapa de uma vez a sua denuncia de “generalização”...  Estou claramente diferenciando o pensamento genuíno do autoritarismo, e a associando a Ciência como herdeira deste pensamento...

(2) “Quando se menciona figuras como a de Platão e Aristóteles, tentando menosprezá-los como "ignorantes" (nossa, este tipo de julgamento é tão absurdo que mesmo eu, que nada tenho de afinidade com estes dois particularmente) é algo que eu fico pensando no quê exatamente o cidadão está se pautando para achar que é correto criticá-los assim. Aliás, como se esta linha filosófica fosse a única. Não era e não é.”

Ridículo, típico de um adolescente, que lê ‘meia-palavra’ e subentende todo o demais... Muita ansiedade meu caro!!! Você está repetindo, entre ofensas, as minhas próprias palavras... Primeiramente ‘sim’, considero a Platão e Aristóteles como um desserviço ao pensamento humano... E é aí que discordamos... Não basta erudição, e erudição é o que sobra na Bíblia, no Corão, e em outras obras do devaneio humano... Sou um iconoclasta, posso considerar muitos dos princípios de Nietzsche e Spinoza, sem conduto idolatrá-los, inclusive quando erram... Posso considerar Moisés um imbecil, assim como Orígenes de Alexandria, Agostinho, Aquino e Loyola... Posso discordar do acochambramento do ‘imperativo categórico’ kantiano, posso ridicularizar a retomada do equivocado conceito ‘platônico’ de ‘alma’ por Descartes, posso denunciar a ambição inescrupulosa de Rousseau e Marx, porque estudei pra isso, e por ser um homem livre e pensante...

Depois, eu não disse que Platão e Aristóteles eram a “única linha filosófica” - e AO CONTRÁRIO... Leia o que escrevi antes de ‘abrir a boca’, para não fazer este papel ridículo... E finalmente, e infelizmente, sim, quando o pensamento ERRADO toma o viés da ‘pia batismal’ católica, o pensamento ‘hedonista-materialista’ converte-se em Ciência... E assim escrevi...

Posso, como outros livres pensantes antes de mim o fizeram, questionar determinados filósofos, e por que não??? Blasfêmia, heresia??? Não, CONHECIMENTO E LIBERDADE... Repito, sou um iconoclasta... Sobre Aristóteles, Diógenes Laércio (200-250) nos diz que costumava “vestir roupas muito chamativas, usando muitos anéis e penteados elaborados [...] costumava banhar-se com óleo de oliva para vendê-lo posteriormente”... Aristóteles se considerava o tal... Um prato feito para a Neuropsicologia, mais do que para o ‘bom exercício da pensabilidade’... Outros, como o filósofo e cético Timão de Filos (320-230 AEC), também autor de poemas satíricos, considerava que:

 “[Aristóteles não passava de um] triste palavrório vazio.” – Timão de Filos

Já Teócrito de Quios (310-240 AEC) publicou o seguinte epigrama:

“Erigiu Aristóteles de cabeça vazia,
A tumba oca de Hérnias, o Eunuco,
Antigo escravo do sofrido Êubulo.
Que com monstruoso apetite preferia,
O Bósforo aos pomares da Academia.” – Teócrito

Este verso foi dedicado a Aristóteles, por ocasião de um gesto de tremendo maucaratismo, mas me estenderia muito além do que já me estendi para contá-lo... 

Se julgas a importância de Aristóteles, enquanto cobra respeito por suas asneiras, pelo status alcançado, também terei que respeitar ao ‘LULA’??? Serpa pelo Argumentum ad Populum, e neste caso precisarei respeitar a OSHO, Chico Xavier, Paulo Coelho??? Se o critério for o Argumentum ad Antiquitem, ou ad Verecundiam,  precisarei respeitar a Bíblia??? Daria para produzir uma enorme enciclopédia de erros e absurdos, somente com postulados platônico-aristotélicos... Aristóteles, por exemplo:

“Declarou equivocadamente que as plantas se reproduzem apenas por relação assexuada e que para humanos o coração era o centro da consciência e que este bate apenas nos peitos masculinos. Afirmou que o lado esquerdo do corpo era mais frio do que o direito e que o cérebro estava ali apenas para esfriar o sangue, embora houvesse um ‘ESPAÇO VAZIO’ atrás da cabeça de todo homem, para a ‘ALMA’ [grifo meu]” – Martin Cohen (‘Casos Filosóficos’; P.40; 2012)

Talvez este “espaço vazio” só existisse na cabeça oca de Aristóteles; e quase todas as asneiras ditas ‘aristotélicas’, já foram varridas da intelectualidade, com exceção dos três princípios que teimam em reduzir a mulher frente ao homem: (A) sem “alma” – seja lá o que isso signifique, (B) “imperfeita” – um conceito platônico-aristotélico (C) e “inferior” – “como os escravos e animais”... Estes postulados vazios são produto da autoridade platônico-aristotélica, e fruto de pensamento obtuso, dogmático, arrogante e autoritário – somente endossado por escroques ignóbeis, como Olavo de Carvalho...

A contextualização está fora de questão, afinal homens como Hipócrates (460-377 AEC) endereçavam à época, a VERDADE – enquanto outros calavam e aprendiam...

“A doença dita sagrada [...] não me parece mais sagrada do que outras doenças; tem uma causa natural da qual se origina, como outras afecções. [...]Os homens pensam que a epilepsia é divina meramente porque não a compreendem. Se eles denominassem divina qualquer coisa que não compreendem, não haveria fim para as coisas divinas.” - Hipócrates

Hipócrates confrontava, à época, constructos aristotélicos...

Sobre Platão, nada como um encontro com o meu amigo pessoal e gênio ‘HODIERNO’:  

"[...] como os diálogos de Platão, cuja influência e cujas devastações durante esses dois últimos milênios poderiam dar origem a uma enciclopédia de danos. [...] Um punhado de fragmentos de um pensador que parece dos mais importantes – Leucipo – contra duas mil páginas dedicadas a celebrar o ódio ao mundo terrestre – Platão [...] eis como uma civilização se orienta para a luz ou para a escuridão. [...] Pois, como ganhadores, Platão, os estóicos e o cristianismo impõem suas lógicas: ódio ao mundo terreno, aversão à paixões, às pulsões, aos desejos, desconsideração ao corpo, ao prazer, aos sentidos, culto às forças noturnas, às pulsões de morte. Difícil pedir aos vencedores que escrevam objetivamente a história dos vencidos.“ - Michel Onfray (‘Contra-História da Filosofia’)

O filósofo britânico Simon Blackburn, em seu estudo da República [vegetariana – grifo meu] de Platão, ironiza:

"As religiões não passam de filosofias fossilizadas." - Blackburn

Platão e Aristóteles, no empenho de desprezar a realidade e a força da natureza e do corpo humano, e ávidos por tagarelar sem evidências ou provas, foram o veículo 'clássico' para tal disparate... Agostinho e Aquino viram a utilidade de tais constructos para os interesses do imperialismo católico... Hippolyte Léon Denizard Rivail - Kardec - cooptou de tais ideias, agregando sua verborragia própria... E aqui estamos... Em círculos, discutindo o sexo dos anjos sob o prenúncio de que anjos são indiscutíveis... São??? Por quê???

