Pesquisar este blog

sábado, 28 de junho de 2014

Filosofando com Bárbara




[...] o que se convencionou chamar de Filosofia abarcou o exercício da pensabilidade, e abarcou a achologia pura, a crendice, e impulsionou a religião... Explico esta questão em meu livro 'THEOLOGIA - A FILOSOFIA NA PIA BATISMAL'... Você pode estar confundindo a nobre arte de pensar com a cátedra de filosofia... Este é o ponto aqui... Você defende a cátedra, o título, não do exercício da pensabilidade, da arte de pensar...

[...] a nobre arte de pensar, e a achologia autoritária, são temas bem diferentes... A cátedra de filosofia abarcou tudo isso no passado... Com base nos postulados platônicos, irresponsáveis, e de seu pupilo Aristóteles, muito sangue foi derramado... Evidentemente eles não intencionaram tanto... Mas estamos presos ao conceito pífio de 'perfeição' platônica até hoje... Isso levou muito gente pra fogueira, e à outros tipos de punição e censura, como Giordano Bruno e Galileu - entre muitos...

[...] vou te dar uma mostra da filosofia platônico-aristotélica:

[...] Você está invocando a falácia da contextualização... E Platão e Aristóteles não são o pais da 'filosofia moderna' como afirma... E 'que filosofia moderna é essa'? O sentido de coerência e  pensabilidade foram descritos muito antes de Platão e Aristóteles... Os pais da 'filosofia moderna', ou seja, da Ciência, foram Hipócrates, Epicuro, Sócrates, Lucrécio, Demócrito, entres outros... O constructo platônico-aristotélico foi batizado pela cristandade e convertido em teologia...

[...] explico: Aristarco exerceu a pensabilidade, correta, e Aristóteles não, e ambos estavam lado a lado... a linhagem de Aristóteles levou ao Cristianismo... Aristóteles era mais ensinado nos primeiros séculos cristãos do que a própria bíblia... Dizer que mulheres são inferiores está errado hoje e ontem... Pense no que vou dizer com carinho: por que Aristóteles não contou os dentes de sua esposa, quando afirmou que mulheres eram inferiores e tinham menos dentes do que os homens? Você se equivoca quando pensa que "era assim que se pensava antes"... Na verdade ele nunca amou o pensamento, e sim a autoridade...

[...]por que Hipócrates, pai da Medicina, disse que a epilepsia era uma doença do cérebro enquanto outros alegaram ser uma doença sagrada, uma espécie de possessão? Você está perdendo o ponto principal: já sabíamos desde Aristarco que a Terra girava em torno do Sol... Não era necessário acreditar e nem "evoluir" - como diz -, senão verificar e aceitar... Mas por que Aristóteles venceu? Pela autoridade, e não pela pensabilidade... Existe o pensamento antigo e o pensamento ERRADO.... Existem alegações mais corretas do que outras, e existem alegações erradas...

[...] Muito foi considerado como Filosofia injustamente... Não porque eram mais "evoluídos", mas porque submeteram suas hipóteses ao escrutínio da pensabilidade... Ele praticou a arte de pensar, e desejou tornar-se 'ciente', ele participou da consolidação da pensabilidade no que hoje chamamos de CIÊNCIA, ou Método Científico...

[...] Já que idolatra tudo o que advenho do rótulo 'Filosofia', pergunto: você conhece Olavo de Carvalho? Já ouviu falar neste escroque? Ele é... tchan, tchan, tchan, tchan... FILÓSOFO... e daí? E Drauzio Varella? É Oncologista... Quem ama mais o pensamento? E Sagan, Dawkins, Darwin, Huxley, Hitchens? Quem é filósofo de fato? Pensar é inato... 

[...] existe a cátedra, que está sepultada... A Filosofia de Cátedra mais se assemelha a um mausoléu, seus principais atores, todos, estão mortos... E existe a pensabilidade... Que tal o Pondé? Eu sou pensador, e me meti a fazer um doutorado de filosofia para ter o direito de pensar... Mas isso está na atitude, e não na academia... Nietzsche foi um grande pensador, assim como Spinoza, e não estudaram filosofia - como Olavo e Pondé, ou Marilena Chauí... Comecei um doutorado direto na UNIFESP, para descobrir que seria uma tremenda perda de tempo: o pensamento FUGIU da cátedra de Filosofia... Agostinho, Aquino eram filósofos, assim como Ghazzali - que afundou o mundo árabe... ... O mal-entendido reside no seguinte: onde reside o pensamento moderno? 

