Pesquisar este blog

sábado, 28 de junho de 2014

Filosoflechas



A FILOSOFIA de Cátedra só tratou da REALIDADE até o Círculo de Viena... De lá pra cá existem diferente caminhos, a CIÊNCIA - que abarca a Filosofia da Realidade, comprobatória, analítica - e a FILOSOFIA Acadêmica - achológica -, ocupada em reeditar monografias dialéticas, grandiloquentes e abstrusas, escritas por aqueles que inventaram uma realidade só pra si... Questionam qualquer tipo de certeza, mas querem deliberar seriamente sobre questões Universais...

Dedo dizer ainda que a Metafísica é um bom lote de questões mal-colocadas... Para bem deliberar sobre o que está ou não além dos limites da REALIDADE física ou material, há que se consagrar primeiro como estudioso do mundo físico e material... A Filosofia Acadêmica e corporativa, ergueu os seus muros de contenção para livrar a Tprre de Marfim de contribuir com qualquer quinhão que seja de UTILIDADE... Entender a REALIDADE que nos cerca, o Universo, o funcionamento da Natureza e da Vida, assim como - e sobretudo - o comportamento humano, não está elencado em sua grade curricular...

“O que nos incita a olhar uma metade dos filósofos com desconfiança e a outra metade com ironia, não é o fato de percebemos como são ingênuos, nem como erram e se enganam com facilidade e freqüentemente. Não é também sua infantilidade e leviandade que nos chocam, mas a falta de honestidade com que fazem grande alarde de sua virtuosidade, quando se questiona, ainda que superficialmente, o problema de sua sinceridade. Todos fingem ter descoberto e alcançado suas verdadeiras opiniões pelo desenvolvimento de uma dialética pura, fria e impassível, distinguindo-se dos místicos que, mais honestos e menos hábeis, falam de ‘inspiração’. No fundo, sustentam, com argumentos posteriores, uma tese antecipada, uma afirmação arbitrária, provenientes de um capricho, de uma intuição ou de um desejo íntimo e abstrato. Defendem com astúcia e de modo rebuscado os próprios conceitos, empíricos, que batizam de ‘verdades’. Estão muito longe da intrepidez da consciência que confessa a si mesma sua mentira, e muito distantes do valor que se deseja ouvir, seja para advertir um amigo, colocar em guarda o inimigo, ou para ridicularizar a si mesmo. A hipocrisia ríspida e virtuosa com a qual o velho Kant nos leva pelas tortuosas veredas de sua dialética, para nos induzir a aceitar seu imperativo categórico, é um espetáculo que nos faz sorrir e sentir o imenso prazer de descobrir as pequenas e maliciosas sutilezas dos velhos moralistas e dos pregadores da moral. Somemos a isso a charlatanice, pretensamente matemática, com que Espinosa mascara sua filosofia, ou seja, o amor à sua sabedoria, para interpretá-la como lhe convém e assim intimidar, desde logo, a audácia do atacante que tivesse o atrevimento de levantar os olhos para esta virgem invencível, verdadeira Palas Atena. Quanta timidez e vulnerabilidade revela este disfarce de um doente solitário!” - Friederich Nietzsche (‘Além do Bem e do Mal’; Cap.1, Prop.5; 2006)

Estou afirmando ainda que a Filosofia de Cátedra, hoje, só trata de cortejar o pensamento ERRADO... Estou dizendo que vivem da reedição de monografias dos mesmos: Platão, Aristóteles, Rousseau, Kant, Hegel, Descartes, etc... Fenomologia, Existencialismo, pura besteira... É sério... Formas e formas de fugir à necessidade de estudar a REALIDADE... Muros erguidos para manter a realidade física bem afastada... Tudo o que a Filosofia corporativa tem feito é cortejar IMPERATIVOS CATEGÓRICOS... É disso que as respectivas cátedras da disciplina tratam na USP, na UFSCar UNIFESP – para citar alguns dos melhores exemplos em nosso país... Antes de contestar, e reunir um punhado de pedras, examine as grades curriculares, e examine os trabalhos de mestrado e doutorado dos principais cursos no Brasil, e verá que o que digo é verdade em 90% dos casos... Até Freud se refugiou no mundo mágico da Filosofia Acadêmica...

A Sociologia, por suas vez, não é mais do que um derivativo filosófico fundado sobre superstições: (1) a 'tábula rasa', (2) o 'bom selvagem', (3) e a existência de uma 'alma' - ou 'O Fantasma da Máquina'...