O grande divisor de águas entre Epicuro, Demócrito, Aristarco, e falastrões como Aristóteles e Platão, foi a preocupação com as evidências, e o desprezo pela autoridade... Pensar ou profetizar asneiras não é uma questão de contexto, é uma questão de atitude!!! A atitude de ‘tomar ciência’, ‘tornar-se ciente’, para servir, e ser útil à humanidade... Esta diferença esta marcada pelo Método Científico, maior contribuição de Galileu... E o mundo experimentou um avanço exponencial em inteligência e conhecimento desde então, e já não morremos mais tão cedo, nem os nossos filhos morrem com tanta frequência na infância, nem somos tão impotentes - como antes - diante de doenças e enfermidades... Mas o nosso coração ainda é menos desenvolvido do que o de um 'crocodilo'...

Esses caras eram de carne e osso, e não sabiam tanto quanto uma criança de 15 anos sabe em nossos dias, e estavam sob a influência de todos os desvios cognitivos de confirmação, sujeitos a ilusões, delírios e alucinações... Sócrates ouviu vozes ‘interiores’ e teve episódios catatônicos frequentes, você sabia??? Ele chamou essas "vozes" de "daemon" (Symposium de Platão, A República, Apologia, e Fedro)...

Colecionamos apenas fragmentos de Leucipo, Demócrito, Epicuro, Aristarco, e por sorte, algo mais de Hipócrates... Mas uma vastidão de asneiras platônicas e aristotélicas... Quem lê compêndios filosóficos, trata a Platão e Aristóteles como eminências pardas... Não é o meu caso...

“Somos todos ignorantes, mas não sobre as mesmas coisas.” – Einstein

Isso não dá espaço para toda sorte de 'relativismo epistemológico'... Dizer que 'sabemos muito mas não sabemos tudo', não é o mesmo que não saber nada... E as lacunas de nosso assumido 'não saber' - provisório - não podem ser preenchida com a falácia lógica do 'deus das lacunas', nem com a FILOSOFIA DAS LACUNAS... Dizer que 'Monica Belluci é linda' guarda certa subjetividade... Mas não do mesmo tipo de subjetividade que precisamos invocar para assumir que um 'esquilo planador, invisível, governa o Universo'.... Pois, como bem assinalou Asimov, existem gradações de erro... Dizer que a Terra é esférica está errado, mas não tão ou mais errado que dizer que a Terra tem formato de pizza, ou seja, existem gradações de subjetividade e de objetividade, que são indiretamente proporcionais... não existe espaço para contextualização nas 'asneiras platônico-aristotélicas'... Insisto que enquanto  Hipócrates avançava em termos de ciência médica, especulando sobre as origens cerebrais da epilepsia, Aristóteles postulava – sem provas - que a massa dentro de nossa caixa craniana serve para resfriar o sangue - um espécie de radiador... Para Aristóteles pensávamos com o coração, e a mulher era inferior por não possuir alma... Negros também eram inferiores, assim como escravos... Kardec lê a cartilha de ‘causa e efeito aristotélica’, com algum conhecimento extra por parte de Flammarion, para fazer as suas profecias - antes da Física Quântica, do DNA, e da Neurociência... Aristarco calculou a distância relativa entre Terra e Lua, e Terra e Sol, e estimou as dimensões de tais astros... E colocou a Terra onde É o seu lugar, orbitando servilmente o Sol... Enquanto, no mesmo contexto Aristóteles adorava, e adornava com infantis esferas de cristal, o modelo Ptolomaico... E Platão profetizava que 'deus era perfeito, logo o Universo tinha que estar baseado em formas perfeitas, como esferas e círculos'... Desprezo e julgamento moral da natureza, o maior dos problemas terrenos... Desprezo pelas provas, amor à verborragia... Isso não é filosofia, é 'achologia pura'... Uma proposição sem provas não difere em nada de um 'PUM MENTAL'... Não merece ser acolhida, afinal temos mais o que fazer... Isso não significa que não devamos especular, mas especular deve ter a sua origem deflagrada por alguma evidência, e não por AMBIÇÃO...

Um parêntesis, apara a ‘República’ de Platão (427-347 AEC), o seu programa estatal impraticável, onde a justiça seria encontrada se - de forma um tanto simplista – se:

"[...] todos fizerem seu trabalho e cuidarem dos próprios assuntos."

Simples assim... A natureza humana, diversa, controversa, complexa, imprevisível, REAL, NÃO IMPORTA!!! Mas se não der certo pouca importância terá pois Platão profetiza de maneira incrivelmente vaga:

"[...] talvez no outro mundo ela esteja assentada como um modelo, um modelo que aqueles que o desejarem poderão contemplar e, assim, conseguir pôr em ordem as próprias cidades. Se tal cidade existe - ou se de fato existirá - não importa, pois tais pessoas viverão à maneira da cidade ideal e nada terão a ver com qualquer outro modelo."

Isso é ridículo!!! Leia mais uma vez, sem esquecer que este é o idolatrado e endeusado Platão... Sim, foi ele mesmo quem escreveu está imbecilidade, esta pérola do non sense, esta verborragia vaga e vazia, que vai do nada ao lugar algum, em um parágrafo longo... Mas vamos adiante na República utópica de Platão, inspiração para More, e berço para viagem marxista... Veja como Platão começa sua República anedótica:

“- Sócrates: Vamos considerar, antes de mais nada, como o modo de vida dos cidadãos, agora que assim os estabelecemos. Não produziram cereais, e vinho, e roupas, e calçados, e construirão casas para si? E quando estiverem abrigados, trabalharão, no verão, comumente, despidos e descalços, mas no inverno substancialmente vestidos e calçados. Eles se alimentarão de farinha de cevada e de trigo, assando-as e sovando-as, preparando bolos nobres e pães; eles os servirão sobre esteiras de junco ou folhas limpas, deitando-se enquanto comem sobre leitos espargidos com teixo e murta. E se regalarão com os filhos, bebendo vinho que fermentaram, com grinaldas na cabeça e cantando hinos em louvor aos deuses, em alegre conversação uns com os outros. E tomarão cuidado para que o tamanho das famílias não extrapole seus recursos/ prevendo a pobreza ou a guerra.”

[Rsrsrssrs], e, então, Glauco - adoro este cara - interpela:

“- Glauco: Mas você não lhes deu qualquer condimento para as refeições.”

[Rsrsrsrs], estou transcrevendo a 'famosa República’ de Platão’, não é uma redação do meu sobrinho na quarta série, nem um papo gourmet entre Palmirinha e Ana Maria Braga... Mas Sócrates leva a sério, afinal isto é uma República - cuidemos do cardápio gastronômico de TODOS OS DIA ora bolas!!! -, e anui ao pedido de Glauco:

“- Sócrates: É verdade, havia esquecido. É claro que devem ter condimentos - sal, olivas e queijo, e cozinharão raízes e ervas, dessas que costumam preparar as pessoas do campo. Para sobremesa lhes daremos figos, ervilhas e feijões; e assarão bagas de murta e bolotas de carvalho na fogueira, bebendo com moderação. E com tal dieta podem esperar viver em paz e saúde até idade avançada e legar uma vida semelhante aos seus filhos após a morte.”

A expectativa de vida média em na Grécia de Platão - e Sócrates - girava torno dos 40 anos de idade - similar ao Homem de Cro-magnon no Paleolítico Superior - há 40.000 anos... O sentido da República de Platão parece escapar completamente a Sócrates - este Sócrates platônico -, a menos que seja só isso, uma discussão superficial e mega-utópica sobre "figos, ervilhas e feijões"... Este é o 'estadozinho frugal minimalista e vegetariano', pra lá de utópico, deste 'Sócrates platônico'; e vejam, estão discorrendo sobre a formação de um estado, e começando por definir o seu cardápio gastronômico... Estas são transcrições da República de Platão...