[...] o que quero dizer é que 500 anos AEC Aristarco sabia onde estava a Terra e Hipócrates sabia onde estava o cérebro - por que PENSARAM, e amaram o pensamento... Aristóteles disse que o cérebro era uma espécie de radiador, que as mulheres eram inferiores, e que a Terra estava no centro do Universo - por que quis ARBITRAR tudo isso, já que não haviam, sequer, parcas evidências... O MÉTODO e a ATITUDE fizeram a diferença... 

[...] 'Saber que' não é nada - hoje sabemos pela Neurociência, e não pela Filosofia... 'Saber como' é tudo... Isso porque somos maravilhosamente imperfeitos... De forma que cometemos erros...
Por isso precisamos cercar o erro, e acumular provas... A percepção é falha - sempre... 

[...] Podemos especular, claro, mas não podemos afirmar sem provas... Seria a subversão do importante conceito filosófico que solicita e cobra o ônus da prova a quem propõe... Se não sabemos, devemos suspender o juízo, e não postular dogmas... Filosofar é antes de mais nada indagar, certo, mas isso não permite que afirmemos sem provas, sob pena de cometermos injustiças... Aristóteles não deveria ter dito que mulheres tinham menos dentes, entende? Isso envolve ética e atitude responsável... Um tipo de 'honestidade sem limites', segundo Feynman, e que Russell chamou de 'Integridade Intelectual'... E que pese: Aristóteles foi casado duas vezes e não contou os dentes de suas mulheres... Observe o descaso com a prova, e a banalidade das afirmações...

[...] Provas, evidências, enunciados, premissas, conclusões, integridade... estas são as terminologias atuais do pensamento, já que filosofar está impregnado com Platão, Aristóteles, Agostinho, Olavo de Carvalho e Pondé...

[...] não quero convencê-la, quero que não hajam mal-entendidos... A humanidade vive imersa em mal-entendidos... O meu primeiro livro, 'ETHOS - Ético, Logo Cético', é dedicado à Filosofia... Considero-em um filósofo e divulgador científico, mas estou repudiando a cátedra, de forma geral, e explicando que o Círculo de Viena separa o 'baseado' da pensabilidade do esterco achológico... Desta forma, o pensamento passou a habitar outros círculos mais arejados...

[...] Umberto Eco esclarece, que chamar ao desconhecido de deus foi errado ontem e é errado hoje... 

[...] você está, na verdade, e sem perceber, endossando a falácia da 'contextualização'... Vilipendiar mulheres, conceitualmente, foi errado sempre... Não podemos manipular debates com a contextualização... Explico: se Aristarco pôde observar com tranquilidade, anotar, traçar hipóteses, antes de postular VERDADES, qualquer homem de seu tempo, ou contexto, estava em condições de fazê-lo, certo? Não cabe a contextualização aqui, ou seja, o Argumentum ad contextus... Neste caso não procede... Outros homens, no mesmo contexto, estavam em condições de assumir a mesma ATITUDE de Aristarco... Estavam prontos, e de fato assumiram... Como Hipócrates, Epicuro... Lucrécio, mais tarde... Sócrates, que morre por sua integridade intelectual... Então o que temos? Um contexto permissivo ao pensamento, certo? E neuropsicologias diversas...
Uns fechados, em-si-mesmados, narcisistas, egocentrados, e autoritários - como em todos os tempos... E haviam hones livres e pensantes... Quem praticou a filosofia? Observe aqui, que não estou cerceando o direito de especular: 'acho que a mulher é inferior por que tem menos dentes'... Estou condenando a SENTENÇA, a liberdade em postular, arbitrar... Filosofar é antes uma atitude... Não importa que nos equivoquemos, no final,  mas sim o bom exercício da pensabilidade...

[...] filosofar corretamente, implica em delimitar a validez de uma hipótese... Caso contrário estamos diante de dogmas e crenças... Explico: estivemos, filosoficamente, teoricamente, procurando por uma explicação para a gravidade... Esta explicação só seria possível se encontrássemos uma partícula subatômica... Até que encontráramos, nada foi afirmado... Quando você diz que evoluímos, devo observar que 'sim', em função do avanço instrumental, e do conhecimento cumulativo, exponencial... E digo que 'não', já que as bases do pensamento já estavam fundadas há muito tempo... Houve certo aprimoramento, mas Aristarco e Hipócrates comportaram-se como pensadores modernos porque seguiram o mesmo critério: o Método... 

[...] Sendo assim, despeço-me esperando haver desfeito todos os mal-entendidos... E você é livre e suficientemente inteligente para avaliar minhas premissas e conclusões... E celebro o brilhantismo de suas dúvidas e contestações... Você debate como alguém que dispõe de familiaridade com a epistemologia, e com a pensabilidade: como HIPATIA... Além do assombro com sua inteligência inata, devo celebrar também a sua gentileza e doçura... HIPATIA de Alexandria, não perca este filme...

Carlos Sherman

Nenhum comentário:

Postar um comentário