A Ciência - que a propósito, é uma latinização do conceito de CONHECIMENTO -, abarcou a parte da dita 'filosofia' interessada na realidade... Estou 'sim' dizendo com isso que o Círculo de Viena, culminando com a necessidade ética e prática de PROVA, separou duas correntes ditas filosóficas: a nobre arte de tornar-se ciente pela prova, e a torre de marfim da filosofia de cátedra - que, quer aceitem ou não, deriva dos constructos achológicos platônico-aristotélicos... O 'imperativo categórico' kantiano, 'o espírito do mundo’ hegeliano, a ‘histórica luta de classes’ 'marxiana', a 'alma' cartesiana, 'a juventude da humanidade nos silvícolas à qual devemos retornar' rousseauliana, a auto-análise 'freudiana – assim como a iluminação budista, e as revelações abraâmica, cristológica e maometana-, NÃO PASSAM DE CRENÇAS...
Tenho buscado explicar o fenômeno relacionando tal polarização, entre o ESTUDO DA REALIDADE vs A INVENÇÃO DA REALIDADE, por meio dos hemisférios cerebrais e sua predominância sobre nossas ações; seja como ADVOGADO, seja como CIENTISTA... Sim, defendo que a natureza humana está expressa em nossa forma de pensar,e que duas vertentes estão derivadas de tal modus operandi: a crença e a ciência... A Filosofia é a crença erudita... Sim a filosofia debruça-se sobre a metafísica, uma realidade inventada que está 'além da física', e que não pode ser reduzida a questões tangíveis e OBJETIVAS... Pois afirmo que todos os temas morais encontram respostas em questões tangíveis, reais, físicas, objetivas... Racismo, homofobia, sentido da vida, globalização, política, revoltas sociais, etc... Um mar de mal-entendidos que me dá calafrios... Pura ignorância provocada pelos elevados muros que separam os constructos filosóficos da complexa realidade... Nem Foucault, nem Husserl, nem Sartre, nem o 'místico' Descartes, nem o 'apodítico' Kant, muito menos o obscuro Hegel – e seu devoto Marx -, têm tais respostas... Nem as suas hordas de seguidores e avatares...

O VERDADEIRO CONHECIMENTO RESIDE NO QUE CONVENCIONAMOS CHAMAR DE CIÊNCIA TEÓRICA, OUTRORA PARTE DA FILOSOFIA... O DIVISOR DE ÁGUA É A PROVA E CLAREZA DO CÍRCULO DE VIENA... O CONHECIMENTO MULTIDISCIPLINAR É FUNDAMENTAL, MAS ENTENDER O COMPORTAMENTO HUMANO - ANTES - DEVE ESTAR NA BASE DE QUALQUER IMPORTANTE DEBATE 'FILOSÓFICO'...

[...] quem idealizou efetivamente a morte de deus foi LUCRÉCIO - 'De Rerum Natura' -, o executor foi o célebre Jean Meslier, e Nietzsche levou a fama...

[...] precisaríamos de horas para tratar de um tema tão delicado, mas insisto, ESTAMOS ENDEREÇANDO A VERDADE... Dispa-se de prerrogativas categóricas e 'pense' comigo: o rótulo da filosofia abrigava TUDO, hoje está separado em CIÊNCIA DA REALIDADE e FILOSOFIA DE CÁTEDRA... O divisor de águas? A REALIDADE FÍSICA... Logo, tudo o que é dito, sem provas, sem evidências, e sem o necessário conhecimento sobre a realidade FÍSICA - 'por estar além da física' -, é METAFÍSICO... E tudo o que pode ser alegado sem provas pode e deve ser descartado sem provas... A 'crença' na metafísica subverte o ônus da prova... E a ausência de provas não é prova da ausência - MUITO MENOS DA EXISTÊNCIA... Provar a inexistência constitui absurdo lógico, portanto não perca o seu tempo com tais viagens na maionese... Entender o que aí está já é suficientemente complexo...

Submeter um juízo ao escrutínio da pensabilidade corresponde à atitude filosófica e científica - de fato... Mas tal disposição não habita o CURSO DE FILOSOFIA - assim como Freud já não faz parte do corpus de conhecimento da Psicologia... O que muito denotam como um tema da Filosofia de Cátedra, na realidade só pode ser tratado pela CIÊNCIA TEÓRICA... Preciso separar o conceito de 'amar o pensamento', expresso na etimologia latina do conceito de Filosofia, da Filosofia Acadêmica reinante em nosso país... E preciso separar achologia e o mero constructo autoritário, no nobre ato de pensar e conhecer... E afirmo que o Círculo de Viena entendeu a questão ,estabelecendo um marco...

O QUE VOCÊ DENOTA, NA REALIDADE, QUANDO DIZ QUE A CIÊNCIA ESTÁ IMPREGNADA DE DISCURSO 'FILOSÓFICO', É A NOBRE ARTE DE PENSAR, A EPISTEMOLOGIA - DEVIDAMENTE SALVAGUARDADA PELA CIÊNCIA TEÓRICA... FILOSOFAR É O ATO INATO DE PENSAR, E FAZÊ-LO COM 'PAIXÃO'... ONDE DENOTAMOS TAL FENÔMENOS? NOS GUARDIÕES DAS MONOGRAFIAS DOS ERROS COMETIDOS? OS GUARDIÕES DOS IMPERATIVOS SAGRADOS? OU NA CIÊNCIA DINÂMICA, E QUE AVANÇA SOBRE OS SEUS ERROS, ATRAVÉS DE UM MÉTODO QUE OS CONSIDERA E MINIMIZA?

Carlos Sherman

Nenhum comentário:

Postar um comentário