A exegese de tais obras não deixa dúvida sobre a força da velha crença dominante de que a natureza humana não passa de uma 'tábula rasa' - termo cunhado por John Locke (1632-1704) -, uma folha em branco no qual a personalidade e o caráter, são impressos por meio da cultura e do processo de socialização; desprezando inteiramente a condição natural do ser humano, em favor de uma 'sociologização' do comportamento...

Tal premissa equivocada, nortearia o pensamento ocidental, de Platão a Marx, passando por More, Montaigne e Rousseau, para citar apenas uma das inúmeras ramificações que tal doutrina - a tábula rasa - produziu... O freudismo e as próprias tradições espirituais, navegaram a mesma nau... Não somos produtos do meio, com Marx 'reafirmou'... O aprendizado do meio, possibilitado e dirigido por nossa genética, operando a partir de nossa bioquímica e neurofisiologia, constitui o nosso complexo comportamento... Conceitos utópicos, como a "construção do novo homem" de Lenin, não só são uma caricatura falaciosa da realidade, como não passam de um "novo homem" 'segundo a visão leninista-marxista', utópico, irreal, e surreal...

Os séculos vindouros tratariam de cristalizar o conceito de 'utopia', cunhado por Thomas More, como uma saída crítica - e possível (será?) - para escapar de regimes perversos e arbitrários, como a Inglaterra de Henrique VIII, a partir da elucubração de um estado ideal, mas 'atingível pela ação racional do homem social', e a partir de sua luta para converter-se em seu contrário, 'o bom selvagem', o puro ser primitivo, preenchendo a tábula rasa, a partir da correta doutrina sociológica... Mas se a própria sociologia depende da complexidade e da evolução do homem primitivo, como ficamos??? Um Reductio ad absurdum parece inevitável, não acham??? Claro que sim...

Ou seja, utopia passou a designar a idealização de nosso desígnio mais nobre, repletos de ingenuidade, justiça e otimismo - ou ilusionismo... Ou talvez, a promessa vazia, e não testada, de uma organização impossível de ser realizada, posto estar fundamentada em falácias, remetendo à pura fantasia ou ficção filosófica... E muito sangue foi derramado!!!

“O homem é, em sua essência, produto do meio”- Karl Marx

Que tomou o aforismo emprestado a Rousseau, que por sua vez tomou emprestado a Locke, que por sua vez revisitou a Platão... Mas, o 'marxianismo' – só poderia vingar em Marte, ou “com formigas”, como bem disse Edward Wilson -, como outros sistemas de crenças, freudianismo, judaísmo, cristianismo, islamismo, vivem de INCUTIR O MEDO PARA VENDER A SALVAÇÃO... O HOMEM COMO PRODUTO INEQUÍVOCO DO MEIO É UM CONCEITO 'ERRADO', ARBITRÁRIO, OPORTUNISTA... 

Thomas More, se vivo fosse, encontraria farto material para aprimorar sua utopia insular - autóctone - em toda a sorte de "engenharias sociais" que o século XX produziu; sob o obscuro pretexto de reinventar o "modo de produção" e de quebra inventar "o novo homem"... More saberia da vitória da Evolução darwiniana, e de que a nossa tábula rasa vinha substancialmente preenchida, irreversivelmente - genética e experiência atuando juntas e retroalimentadas, nem Galton, nem Watson... Platão poderia aprimorar o seu cardápio, em vez de "figos, ervilhas e feijões" uma dieta baseada talvez em 'soja, rica em ômega 3, fibras'... Possivelmente, já tivesse entendido, pela Neurociência, que não existem almas, mulheres e homens são igualmente capazes, não existem bom motivos que justifiquem a escravidão e o racismo... Rousseau saberia que o 'bom selvagem' não passa de um Reductio ad absurdum... Mas, talvez, nenhum deles tivessem sobrevivido a alguns experimentos sociais do século XX, hordas de exércitos marcharam conduzidos por estados fortes, fascistas, diferentes bandeiras, e os mesmos crimes... Em alcance, bem mais terríveis e temíveis do que as diatribes anti-papistas, e as diabruras anti-Vaticano, de um débil Henrique VIII... E aos marcianos, peço que perdoem o neologismo... Não é nada pessoal...

E SIGO....

Outros como Leucipo de Mileto (primeira metade do século V AEC), praticaram a pensabilidade... Leucipo foi mestre de Demócrito e é considerado o verdadeiro criador do atomismo... Demócrito de Abdera (460-370 AEC) estudou a physis, a natureza, teorizando sobre o átomo, o vazio, o Universo infinito, e influenciando pensadores como Epicuro e Giordano Bruno - entre outros tantos outros... Enquanto isso, Platão, que odiava Demócrito, deseja ver as suas obras queimadas... Demócrito ria disso às gargalhadas... Epicuro de Samos (341-271 AEC) foi o primeiro grande naturalista:

"Deus, ou quer impedir os males e não pode, ou pode e não quer, ou não quer nem pode, ou quer e pode. Se quer e não pode, é impotente: o que é impossível em Deus. Se pode e não quer, é invejoso: o que, do mesmo modo, é contrário a Deus. Se nem quer nem pode, é invejoso e impotente: portanto nem sequer é Deus. Se pode e quer, que é a única coisa compatível com Deus, donde provém então existência dos males? Por que razão é que não os impede?" – Epicuro

ISSO SIM MERECE O MEU RESPEITO, ISSO SIM É REFLEXÃO!!! Isso é Filosofia!!! E não ISSO:

“Nada é mais absolutamente necessário do que providenciar para que a classe mais alta, não apenas quando no poder, mas quando fora do poder, tenha direito ao lazer e a não se desonrar de qualquer forma.” – Aristóteles (‘Política’; Livro II)

Não Marcelo, não sou obrigado a render minha Integridade Intelectual a este tipo de FILOSOFIA... E NÃO PRECISO DE LICENÇA PARA PENSAR, NÃO PRECISO DO TÍTULO DE FILÓSOFO PARA PENSAR... Posso SIM dizer que Aristóteles é um impostor, assim como Rousseau, e Marx... Aristóteles escreveu 445.270 linhas, e bem poderíamos ter passado sem TODAS ELAS... Por isso:

“Podemos entender os gestos pintados por Rafael perante a exasperação de Platão perante a obtusidade do grande embusteiro” – Martin Cohen (‘Casos Filosóficos’)

“Ele pôs palavras em lugar de coisas, sujeito em lugar de objeto. Pregou a indução sem praticá-la, invertendo a verdadeira ordem da investigação ao partir do geral para o particular, em vez de fazê-lo do particular para o geral. [A partir de postulados platônicos] Fez do universo uma esfera fechada, no centro da qual fixou a Terra, ‘provando’ a partir de princípios genéricos, para sua própria satisfação, e também do mundo pelos 2.000 anos seguintes, que nenhum outro modelo de universo era possível. Suas noções de movimento eram inteiramente anti-físicas. Esse era o natural ou inatural, melhor ou pior, calmo ou violento, sem que alguma real concepção mecânica residisse no interior de sua mente. Afirmou que o vácuo não poderia existir e ‘provou’ que se existisse, o movimento ali seria impossível. Determinou ‘a priori’ quantas espécies de animais deveriam existir e mostrou, com base em princípios genéricos, por que os animais devem ser dotados de tais e tais partes.” – John Tyndall

E tudo isso estava e está errado... Por que ele não ESPEROU PARA SABER, como Leucipo, Demócrito, Epicuro, Hipócrates, e muitos ANTES e DEPOIS DELES??? Por que desejavam NOTORIEDADE... E tem mais, Marcelo, qual é exatamente o seu critério para impedir-me de criticar tais 'IDEAIS' [sic]:

(I) Antiguidade, ad Verecumdiam, ad Antiquitem??? Então devo respeitar a bíblia e seus autores???

