Pesquisar este blog

quinta-feira, 22 de maio de 2014

Humanos e tal...



"Que mal há em incitar a rejeição de uma religião, se as atividades e ações desta religião são tão intoleráveis, irracionais e abusivas dos direitos humanos que merecem ser totalmente rejeitadas?" - Rowan Atkison

Desta vez o 'Mr. Bean' estava falando sério...

Um amigo casual, poeta e pensador, observou:

"HÁ MUITAS 'COISAS' QUE SE DENOMINAM RELIGIÃO MAS SÓ CONFUNDEM E DESTROEM O AMOR QUE É ESSÊNCIA NA BUSCA DA LIGAÇÃO COM DEUS."

Em um saudável debate 'telefônico' observou ainda que "cultos da escuridão", como a Umbanda e o Candomblé, não podem reclamar o seu quinhão de "luz divina"...

Refutei com respeito:

O Kardecismo tem alegorias europeias, assim como o cristianismo católico e o protestantismo... Isso enquanto as tradições e cultos afros foram encenadas em casas de pau a pique, e conservam suas alegorias até hoje, sem santos, pinturas barrocas ou renascentistas, senão simbolismos de suas cultural original... E só... Mas o fenômenos não mais ou menos respeitável, nem mais ou menos aberto à crítica que as religiões 'oficiais' ou aceitas...

Vale aqui notar que determinamos aquilo que é igual ou diferente, rechaçando o segundo... Também determinamos aqueles que pertencem ao nosso grupo, ou NÓS, enquanto rechaçamos a ELES... Não mais... O humanismo reclama que nos tratemos por humanos - troppo umanos...

Considero ainda que vosso corolário ["HÁ MUITAS 'COISAS' QUE SE DENOMINAM RELIGIÃO MAS SÓ CONFUNDEM E DESTROEM O AMOR QUE É ESSÊNCIA NA BUSCA DA LIGAÇÃO COM DEUS."pode - e deve - ser refutado pelo conjunto dos seguintes argumentos: 

(1) Religiões - todas elas - são agremiações pautadas por livros sagrados que descrevem suas divindades, assim como a respetiva normativa para as condutas sociais.aceitáveis, inaceitáveis, ou mesmo a serem punidas com a pena capital. Quando não estamos regidos por tais alegorias, estamos - não raro - manifestando a nossa experiência pessoal - não compartilhada pelo grupo; 

(2) A essência de todas as religiões em curso no planeta é a submissão - e nunca o verdadeiro amor. Qual é o amor contido na vingança apocalíptica cristã? Cristo, aquele que dá a outra face, volta para mostrar a verdadeira face na vingança do juízo final. Onde reside o perdão, a compaixão, o AMOR? 

(3) O fenômeno em curso aqui, está descrito pela Neuropsicologia como 'Desvios Cognitivos de Confirmação', também conhecido como 'jogar tênis sem rede'... Se deu certo 'foi deus', se deu errado 'fodeu' - com o perdão do trocadilho. Trata-se de uma conduta do espectro comportamental das ilusões. Consiste basicamente de rejeitar o que não interessa, no escopo das religiões, enquanto ressalta e reluz tudo aquilo que parece funcionar, ou é moralmente aceito no Terceiro Milênio... Neste caso estamos dispostos a descartar todos os imperativos que descrevem um determinado deus, despindo-o de tudo o que seja indesejável, para evocar um deus de amor que não foi descrito em nenhuma parte, e obra do imaginário pessoal de quem reclama tal observância. Dito de outra forma, se despimos o deus cristão de todos os seus aspectos indesejáveis, não sobra nada que denote sua onipotência, ciência, e presença. 

(4) Finalmente devo insistir, como em outras oportunidades, refutando com veemência a reflexão falácia deflagrada por Dostoivéski - por meio de seu avatar e personagem, Ivan Karamazov: "Se deus está morto, então tudo é permitido"... A Idade Média - ou Idade das Trevas - consagrou o período onde as religiões dominaram o planeta, e o sangue correu solto... O processo pacificador é iniciado com o Iluminismo, e está vivo no Humanismo Secular. Religiões consagram negócios, e vivem da hermenêutica de INCUTIR O MEDO PARA VENDER A SALVAÇÃO - foi o que se viu, é o que se vê... 

Portanto amigo, por uma questão de integridade intelectual e amor, devo refutar tais memes históricos e mal ajambrados, relacionando religião, amor e fundamento moral... Fecho citando uma de suas máximas admiráveis: 

"Há hipocrisia em falar e não fazer, como há maldades em adulterar modificando tudo ao seu bel prazer dizendo que certo é errado estar" - Paulo Sérgio Nanni... 

Torço para que reconsidere certo e errado, e sigo na custosa empreitada de alinhar o que penso, digo e faço... Julgue a qualidade de minha 'pensabilidade', porquanto, só intenciono o endereçamento da verdade, sem a pretensão de cerceá-la... 

Carlos Sherman

Nenhum comentário:

Postar um comentário