Pesquisar este blog

quinta-feira, 29 de outubro de 2015

Mais um apologeta: VIEMOS DO TIJOLO!



VIEMOS DO TIJOLO

Sobre um completo imbecil, de nome "Ricardo Castañón Gomez", comento que não parece possuir mais do que "un castañón en la cabeza"... Não pude evitar o "Ad hominem", ou "Ad stultus" - e que seja... Mas este falastrão, que se auto-intitula "cientista ex-ateu", parece NÃO SABER NADA SOBRE NADA... 

E se o termo "ciência" não passa da versão latinizada para a palavra "conhecimento", a atitude científica decorreria, forçosamente, do embasamento de opiniões a partir do conhecimento comprovado - Onus probandi... Mas Castañón desconhece tudo - e algo mais... Vejam esta pérola da estupidez:

"[...] Científicos... ellos insisten en que venimos del mono, ellos insisten en esas teorías que venimos de caos, de los choques interplanetarios, de las primeras partículas que cayeron, ... Y ahora miren cuan inteligente es el hombre de hoy que le es más fácil creer que venimos del mono que de Dios. Es que es grave. Y hay teorías que dicen que venimos de las abejas (risas), no se como harán esa concepción, de un mamífero semejante que salgan las abejas (risas)..." - Ricardo Castañón

Pois rimos por último deste pateta... Afinal, o "Dr." considera mais factível que sejamos parentes próximos do TIJOLO - sim, já que viemos do BARRO! - do que tenhamos evoluídos como parte integrante da natureza, como fartamente comprovado... Aqui dispomos de alguns pontos interessantes, a começar por verdades isoladas que podem configurar acachapantes falsidades - no caso, as credenciais de Castañón como cientista... E devo insistir que não importam as credenciais; pois se estamos tratando de proposições torpes, fracas, não bastarão credencias... O que importa não é o que fizemos ou não em outras esferas, quem somos, mas quais são os fatos e proposições que deitamos sobre a mesa...

Castañón alega haver trabalhado com Rita Levi-Montalcini - célebre ganhadora do Nobel de Medicina e Fisiologia em 1986, pela descoberta de uma substância envolvida no crescimento de células nervosas, possibilitando ampliar os conhecimentos sobre o Mal de Alzheimer e a Doença de Huntington; mas Castañón trabalhou apenas no laboratório desta eminente "cientista", em questões periféricas, e não diretamente nesta pesquisa - de cunho estritamente biológico... Afinal, deveria haver aprendido algo com a cientista, já que seu trabalho serve de substrato para que compreendamos a imperfeição que nos habita, a sujeição a desvios de percepção - e entre eles a crendice da qual Castañón é vítima...

E mais, o "ex-ateu" parece não haver aprendido sequer sobre os rudimentos da atitude científica, e muito menos sobre o ceticismo de Montalcinos - ateia e secular até o fim de sua vida:

"Desde pequena não me sentia igual aos demais. Quando me preguntavam 'qual é a sua religião?', respondia: 'Eu sou livre-pensadora', e ninguém sabia o que era isso. 'E seu pai o que é?'... é engenheiro." - Rita Levi-Montalcini

De nada vale dizer que somos bons, sem sê-lo; assim como de nada vale dizer que somos "cientistas", sem adotar uma atitude "científica"... As credenciais, legítimas ou não, não emitem pareceres sobre proposições e fatos.. Sendo esta uma conhecida falácia retórica: Argumentum ad baculum ou Ad verecundiam...

Castañón, em seus vídeos, faz um "copy/paste" dos piores, mais frágeis, e primitivos, argumentos apologéticos, sobre a existência de UM DEUS ESPECÍFICO - o "deus de Castañón"... com alusões colaterais à "Aposta de Pascal", ao que devo objetar sem demora:

1. Em resumo, e supostamente, os pobres ateus vivem sem a menor esperança na VIDA APÓS A VIDA; ou seja, A VÃ ESPERANÇA DE QUE SEGUIRESMOS - VIVOS, DE ALGUMA FORMA - DEPOIS DE CONSAGRADOS COMO MORTOS - pelo Instituto Médico Legal de sua região... De forma que, e apenas por medo, seria melhor "fechar" com "deus", com o "deus de Castañón", e contrariando a todos os outros deuses... Não iremos ao inferno cristão, mas o que pensarão Hanuman - o deus-macaco -, e os milhares e diversos deuses dos diversos politeísmos? O que dirão Thor, Tupã, Ai Apaec etc?

2. Então, seria melhor acreditar em deus por ser mais garantido? E não custa mada? De forma que, de acordo com a estatística delirante de Pascal - e no fim de sua vida -, é mais garantido apostar em que deus exista, e garantir um "lugar ao céu"... E não custaria nada... É só "dizer que acredita"...

3. De forma que supomos um deus estúpido e vaidoso... Que engole o nosso engodo? É só dizer que creio e pronto?

4. Mas se deus não é estúpido, então teremos que seguir sua cartilha... O que significa uma vida impraticável e terrível... Então leiam a bíblia para anotar as regras...

Toda a infantilidade da aposta pascalina, além do besteirol teológico e metafísico, fazem parte do acervo de impropérios vomitados por Castañón... "Tudo tem um criador, se o relojo tem um relojoeiro, então o homem precisa de um técnico para projetá-lo e moldá-lo"... Bom, então temo um relojoeiro cego... E um criador bem incompetente... Que nos faz comer e respirar pelo mesmo orifício... Que projeta olhos em morcegos cegos...

Toda esta baboseira não passa de um bom lote de questões mal colocadas, e da esfera neurofisiológica - capítulo "Desvios Cognitivos - A Biologia das Crendices"... E devo dizer que:

AQUELE QUE DEFENDE COM ARGUMENTOS DE OCASIÃO, O QUE DIZ SEGUIR POR UMA QUESTÃO DE PRINCÍPIOS, NÃO ACREDITA NEM NOS ARGUMENTOS, E NEM EM SEUS PRINCÍPIOS... E não passará de um ilusionista, um estelionatário, ou coisa pior...

Castañón emite opiniões comparáveis a crianças que ainda não concluíram o primário - desde que hajam sido catequizadas... De forma que, se necessito qualificá-lo para este tipo de debate, e baseando-me apenas em suas proposições - e que de fato é o que interessa -, não poderia atribuir mais do que o predicado: "santa e soberba ignorância"... em relação aos seguintes temas: comportamento humano, genética comportamental, neurociência cognitiva, neuropsicologia, neurofisiologia, neuroanatomia, genética, biologia, etologia, física, astrofísica, astrobiologia... história, antropologia, arqueologia etc...

Sem mais, Q.E.D....

Carlos Sherman

Nenhum comentário:

Postar um comentário