(II) Popularidade, ad Populum??? Devo render obediência cega aos preceitos de OSHO, Xavier, Paulo Coelho, Augusto Cury, Freud??? Estes são os ‘best-sellers’...

(III) Erudição, ad Verbosium??? Retorno à Bíblia, ao Corão, Talmud, Hadiths, Vedas...
Considere o seguinte exercício mental... Estamos em 2.500, e infelizmente Chico Xavier, OSHO, etc, influenciaram de sobremaneira os últimos séculos... Devo render devoção a tais obras e autores??? A Antiguidade Clássica tratou de dar ‘forma’ e ‘estrutura’ ao pensamento, ao ato inato e intuitivo de pensar... A ideia foi excelente, mas mal executada por uns, e bem entendida por outros... O que existe de complicado em compreender isso??? Então não ínsita que generalizei todo o pensamento filosófico, porque claramente SEPAREI O CONHECIMENTO DO CONSTRUCTO... E afirmo que o CONHECIMENTO ESTÁ SALVAGUARDADO PELA CIÊNCIA, E O CONSTRUCTO CONTINUA SENDO CONSAGRADO PELA CÁTEDRA DE FILOSOFIA... E muros foram erguidos para afastar a Filosofia – de hoje – da REALIDADE... Isso é um FATO – já demonstrado!!!

(IV) Conteúdo??? Não me faça gargalhar na sua cara...

(V) Devoção tácita??? ESTE PARECE SER O CRITÉRIO, o que seria bem cristão...

SEGUINDO...

(3) “O que alimentou superstições, aí sim, foram escolas que mais tarde deram suporte ao cristianismo continuar suas sandices e sua tentativa de justificar o seu obscurantismo histórico. À parte disto, como já mencionado, a tradição hedonista-materialista procurou justamente se opôr a este pensamento mágico, fantasioso, desde o Hiperurânio de Platão até as simonias católicas.”

Exatamente como foi dito em minha primeira resenha, e reafirmado seguidas vezes nesta resposta, que você não teve a paciência de ler, desesperado que estava por defender um DOGMA - sua crenças em tudo o que traga o rótulo 'filosofia'...


(4) “Querer chamar a Filosofia de algo inútil ou a aberrante ofensa à todos os filósofos como "ignorantes" é mostrar-se mais ignorante do que todos os mencionados nesta generalização.”

Mais uma vez repito que estamos aqui por que você NÃO LEU O QUE ESCREVI, MAS ENTENDEU O QUE PRETENDIA ENTENDER, E ESTÁ FAZENDO UM PAPEL RIDÍCULO, assim como é igualmente ridículo perder este tempo com você... Não chamei a Filosofia de inútil, apenas diferenciei a Filosofia da ‘achologia’, alegando que uma originou a Ciência, e na verdade SEMPRE FOI CIÊNCIA, enquanto a outra vertente foi batizada pela cristandade... A citar:

A abrangência do conceito de Filosofia: O que no passado chamamos de 'filosofia', o 'amor pelo pensamento', considerava a astronomia, a medicina, a matemática, etc..., além de astrologia, adivinhação, política, religião, e a superstição das questões ditas metafísicas... A CIÊNCIA FILTRA E ABARCA O VERDADEIRO PENSAMENTO DITO ‘FILOSÓFICO’... [...] A Ciência abarca, especializa, normatiza, e supera a ‘Filosofia Acadêmica’... O que afirmo em minha resenha é que a Filosofia, que tratava de 'todos os assuntos', sendo, portanto, generalista, foi especializada e incorporada pelas respectivas Ciências Teóricas... Um importante marco neste debate é o Círculo de Viena... Estou dizendo claramente que Leucipo, Demócrito, Lucrécio, Aristófanes, Epicuro, praticavam – na realidade – o que chamamos de Ciências, englobados semanticamente pelo termo Filosofia... Em determinado ponto da caminhada, parte do que se convencionou chamar de Filosofia é batizado pela cristandade, por prestar-se ao ‘dogma’, e parte da Filosofia segue a sua trajetória Científica...

(5) “Primeiro que se falarmos dos atomistas já não se pode criticá-los como "delirantes", querer colocá-los no mesmo balaio que um Simão o Mago ou qualquer outro feiticeiro é desconhecer absurdamente as teses dos primeiros em relação ao delírio do segundo. A FANTÁSTICA ideia de que tudo é constituído por átomos, JÁ naqueles tempos, é algo muito, mas muito, infinitamente maior do que eu vejo dia a dia aqui nas redes sociais em especulações sem pé nem cabeça. Ponto para estes grandes filósofos. Outro ponto interessante é que não devemos cometer anacronismos, os filósofos de outrora eram também o que hoje chamamos de cientistas, os termos ficam nebulosos.”

JÁ FOI RESPONDIDO, VOCÊ TIRA AS PALAVRAS DE MINHA RESENHA... LEIA ANTES DE CRITICAR... RIDÍCULO!!!

 (6) “Em terceiro, HOJE, quando alguém se diz filósofo, se apresenta assim, raramente, mas muito raramente irá ignorar as ciências.”

INTEIRAMENTE FALSO... NÃO CONDIZ COM A REALIDADE... A ENORMIDADE DOS FILÓSOFOS CONSIDERA QUESTÕES METAFÍSICAS – SOBRENATURAIS – COMO PLAUSÍVEIS, ‘ALMA’, ‘PROPÓSITO MORAL PARA O UNIVERSO’, ETC... REFUTO INTEIRAMENTE... Dennett e Harris, que cito, e com quem mantenho conversações por e-mail, são EXCEÇÕES... TODA A DEFESA DA CIÊNCIA, DO CONHECIMENTO, PORTANTO, DA FILOSOFIA MODERNA, É FEITA POR CIENTISTAS, E NÃO POR FILÓSOFOS... Debati este ponto com um ex-diretor de um curso de Filosofia em uma Universidade Federal, e que não citarei o nome em respeito à sua posição... ELE E SEUS COLEGAS ACREDITAM EM ALMA E CONCEITOS CORRELATOS, CLARAMENTE EXIBEM UM COMPORTAMENTO DE TRINCHEIRA COM RELAÇÃO À CIÊNCIA, NUNCA OUVIRAM FALAR DE DENNETT E HARRIS, E DESCONHECEM ESTE TIPO DE DEBATE... ELE ENSINA ‘DESCARTES,’ É ESPECIALISTA EM ‘ARISTÓTELES’ - SUA TESE DE MESTRADO -, E ME DESANIMOU QUANTO À UM POSSÍVEL DOUTORADO:

“Basicamente apoiamos monografias dos clássicos.”

E então lhe perguntei: MAS EM QUE PONTO EXISTIR O CORTE PARA ‘CLÁSSICO’??? ELE TITUBEOU, NÃO PODE RESPONDER, MAS DEPOIS DISSE QUE ESTUDAVAM OS FILÓSOFOS ATÉ O SÉCULO XX... PEDI UM EXEMPLO, E TERMINAMOS A CONVERSA SEM QUE ELE SE “RECORDASSE”... E MAIS, PERGUNTEI A ELE, EM QUE PONTO A ACADEMIA ‘PAROU DE PENSAR (?)’... ‘POR QUE NÃO ESTIMULAM O PENSAMENTO DE HOJE, ALINHADO COM A REALIDADE QUE O CONHECIMENTO ACADÊMICO EM OUTRAS ÁREAS NOS PERMITE ENCARAR (?)’... ELE DESABAFOU SOBRE A FALTA DE ESTIMULO, E PUDE PERCEBER QUE SÃO APENAS FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS, SEM PERSPECTIVA ALGUMA, EM UMA CÁTEDRA QUE ENTROU EM UM BECO SEM SAÍDA... A SAÍDA É VOLTAR ATRÁS, E PROCEDER COMO DENNETT, HARRIS, ALINHADOS COM A REALIDADE, DERRUBANDO OS MUROS E DILAPIDANDO AS TORRES DE MARFIM - COMO MEROS MORTAIS...

(7) “Aliás, é de se abrir um parêntese se a Psicanálise é ou não ciência? Há bons nomes que juram não passar de papo furado... Vou mencionar um nome que é também filósofo... e neurocientista... Sam Harris. Alguém totalmente pró-ciências e que ainda mantém claramente seu título de filósofo, isso deveria fazer, humildemente (algo que noto ser bem raro em debates mais delicados), que se pensasse sobre a questão.”

RIDÍCULO, e como o Thales e alguns bem sabem, troco correspondências com Sam Harris, Dennett, Dawkins, e sobretudo com Michel Onfray e Michael Shermer... E ele, Thales, além de todos os presentes, sabem que execro o ‘freudismo’ a ‘psicanálise’... Mas o que torna tudo isso ridículo, é que EU ESCREVI E VOCÊ NÃO LEU, que:

O que existe de 'ético' no truque do 'imperativo categórico'??? O eterno 'deus das lacunas', versão kantiana... O que existe de ético nos postulados cartesianos supersticiosos sobre 'alma'??? Ou nos postulados ambiciosos 'marxianos', da eterna 'luta de classes'??? Sem prova, e nada além de muita eloquência e sede de poder, só existe dor e sofrimento... Onde está a ética da CRENÇA FREUDIANA??? Toda esta 'crendice' passou bem longe da ética... A Filosofia veiculou o discurso messiânico de muitos tiranos doutrinários... Mas Aristarco de Samos, por exemplo, foi 'ético', pelo método, pela prova, colocando a Terra pela primeira vez no centro do Universo - onde efetivamente sempre esteve... Ético, logo cético... O primeiro passo em um processo judicial, o primeiro passo para justiça, além de boas hipóteses, é a instrução, o conjunto de premissas... Só quando existem PROVAS é possível falar em justiça, em atitude ética... A atitude ética de maior enlevo na história, foi deflagrada pelo método científico... E este método começou a ser desenvolvido dentro da genérica disciplina de Filosofia, que preferiu e privilegiou os seus detratores... O Método, a atitude ética, como Feynmann diria, uma honestidade sem limites, está salvaguardada na Ciência, que abarca, peneira, e substitui a Filosofia...

Escrevi também, sobre a ‘PSICANÁLISE’ – a menos que você não saiba ser uma MARCA REGISTRADA FREUDIANA:

[...] a história é um processo contínuo, então, daqui a 500 anos precisaremos render homenagem a Osho, Chico Xavier - considerado o homem mais importante da História Brasileira -, Paulo Coelho, FREUD??? Com que critérios, antiguidade, extensão da obra??? Existe o pensamento antigo e existe o pensamento ERRADO... E isso destrói a contextualização, afinal Aristarco foi contemporâneo de Aristóteles, e um estava certo enquanto o outro estava acachapantemente errado... Não devemos, sob nenhum critério, devoção a Aristóteles, somente porque era um empertigado e obsessivo taxinomista, que falou sobre tudo e errou sobre quase tudo... Não precisamos render homenagens à ambição desmedida de homens como Marx, que seguiram outros homens ambiciosos como Rousseau, somente pela extensão de suas obras - e erros... Muito sangue foi derramado e continua sendo por isso... Assim como FREUD, o autor mais exposto, ao lado de Augusto Cury e Paulo Coelho, na Livraria Cultura...

E escrevi ainda que:

[...]Você parece um ‘PISICANALISTA’ que tenta defender o negócio FREUDIANO, fadado ao registro histórico - embora grotesco... A filosofia – HOJE - vive da reedição de monografias dos mesmos caras que 'erraram' de forma pujante, e que são os mesmos ditos pensadores que são estudados em sala de aula... Os verdadeiros pensadores estão esquecidos, e aqueles que modernamente conduzem e atualizam tal corpus de conhecimento, estão fora da torre de marfim da academia... Um círculo de equívocos... Até quando??? Não existe debate filosófico e sociológico produtivo em nosso tempo, sem um amplo conhecimento neurofisiológico, de genética comportamental, psicologia social e evolucionária... Até, porque, os equívocos que trato de apontar, foram deflagrados por mentes que seguem padrões de comportamento... Mas estamos indo longe demais... O boticário que receitava mercúrio na Idade Média estava coberto de boas intensões, e por meio de suas 'crenças' levou os seus crédulos pacientes à morte... Existem erros e acertos, e não execro a 'pensabilidade', mas execro a condição preguiçosa e inútil da academia filosófica hoje, em nosso país... Nada é produzido, nada é feito, nada é gerado!!! Nada... E muros são erguidos, em um confinamento quixotesco... Até amanhã e boa noite a todos!!!

(8) “Além do quê, quando se fala em Filosofia, eu percebo que as pessoas nada sabem da mesma (sem mencionar nomes aqui), e sim que tem uma vaguíssima imagem, muito nuviosa, do que vem a ser a mesma.”

Acho que já percebeu que este não é o meu caso... Tenho um doutorado interrompido na Unifesp e por pura DECEPÇÃO COM A REALIDADE DA CÁTEDRA...

(9) “Pensam que a Filosofia hoje é um misto de autoajuda com especulações metafísicas regados a achismos seguidos de achismos.”

MAS ESSE É EXATAMENTE O TIPO DE ‘FILOSOFIA’ PRATICADA POR PLATÃO, ARISTÓTELES, DESCARTES, ROUSSEAU, MARX, ENTRE TANTOS OUTROS... APESAR DA APODÍTICA, ESTE É O TIPO DE FILOSOFIA PRATICADA POR KANT, DESCARTES, E EM ALGUNS MOMENTOS POR SPINOZA... ESSA É A FILOSOFIA DOS DOUTORES DA IGREJA, ENTRE OUTROS, COMO HEGEL, SARTRE... PURA ‘ACHOLOGIA’... 

(10) “Como se não existissem Filosofia da Ciência [...]”

TAL E QUAL DESCREVI!!!

(11) “Filosofia da Mente...”

EXISTE A CIÊNCIA DA MENTE, QUE EM NOSSOS DIAS DISPENSA INTEIRAMENTE ELUCUBRAÇÕES, OUTRORA FILOSÓFICAS E INÚTEIS - COMO FOUCAULT, FREUD -, EM FAVOR DO ENTENDIMENTO COMPUTACIONAL, A GENÉTICA DO COMPORTAMENTO, A NEUROCIÊNCIA, A NEUROFISIOLOGIA, A PSICOLOGIA SOCIAL E EVOLUCIONÁRIA, ASSIM COMO A BIOLOGIA MOLECULAR!!!
ENTENDA: O GENERALISMO ‘FILOSÓFICO’ FOI ESPECIALIZADO, E PRECISOU DE OUTRA DENOMINAÇÃO, ‘CIÊNCIA’, ‘CONHECIMENTO’, EXATAMENTE PORQUE A FILOSOFIA - E A SOCIOLOGIA, UM DERIVATIVO -, ESTÁ IMERSA EM CRENDICES, MESMO QUE DESCRITAS COM POMPA E ERUDIÇÃO...

(12) “[...] como se a Ética não fosse claramente um campo de dedicação destes profissionais.”

O QUE você CONSIDERA COMO ÉTICA??? UM NOME NUMA CAPA DE UM LIVRO??? Sob esta égide muito se disse, 'achologicamente'... Consideremos o mais respeitável dos filósofos a tratar deste conceito: Spinoza - a quem admiro sem idolatrar... Ele escreveria em sua ´Ética' (Pars SECUNDA, Propósito XXXII) que "Omnes ideae, quatenus ad Deum referuntur, verae sunt" ["Todas as ideias, enquanto são referidas a Deus, são verdadeiras"]... E ele diz 'demonstrar' a validez deste postulado: "Com efeito, todas as ideias, as quais existem em Deus, estão em perfeita concordância como os seus ideados (pelo corolário da proposição VII) e, portanto (pelo axioma VI da Proposição I), são todas verdadeiras. C.Q.D."... Por quê??? Quod erat demonstrando??? Isso não é demonstração, é mero constructo!!! A Proposição VII nos diz ainda que "A ordem e a conexão das ideias é o mesmo que a ordem e conexão das coisas"; o que devo refutar... Não me importa o status de Spinoza... Ele segue: "Corolário: Segue-se disso que a potência de pensar de Deus é igual à sua potência atual de agir." Daí uma torrente de equívoco, desde Platão... Idealizar algo não o torna real... Outros concordaram comigo, já na Antiguidade Clássica, e é desta vertente que emana e decorre o VERDADEIRO CONHECIMENTO, O CORPUS DE SABERES CIENTÍFICOS... E mais, a Proposição I, também citada como 'demonstrativa' da Proposição XXXII, nos diz que "O pensamento é um atributo de Deus, ou seja, Deus é uma coisa pensante."... Não importa quanta erudição ou elucubração, mas o conteúdo de tais proposições e demonstrações está ERRADO... Deus é um mito imaginado pelo homem, em função de sua sina de buscar ordem no caos, e a dificuldade primitiva em encontrar explicações... Deus é fruto do desespero por respostas... Mas, outros, puderam ESPERAR PARA SABER, e é deste comportamento Neuropsicológico, que decorre os nossos saberes objetivos, e que norteiam TODOS OS NOSSOS COMPORTAMENTOS MORAIS, E PERMITEM QUE VIVAMOS MAIS E MELHOR, MORRENDO MENOS AO NASCER... Pinker em 'Os Anjos Bons de Nossa Natureza', 'Tábula Rasa', assim como Matt Ridley em 'O que nos faz humanos' e Harris em 'A Paisagem Moral', puseram fim a esta discussão... O COMPORTAMENTO MORAL DECORRE DE CONHECIMENTOS OBJETIVOS... SER ÉTICO É ANTES DE TUDO INTELIGENTE... ÉTICA É INTEGRIDADE INTELECTUAL... ÉTICA É MANTER A COERÊNCIA QUANDO JÁ NÃO EXISTEM TESTEMUNHAS - NEM NOS CÉUS...

DE FORMA QUE RARAMENTE SE VIU, NO PASSADO, O CONCEITO DE ‘ÉTICA’ SER BEM DEFINIDO, TRATADO E PRATICADO... O ALINHAMENTO ENTRE O QUE SE DIZ, SE FAZ E SE PENSA!!! COERÊNCIA, INTEGRIDADE INTELECTUAL, OU, PARAFRASEANDO FOUCAULT, ‘A CORAGEM DA VERDADE’... ESCREVI UM LIVRO SOBRE O TEMA, E QUE SERÁ PUBLICADO EM BREVE... TERÁ A OPORTUNIDADE DE REFUTÁ-LO, OU DE APRENDER MUITO...

‘ETHOS – ÉTICO, LOGO CÉTICO’

(13) “Li preconceitos risíveis, mas risíveis não porque "eu quero que sejam" e sim porque o são deveras!”

RISÍVEL É O ‘FATO’, DEMONSTRADO AQUI, DE QUE VOCÊ 'LEU SEM LER'... ABRIU A BOCA ANTES DE CONCLUIR A LEITURA, E DECLAROU BOA PARTE DO QUE EU JÁ HAVIA AFIRMADO... PRECONCEITO É JULGAR SEM LER!!!

(14) “De-ci-di-da-men-te percebo que há aqui quem ja-ma-is abriu um único livro de Ética assinado por algum filósofo.”

LI TUDO O QUE PUDE SOBRE ÉTICA, E ESCREVI QUASE 3.700 PÁGINAS SOBRE O TEMA... LEVEI QUASE 10 ANOS ESCREVENDO O MEU PRIMEIRO LIVRO... LI ‘ÉTICA’ DE SPINOZA, PELA PRIMEIRA VEZ, POUCO ANTES DO SEU NASCIMENTO... E CONTINUO NÃO ACHANDO GRANDE COISA... APODÍTICA, A CABEÇA DE UM HOMEM DETALHISTA E PERTURBADO, ÍNTEGRO, MAIS AINDA ASSIM, E APESAR DE EXECRADO PELA COMUNIDADE JUDAICA, ‘TEMENTE A DEUS’... SPINOZA ESTEVE ‘QUASE LÁ’, ASSIM COMO KANT... MAS A ÚLTIMA MILHA QUE NÃO PUDERAM PERCORRER, NOS PERMITE FORCAR EM NOVOS PENSADORES, QUE AMPARADOS SOBRE OS OMBROS DOS MESMOS, PUDERAM VER MUITO MAIS LONGE... ERES UM TREMENDO ARROGANTE, NÃO ME CONHECES, E NÃO TEREMOS A OPORTUNIDADE DE MAIS DO QUE ESTA CONTENDA, AFINAL JÁ PERDI TEMPO DEMAIS COM ESTAS BABOSEIRAS E OBVIEDADES... SEM DÚVIDA EXISTE MUITO MATERIAL AQUI PARA QUE APRENDAS UM POUCO – SE SOUBER, PUDER, OU QUISER LER!!!

(15) “Os temas hodiernos que se debate, se questiona, se busca em informação CIENTÍFICA, nas rodas de Filosofia. “

QUE ABSURDO!!! EXISTE UM ENORME DIFICULDADE PARA SER RESPEITADO, CIENTIFICAMENTE EM UM CÍRCULO FILOSÓFICO... QUE PIADA!!! NÃO É VERDADE, OS TEMAS ‘HODIERNOS’, ATUAIS, AS FRONTEIRAS DO CONHECIMENTO, ESTÃO BEM DISTANTES DA ACADEMIA FILOSÓFICA, PRINCIPALMENTE NO BRASIL... ENTÃO, JÁ QUE ESTÁS TÃO ANTENADO NOS TEMAS ‘HODIERNOS’, PORQUE NÃO NOS DEMONSTRA A ENORME PARTICIPAÇÃO DA ‘FILOSOFIA’ BRASILEIRA NOS TEMAS  ‘CIENTÍFICOS’... FORA DENNETT E HARRIS, QUE ESTÃO CONTINUAMENTE SOB FOGO CRUZADO DA ‘BANCADA FILOSÓFICA’ – LEIA ‘A PAISAGEM MORAL – COMO AS CIÊNCIA PODE DETERMINAR OS VALORES HUMANOS’ DE SAM HARRIS, E ‘QUEBRANDO O ENCANTO DE DENNETT’ - O QUE PODE NOS APRESENTAR??? E ACORDE!!! ESTÁS VIVENDO EM UM MUNDO UTÓPICO... ESTE NÃO É O AMBIENTE FILOSÓFICO BRASILEIRO, E TAMPOUCO MUNDIAL!!!

PAULO BLOOM, EMINENTE PSICÓLOGO DE YALE, EM SUA AULA INAUGURAL DE ‘INTRODUÇÃO À PSICOLOGIA’ DIZ QUE:

“VOCÊS NÃO ENCONTRARAM FREUD NO CURSO DE PSICOLOGIA. TALVEZ ENCONTREM NA SOCIOLOGIA, FILOSOFIA OU LITERATURA.”

E NÃO É POR ACASO!!! ESTES CURSOS ABRIGAM A 'FICÇÃO' E A 'FANTASIA', MAS SOMENTE A LITERATURA É CAPAZ DE ASSUMIR!!!

(16) “Para poder responder com grande propriedade vai um livro inteiro aqui, inclusive para rebater as menções a intelectuais como fora feito, mas a superficialidade foi gritante demais. Demais, demais.”

VOCÊ É UM CARA ENGRAÇADO, DEBOCHADO, CÍNICO, E IGNÓBIL... SUPERFICIAL É TECER CRITICAS SEM SEQUER HAVER LIDO A RESENHA... QUAIS FORAM OS ARGUMENTOS QUE APRESENTOU, QUANDO NÃO ESTEVE – POR ENGANO – CONCORDANDO COM O QUE ESCREVI??? VOCÊ ESTÁ ABORRECIDO, FAZENDO BEICINHO, PROVOCANDO, SEM AGREGAR NADA!!! E ME ACUSA DE SER ‘SUPERFICIAL’??? TEM QUE SER MUITO CARA-DE-PAU E DEVOTO DA FILOSOFIA, PARA ESCREVER ESTA PATAQUADA...

(17) “Mencionar filósofos criticáveis (Platão, Aristóteles, Rousseau) é algo que faço desde a adolescência, quando já flagrava os equívocos DESCULPÁVEIS pelo período em que foram concebidos. Porém chutar que isso é tudo, que Filosofia é isso, é, como eu já disse, não só preconceito brabo como má-fé.”

SÓ NÃO CONCLUO QUE VOCÊ É UM CÍNICO E UM ESCROQUE, POR ESTAR PATENTE QUE NÃO LEU NADA, E NÃO PERCEBEU QUE ESTÁ CRITICANDO O VAZIO... VOU REPETIR:

A SUA ‘DESONESTA’ OU ‘IGNÓBIL’ TENTATIVA DE ‘CONTEXTUALIZAÇÃO’ FOI BEM ‘CRISTÃ’, MAS NÃO FUNCIONOU... JÁ EXPLIQUEI QUE ARISTARCO E ARISTÓTELES FORAM CONTEMPORÂNEOS, ASSIM COMO PLATÃO E HIPÓCRATES... UNS ESCOLHERAM POSTULAR SOBRE O QUE DESCONHECIAM, E OUTROS OBSERVARAM E ESPERARAM PARA ‘SABER’... SIM, PLATÃO, ARISTÓTELES, ROUSSEAU E DESCARTES – com a ressalva dos trabalhos em Geometria, mas não Filosofia -, SÃO ACHOLOGISTAS!!! ELES VILIPENDIARAM A PRÓPRIA RAZÃO...

“O progresso do pensamento desde Aristóteles poderia, creio, ser resumido dizendo-se que toda a disciplina, uma vez que tenha empregado o método aristotélico da definição, permaneceu aprisionada num estado de verbosidade vazia e escolástica estéril e que a extensão em que as várias ciências foram capazes de fazer algum progresso dependeu do grau em que foram capazes de se desfazer desse método essencialista.” – Karl Popper

Rousseau escreveria:

“Muitos autores precipitaram-se a concluir que o homem é naturalmente cruel e requer um sistema de polícia regular para regenerar-se, porém nada pode ser mais manso do que ele em seu estado primitivo, quando posto pela natureza a igual distância da estupidez dos brutos e pernicioso bom senso do homem civilizado (...) Quanto mais refletimos sobre este estado, mais convencidos ficaremos de que era o menos sujeito de todos a revoluções, o melhor para  homem, e que nada poderia ter arrancado disso o homem a não ser algum fatal acidente, o qual, pelo bem público, nunca deveria ter acontecido. O exemplo dos selvagens, que em sua maioria foram encontrados nessa condição, parece confirmar que a humanidade foi formada para manter-se sempre nela, que essa condição é a verdadeira juventude do mundo, e que todos os progressos ulteriores foram muitos passos aparentemente em direção à perfeição dos indivíduos, mas de fato no caminho da decrepitude da espécie.” – Rousseau

Amém [sic]!!! Estes postulados ambiciosos e pouco honestos, baseados em NADA, hoje sabidamente falsos – afinal quanto mais primitivo mais violento -, nos deram muito trabalho até aqui... O ‘Processo Civilizatório’ (1939) – uma leitura necessária - do grande sociólogo e historiador alemão Nolbert Elias (1897 – 1990), fornece toda a munição enterrar a arrogância aventureira, e pouco original, de Rousseau...Tais constructos rousseaulianos nasceram como nasceram as esferas de cristal aristotélicas, a contagem de dentes da mulher, a afirmação de que pensamos com o coração, e o lado direito do corpo é mais frio que o esquerdo...

TAMBÉM APRESENTEI UM NÚMERO MUITO MAIOR DE NOMES RESPEITÁVEIS... EXPLICANDO QUE A CIÊNCIA DESCENDE DESTES VERDADEIROS PENSADORES, LEUCIPO, EPICURO, DEMÓCRITO, ARISTARCO, HIPÓCRATES, LUCRÉCIO, DEPOIS JEAN MESLIER, RUSSELL, HUME... NIETZSCHE, KANT E SPINOZA, COM RESSALVAS ‘NEUROPSICOLÓGICAS’ - E RESPEITO...  MAS TAMBÉM DARWIN, HUXLEY, WILLIAM JAMES, THOMAS PAINE, ASIMOV, EINSTEIN, SAGAN, FEYNMAN, SCHRODINGER, WATSON, CRICK, DAWKINS, KRAUSS, DENNETT, HARRIS, HITCHENS, CAJAL, TYCO BRAHER, HUBLLE, ETC... TODOS ESTES SÃO FILÓSOFOS E/OU CIENTISTAS... A LINHAGEM DE PLATÃO A MARX ESTÁ COMPROMETIDA PELA MAIS COMPLETA FALTA DE PROVAS, EVIDÊNCIAS, ALÉM DA FIRME A ARROGANTE ‘VONTADE DE CRER’, E PELOS MALES CAUSADOS À HUMANIDADE...

SOBRE “FAÇO DESDE A ADOLESCÊNCIA”, TEMO QUE VOCÊ AINDA VIVA UMA ADOLESCÊNCIA TARDIA: UM REBELDE SEM CAUSA, UM ‘ATEU SATÂNICO’, OU CÍNICO, TANTO FAZ, E QUE ENDEUSA A TRADIÇÃO, DESDE QUE SEJA GREGA E SEJA SUA... ISSO REMETE À UMA FLAGRANTE CONTRADIÇÃO EM SI, TALVEZ ‘FÉ, 'MÁ FÉ’, OU PURA INFANTILIDADE... ESTUDE, LEIA ANTES DE CRITICAR, SEJA BEM MAIS HUMILDE, VOCÊ NÃO PASSA DE UM ‘FILÓSOFO DE WIKIPEDIA’!!!

A AUTÊNTICA FILOSOFIA FOI ESPECIALIZADA E INCORPORADA PELA CIÊNCIA... A ACHOLOGIA, E SOBRETUDO A ACHOLOGIA, ENCONTRA-SE BEM GUARDADA PELA TORRE DE MARFIM DA CÁTEDRA DE FILOSOFIA...

Mais uma vez lembrando que:

(I) Ciência é CONHECIMENTO;

(II) e da mesma forma que o bom exercício da pensabilidade foi praticado na Antiguidade Clássica, o mau exercício do 'dogma' e da autoridade disfarçada de pensamento, também o foi... Isso é óbvio, natural, humano, cultural;

(III) Afirmo ainda que o 'pensamento' precede a Antiguidade Clássica, e depois a sucede, em escala exponencial... Pensar é inato;

(IV) não podemos tratar o mero achologismo como filosofia, não importam as ‘devoções’;

(V) a história é um processo contínuo, então, daqui a 500 anos precisaremos render homenagem Osho, Chico Xavier - considerado o homem mais importante da História Brasileira -, Paulo Coelho, Freud??? Com que critérios, antiguidade, extensão da obra??? Existe o pensamento antigo e existe o pensamento ERRADO - INSISTO... E isso destrói a contextualização, afinal Aristarco foi contemporâneo de Aristóteles, e um estava certo enquanto o outro estava acachapantemente errado... Não devemos, sob nenhum critério, devoção a Aristóteles, somente porque era um empertigado e obsessivo taxinomista, que falou sobre tudo e errou sobre muito mais... Não precisamos render homenagens à ambição desmedida de homens como Marx, que seguiram outros homens ambiciosos como Rousseau, somente pela extensão de suas obras - e erros... Muito sangue foi derramado e continua sendo por isso... Assim como Freud, o autor mais exposto, ao lado de Augusto Cury e Paulo Coelho, na Livraria Cultura...

(VI) O que é pensamento e o que é mero constructo arbitrário??? A prova é a linha divisória, e remonta aos sumérios e egípcios, milhares de anos antes dos gregos, e que foi consolidada como Princípio Pétreo somente quase dois milênios depois, caracterizando o conceito de Ciência;

(VII) o que é 'Filosofia', nos termos do formalismo da Antiguidade Clássica??? Uma preocupação exacerbada com o formalismo e a perfeição divinal, por parte de uns, e a insistência no entendimento da REALIDADE por parte de outros...

(VIII) O que é 'ética'??? Sob esta égide, muito se disse, 'achologicamente'... Spinoza - a quem admiro sem idolatrar -, escreveria em sua ´Ética' (Pars SECUNDA, Propósito XXXII) que "Omnes ideae, quatenus ad Deum referuntur, verae sunt" ["Todas as ideias, enquanto são referidas a Deus, são verdadeiras"]... E ele diz 'demonstrar' a validez deste postulado: "Com efeito, todas as ideias, as quais existem em Deus, estão em perfeita concordância como os seus ideados (pelo corolário da proposição VII) e, portanto (pelo axioma VI da Proposição I), são todas verdadeiras. C.Q.D."... Por quê??? Quod erat demonstrando??? Isso não é demonstração, é constructo... A Proposição VII nos diz que "A ordem e a conexão das ideias é o mesmo que a ordem e conexão das coisas", o que devo refutar... Spinoza segue: "Corolário: Segue-se disso que a potência de pensar de Deus é igual à sua potência atual de agir." Daí uma torrente de equívoco, desde Platão... Idealizar algo não o torna real... Outros concordaram comigo já na Antiguidade Clássica e é desta vertente que emana e decorre o VERDADEIRO CONHECIMENTO, O CORPUS DE SABERES CIENTÍFICOS... E mais, a Proposição I, também citada como 'demonstrativa' da Proposição XXXII, nos diz que "O pensamento é um atributo de Deus, ou seja, Deus é uma coisa pensante."... Não importa quanta erudição ou elucubração, mas o conteúdo de tais proposições e demonstrações está ERRADO... Deuses são mitos imaginados pelo homem, em função de sua sina de buscar ordem no caos, e a dificuldade primitiva em encontrar explicações... Deuses são fruto do desespero por respostas... Spinoza e Kant, por mais respeitáveis que sejam, não chegaram a isso – mas estiveram perto... Se beneficiados por conhecimentos posteriores, certamente teriam revisado seus postulados... Ou não!!! Mas, outros, puderam ESPERAR PARA SABER, e é deste comportamento Neuropsicológico, que decorre os nossos saberes objetivos, e que...

(IX) [...] norteiam TODOS OS NOSSOS COMPORTAMENTOS MORAIS,

(X) [...] PERMITEM QUE VIVAMOS MAIS E MELHOR,

(XI) [...] MORRENDO MENOS AO NASCER... Pinker em 'Os Anjos Bons de Nossa Natureza', 'Tábula Rasa', assim como Matt Ridley em 'O que nos faz humanos' e Harris em 'A Paisagem Moral', puseram fim a esta discussão...

O COMPORTAMENTO MORAL DECORRE DE CONHECIMENTOS OBJETIVOS... SER ÉTICO É ANTES DE TUDO SER INTELIGENTE, MAS SER INTELIGENTE NÃO GARANTE A ÉTICA... ÉTICA É INTEGRIDADE INTELECTUAL... ÉTICA É MANTER A COERÊNCIA QUANDO JÁ NÃO EXISTEM TESTEMUNHAS - NEM NOS CÉUS...

“Thomas Hobbes considerava Aristóteles um ‘tolo esvoaçante’ e um ‘insensato’.” – Martin Cohen (‘Casos Filosóficos’)

"A estupidez insiste - sempre!" - Albert Camus

"A estupidez tem duas maneiras de ser: ou se cala ou fala. A estupidez muda é suportáve." - Honoré de Balzac

Eu estendo os mesmos predicados aos devotos admiradores dos charlatões do pensamento - enquanto avançamos pelo Terceiro Milênio: TOLOS, ESVOAÇANTES E INSENSATOS... A pior estupidez é a que fala sobre algo que não escutou ou não leu...  Ao menos desta vez, o estúpido precisará engolir suas palavras... TODAS ELAS!!!

Q.E.D.


Carlos Sherman

Nenhum comentário:

Postar um comentário